Há 45 anos, Band resgatava Revista Feminina, pioneira atração para mulheres

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Prestes a lançar Melhor da Tarde com Cátia Fonseca, sua mais nova aposta para o público feminino, a Band já investiu no filão em outras ocasiões. Em 1973, por exemplo, o canal da família Saad relançava o Revista Feminina, primeiro programa da televisão brasileira voltado para as mulheres, e que havia sido exibido inicialmente pela TV Tupi entre 1958 e 1971, sob o comando de Maria Thereza Gregori.

O programa era apresentado nas tardes da TV brasileira e passou por três emissoras diferentes. Na TV Tupi, ficou 13 anos no ar, tornando-se um clássico. Após dois anos fora do ar, a atração foi retomada pela Band, canal que o exibiu até 1981. Em seguida, Revista Feminina foi reeditada pela TV Gazeta, onde ficou mais um ano no ar.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na TV Tupi dos anos 1950, Revista Feminina falava sobre a mulher daquela época, ou seja, com assuntos de interesse, sobretudo, às donas de casa. O programa, então, tratava de moda, beleza, pediatria, culinária, geriatria e noticiário. E também exibia novelas, e lançou na telinha nada menos que Glória Menezes, que atuou em Senhora, adaptação do romance de José de Alencar. Em entrevista à revista IstoÉ Gente, em 2000, Maria Thereza afirmou que foi ela quem indicou Glória para a atração. “Precisavam de uma atriz e sugeri a Glória, minha amiga da Escola de Arte Dramática”, contou.

Além de Glória Menezes, outros ícones da TV brasileira debutaram na telinha no Revista Feminina. Clodovil e Denner, dois expoentes da moda no país, eram colaboradores da atração, trazendo informações sobre o mundo da moda. Já a culinarista Ofélia Anunciatto, pioneira no segmento de cozinha na TV, trazia dicas de culinária.

Em 1971, a Tupi cancelou o Revista Feminina, e Maria Thereza Gregori ficou dois anos afastada da TV. Retornou pela TV Bandeirantes em fevereiro de 1973, trazendo de volta várias das atrações que a consagrou. No entanto, entre o final da década de 1970 e o início da década de 1980, Revista Feminina passou a acompanhar a evolução do universo feminino, mesclando assuntos mais amenos e caseiros com informações gerais sobre mercado de trabalho, política e economia.

Na Band, Revista Feminina repetiu seu sucesso inicial e permaneceu no ar por oito anos, sendo cancelado em 1981. Mas ganhou uma sobrevida quando a Gazeta contratou Maria Thereza Gregori e “ressuscitou” Revista Feminina, já mais voltado para notícias e informações gerais. Esta fase, no entanto, durou pouco: apenas um ano.

O pioneirismo de Maria Thereza Gregori no universo dos programas femininos a credenciava a opinar sobre suas “sucessoras”, como Ana Maria Braga, Claudete Troiano, Ione Borges e cia. Em entrevista à IstoÉ Gente do ano 2000, a apresentadora criticou os femininos exibidos no final do século 20. “Hoje só se preocupam com comida, parece que as mulheres só sabem fazer isso e o pior é que engorda”, alfinetou ela. Na época, todos os femininos exibidos nas tardes da Globo, Band, Record, RedeTV! e Gazeta eram 90% dedicados aos quadros de culinária.

Maria Thereza Gregori faleceu em 2013, após um ataque cardíaco, aos 87 anos.

Leia também:

3 anos sem De Frente com Gabi: relembre todas as fases do talk show de Marília Gabriela

 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio