Gabriela Medvedovski fala da relação com Lucio Mauro Filho: “meu guru conselheiro”

Os atores vivem Keyla e Roney, filha e pai em Malhação: Viva a Diferença

Publicado há 2 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Malhação: Viva a Diferença, Roney (Lúcio Mauro Filho) abandonou a fama e optou pelo anonimato para se dedicar à filha Keyla (Gabriela Medvedovski). Trocou a música pela lanchonete e, apesar de abrir mão de um sonho, deixou mais do que claro que seu bem mais precioso é a jovem e, agora, também o neto.

Tonico não estava nos planos do jovem avô, mas o amor é tão grande que nem ele imaginava que poderia contribuir tanto para o bem da filha e do neto. Até Tato (Matheus Abreu), mesmo sem ser o pai biológico de Tonico, conquistou seu lugar no coração de Roney, que criou pelo rapaz um profundo afeto.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Roney fica bravo, cobra da filha aquilo que acredita ser o correto e se vira para proporcionar o melhor possível para a família. Além da música, seu maior talento é ser pai.

Para Gabriela Medvedovski, o carinho entre os dois se estendeu para a vida. “Não é à toa que até hoje chamo Lucinho de ‘papis’, ele realmente foi uma figura muito importante para mim durante todo o processo de gravação. Construímos uma relação muito linda de parceria e amizade, ele foi e segue sendo meu conselheiro, a quem eu recorro sempre”, revela a atriz.

Na entrevista abaixo, a atriz analisa a relação entre Keyla e Roney.

Como você enxerga a relação de Keyla com o pai?

Acho a relação deles muito bonita, eles encontraram ali uma grande parceria que transita muito entre uma relação de pai e filha e de amigos mesmo. Quando precisa, Roney é firme e se coloca como a figura de autoridade que ele precisa ser, mas ele também é muito parceiro, amigo e a relação deles é muito agradável de acompanhar, rende ótimas risadas.

Fale um pouco sobre a relação nos bastidores com Lúcio Mauro Filho.

Não é à toa que até hoje chamo Lucinho de ‘papis’, ele realmente foi uma figura muito importante para mim durante todo o processo de gravação. Construímos uma relação muito linda de parceria e amizade, ele foi e segue sendo meu conselheiro, a quem eu recorro sempre. Observar Lucinho em cena e fora dela é uma aula de humildade, profissionalismo e carinho, porque ele realmente é um exemplo. Com ele aprendo diariamente – até hoje – a ser uma pessoa melhor.

Você se lembra de alguma cena específica que tenha sido mais emocionante? E a mais divertida?

Divertida fica difícil de eleger uma só, né? Todas as cenas de Roney e Keyla eram garantia de diversão, tínhamos a sorte de ter um texto muito dinâmico e engraçado que nos proporcionava momentos de muita alegria. Nunca tinha baixo astral.

Agora, de emoção, consigo eleger um momento muito especial, que foi a gravação da cena em que Keyla e Tato contam para o Roney a verdade sobre o pai biológico de Tonico. A cena em si já era muito importante para a trama e já tinha uma carga emocional bem grande. Mas aquele dia foi especialmente marcante para mim porque foi o dia que Lucinho me contou que ele e Cici, sua esposa (Cintia), estavam grávidos de Liz. Então, a emoção reinou aquele dia no set.

Cantar não é tarefa fácil e o resultado da cantoria da Keyla e Roney é bom. Como foi gravar as cenas em que vocês cantam juntos?

Sempre que tinha música era um motivo de alegria, a música conecta Roney e Keyla da mesma maneira que conecta Gabi e Lucinho. Então eram oportunidades muito boas de dividir um amor em comum nosso.

Você e o Lúcio mantém contato ainda hoje?

Mantemos sim, tenho a honra de ter além de Lúcio na minha vida, toda a família maravilhosa dele, que sempre me acolheu como uma filha mesmo. Agora, por conta da pandemia, existe uma distância física, mas que não é o suficiente para que a gente deixe de se falar. Vira e mexe a gente se liga e se atualiza de tudo. Lucinho segue sendo meu guru conselheiro, amigo querido, que eu tenho muita sorte de ter na minha vida.

Malhação: Viva a Diferença tem autoria de Cao Hamburger e direção artística de Paulo Silvestrini e vai ao ar logo após o Vale a Pena Ver de Novo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais