Da novela das 10 à minissérie e à “supersérie”: por que tantos nomes?

Publicado há 2 anos
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Chega ao fim nesta segunda-feira Onde Nascem os Fortes, segunda produção vendida pela Globo como “supersérie” do horário das 23h. Após 53 capítulos, a história escrita por George Moura e Sérgio Goldenberg parece ter fixado a nova nomenclatura. Até 2016, com Liberdade, Liberdade, a emissora chamava as produções do horário de “novelas das 11”. Em contraste com esse título, Os Dias Eram Assim foi chamada já de “supersérie”.

A supersérie não é uma novela tradicional, já que é mais curta, nem uma minissérie tradicional. Afinal, é mais longa do que esta e com trama mais próxima da novela. Essas características foram sendo incorporadas e aprimoradas pelo formato do horário a cada experiência. Com efeito, levando-se também em conta as contingências do mercado de TV e as exportações, a nomenclatura “supersérie” funciona melhor do que “novela”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Especialmente quando nos lembramos de que no produto em si há elementos que aludem a produções estrangeiras. Além de liberdades temáticas impedidas pelas novelas, exibidas mais cedo. Com o objetivo de denominar o produto que exibe no meio do ano, com características de vários outros, optou-se pela criação de um novo nome. No entanto, o que se tem visto nesse horário ainda são as “novelas das 11”. Porém, com outra denominação mais conveniente às estratégias globais.

Jesuíta Barbosa e Fábio Assunção vivem grande momento em Onde Nascem os Fortes  

O surgimento da novela das 11, antes da supersérie

Em 2011, a Rede Globo decidiu produzir uma nova versão de O Astro, clássico de Janete Clair, para lançar um novo horário de novelas. A deixa para o projeto foi a intenção de homenagear os 60 anos do gênero no Brasil.

Pensada para cerca de 60 capítulos – fechou em 64 -, O Astro alcançou grande sucesso para a faixa e mostrou a aprovação do público para a experiência. Por consequência o horário manteve por algum tempo o espírito de resgate de histórias antigas da casa – de 2011 a 2014.

Nesse meio tempo, em 2012 foi apresentada Gabriela, de Walcyr Carrasco a partir da obra de Jorge Amado. No ano seguinte, Ricardo Linhares atualizou Saramandaia, de Dias Gomes. Em 2014 foi a vez de O Rebu, de Bráulio Pedroso. A saber, essa releitura foi feita pelos mesmos Moura e Goldenberg de Onde Nascem os Fortes.

Comemorando seus 50 anos em 2015, a Globo decidiu produzir uma história inédita para a faixa das 11 e Walcyr Carrasco escreveu Verdades Secretas. Em 2016 Mário Teixeira escreveu Liberdade, Liberdade, com argumento de Márcia Prates.

Autor de Onde Nascem os Fortes critica americanização de séries nacionais: “Nunca seremos como eles”

Por 30 anos, o horário da supersérie foi de minisséries na Globo

Entre 1982 e 2011, a faixa das 23h (antes 22h15min e depois 22h30) foi consagrada pela Globo a produções dramatúrgicas curtas, chamadas de “Séries Brasileiras”. Posteriormente, a partir dos anos 1990, de “minisséries”. Por outro lado, sua duração variou de 8 a 56 capítulos – nem todas foram tão “mini” assim. Salvo uma variante, as “microsséries”, que ficavam entre 3 e 4 capítulos.

As “Séries Brasileiras”, em episódios semanais ou capítulos diários, substituíram na ocasião as novelas das 10. A faixa durou toda a década de 1970 e apresentou novelas históricas como O Cafona, O Bem-amado e O Grito. Também podem ser citadas Bandeira 2 e Os Ossos do Barão. O formato foi substituído em 1979 pelas séries nacionais, como Malu Mulher e Carga Pesada. A ideia era ocupar com produção nacional um espaço dominado pelos enlatados estrangeiros e oxigenar a dramaturgia, indo além dos folhetins longos e tradicionais. Houve ainda uma tentativa isolada de retomar o horário para novelas com Eu Prometo, em 1983.

Certamente, algumas das minisséries mais marcantes da história da Globo e lembradas até hoje originaram-se de romances conhecidos. Para exemplificar, cite-se O Tempo e o Vento, Tenda dos Milagres, Grande Sertão: Veredas e O Primo Basílio. Ainda, Memorial de Maria Moura, uma das produções mais vistas do horário. Similarmente, nos anos 2000 merece destaque A Casa das Sete Mulheres, também adaptada de um romance, que tornou-se best seller.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio