Brasileiro disputa final do Desafio Sob Fogo América Latina

Publicado há 2 anos
Por Greicehelen Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A primeira temporada de Desafio Sob Fogo América Latina termina na terça-feira (04), com o brasileiro Tom Silva entre os finalistas. O programa é uma produção original do History.

Veja também: As recomendações para conhecer Zoe na maternidade

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O History apresenta no dia da final, às 16h10, uma maratona especial com todos os episódios da temporada. Além disso, o último capítulo será exibido sem intervalos comerciais.

Às 22h30, no episódio inédito que encerra a temporada, Espada ancha mexicana, os ferreiros enfrentam um novo desafio.

Cada um precisa criar uma arma com seu selo pessoal usando correntes de motocicleta, correntes de distribuição e cabos de aço. Em seguida, eles devem recriar uma espada mexicana na última prova da temporada.

O Desafio Sob Fogo América

A competição reuniu oito ferreiros da Argentina, Brasil, Colômbia e México. Os participantes enfrentaram as altas temperaturas das forjas e demonstraram suas habilidades para replicar armas tradicionais e exóticas.

Em cada episódio, as armas foram minuciosamente avaliadas pelos exigentes jurados: o mexicano Antonio De Regil e o argentino Mariano Gugliotta. Apresentado pelo colombiano Juan Pablo Llano, o reality é o primeiro spin-off de Desafio Sob Fogo produzido fora dos Estados Unidos.

A versão latina manteve os padrões de qualidade que fazem da franquia Desafio Sob Fogo um grande sucesso. No entanto, com a adição do tempero e a conexão emocional proporcionados pelo idioma e cultura latino-americanos.

Um dos destaques da competição, o gaúcho Tom Silva, de 46 anos encarou concorrentes de peso para tornar-se um dos finalistas. Entre eles o argentino Pablo Bugallo e o colombiano Ricardo Cabrera. Além dos mexicanos Víctor Zamora Javiar Brito; Luis Morales; Azael Saragoza; e Patricio Aupart.

Na disputa pelo prêmio de dez mil dólares e pelo título de melhor forjador do continente, o brasileiro saiu na frente. “Tenho muita confiança no meu trabalho. Quero mostrar que tem gente fazendo ótima cutelaria na América Latina. Tem história, tem matemática e tem arte. Não são somente facas”, afirmou Tom Silva.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio