Assédio: Conheça as mulheres que uniram forças após serem violentadas por Roger Sadala

Publicado há um ano
Por Greicehelen Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Após o primeiro ano de
Assédio,
as mulheres violentadas pelo médico Roger Sadala (Antonio Calloni) retornam compartilhando um acolhimento que não
encontram em suas próprias casas e famílias. As histórias dessas vítimas serão
exploradas a partir da próxima sexta-feira (03), na segunda temporada da série,
logo após o Globo Repórter.

Stela. Eugenia.
Daiane. Maria José. Vera. Professora. Arquiteta. Recepcionista. Dona de Casa.
Bailarina. Nomes, profissões e estatísticas que reuniram mulheres de idades,
classes e situações emocionais tão diferentes em torno da mesma dor, vergonha e
angústia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Cada uma com uma história, uma bagagem, mas todas com a mesma sede de justiça, que as fortaleceu. A quebra do silêncio gera um movimento crescente e desperta nas demais vítimas o desejo por justiça. As vítimas passam a entender que juntas são mais fortes.

Por estarem vulneráveis e por haver uma permissividade social e cultural, elas vão sendo assediadas. Esse médico tira partido dessa fragilidade delas, do poder que ele tem e da permissividade que acontece em torno para atacá-las”, ressalta a autora Maria Camargo.

Conheça a seguir cada uma dessas mulheres

Stela e o silêncio devastador

Stela (Adriana Esteves) e Homero (Leonardo
Netto
) vivem um casamento feliz e sonham em ter um filho, mas sem sucesso.
Ela é professora de educação infantil, ele piloto de avião. Em 1994 vão ao
consultório de Dr. Roger e, já no primeiro encontro, acreditam que finalmente
vão conseguir aumentar a família.

A
esperança vira desalento e escuridão quando Stela, após a coleta dos óvulos, é
violentada pelo médico ainda anestesiada. Sem entender bem o que aconteceu, mas
ciente da agressão, não consegue contar a ninguém o que viveu. O caos se
estabelece em sua vida. A dor se transforma em um silêncio ensurdecedor, que
guia a sua vida aos longos dos anos seguintes.

Ela
se sente inapta a continuar a dar aulas. Homero não entende o sofrimento da
esposa e sua recusa em voltar à clínica de fertilização. Ela deixa o emprego, a
separação é inevitável e a professora acaba acometida por uma forte depressão.

Stela é uma mulher, vítima de dores e frustrações fortes, que foram agravadas por uma enorme sensibilidade. Procuro ter responsabilidade em apresentar uma história, com fidelidade e respeito a pessoas que passaram por situação semelhante”, conta a atriz Adriana Esteves, que define como artesanal a forma de construir seus personagens. “Aos pouquinhos a personagem vai nascendo, amadurecendo, crescendo, se encontrando em sua função. Só quando vai ao público, consigo dimensionar o que foi feito.”

Eugênia e a força do acolhimento familiar

Assim como aconteceu com Stela e Homero, o
casal Eugênia (Paula Possani) e Ronaldo (Felipe
Camargo
) procuram tratamento. É a saída para realizar o sonho de
maternidade da arquiteta, já que ele, após ser pai no primeiro
casamento, fez vasectomia.

Ao
acordar da anestesia, também após a coleta dos óvulos, ela tem dores, algum
sangramento e estranha a atitude do médico. Ainda assim, confiante, volta para
a segunda etapa do processo e entende o que aconteceu: ela é assediada pelo
médico novamente, mas dessa vez consciente. Eugênia conta imediatamente tudo
para o marido e juntos procuram um advogado. 

Eugênia e o marido são o exemplo de como os casais deveriam agir nesse tipo de situação. Ela conta do abuso imediatamente para o marido, que acredita nela e apoia. Eles consultam um advogado e fazem um registro em cartório do que aconteceu. Mas esbarram no problema da falta de provas. Por isso não conseguem fazer a denúncia. Sabemos que vítimas de abuso costumam sofrer com a falta de credibilidade das pessoas e até de autoridades. A denúncia é frequentemente colocada em questão. Muitas vezes duvidam ou tentam diminuir o que aconteceu, inclusive culpando a vítima”, pondera a atriz Paula Possani.

Maria José: apontada como culpada pelo marido

Assim como as outras pacientes, Maria José (Hermila Guedes)
também sofre com a ausência de filhos e a cobrança por parte da família. Diante
de tantos casais com condições financeiras para realizar o tratamento, ela e
Odair (João Miguel) vivem uma
situação diferente. Residem em Vitória da Conquista, na Bahia, e precisam abrir
mão de suas economias para conseguir financiar a viagem, a consulta e o
procedimento.

Juntos
viajam para São Paulo em busca do sonho, mas o que encontram pelo caminho vai
contra todos os seus desejos. Maria José é violentada por Roger e ainda precisa
lidar com a desconfiança do marido, que, ao saber do ocorrido, acredita que a
relação foi consensual.

Mesmo
após o ataque, ela decide continuar o tratamento para fazer valer o dinheiro
investido. A vontade de ser mãe parece maior do que a agressão sofrida, mas a
dor é inevitável.

Ela é uma mulher nordestina, de muita fibra e dignidade, atrás do sonho da maternidade que até então acredita completar sua felicidade e a do seu marido Odair (João Miguel). Capaz de tudo: driblar a ira do companheiro, enfrentar perdas e de ir contra os próprios princípios para ter nos braços seus filhos. Muito feliz de estar num projeto tão contundente e de um grande serviço à sociedade”, defende Hermila Guedes.

Vera traz força e sororidade

Vera (Fernanda D’Umbra)
logo entra para a estatística do Dr. Roger. Casada com Elisa (Simone Iliescu), com quem resolve ter
um filho, também é agredida psicológica e fisicamente. Juntas, elas procuram um
advogado para registrar o ocorrido e descobrem que outra cliente, Eugênia,
passou pela mesma violência e decidem procurá-la. Já estamos no ano de 2007
quando as duas se encontram, conversam e decidem se unir contra o médico.

A Vera é uma mulher
tranquila, bailarina, casada com Elisa. Sua paz é rompida quando é atacada
dentro da sala de consulta. Ela fica em choque e foge da clínica. Mas sua busca
por justiça a coloca de volta ao centro dessa história: ela se une às mulheres que
o denunciam e vai aos tribunais exigindo que o médico pague por tudo o que fez.
A primeira vez que eu gravei com o Calloni foi muito forte
”, conta
Fernanda.

A atriz lembra que após a cena, que registrava o seu depoimento no tribunal, teve uma crise pesada de choro. “Não conseguia explicar racionalmente o que estava acontecendo comigo. Maria Camargo, a autora, estava no set, veio me abraçar e chorou também. Esse dia não foi fácil para nós, mulheres. Durante as gravações nos ajudávamos a entender a melhor forma de representar aquilo sem perder a força de luta delas. Porque a série fala dessa luta de um grupo de mulheres que encontra na união a sua única possibilidade de força. Portanto, a união das atrizes e a ajuda mútua foi quase natural”, lembra a atriz Fernanda D’umbra.

Daiane é o catalisador das denúncias

De 1994 a 2007 nada muda na relação do médico
com suas pacientes. O silêncio das vítimas parece garantir a tranquilidade de
Roger e a certeza de que sairá ileso de qualquer ato cometido dentro de suas
clínicas. Mas Daiane (Jéssica Ellen), a
recepcionista, sempre desconfiou do que acontecia dentro do consultório.

Não
podia ter certeza, mas seus sentidos indicavam que algo terrível se passava
ali. O que não imaginava é que, após servir de espiã para Glória (Mariana Lima), mulher do patrão, seria
atacada por ele. No entanto, ela não se cala diante do abuso e decide expor
publicamente o assédio sofrido.

Daiane é uma mulher muito forte e de muita coragem. É moradora da
Brasilândia, zona norte de São Paulo. Mulher guerreira, batalhadora, mãe de
dois filhos e chefe de família, como muitas mulheres brasileiras
”, torce a atriz Jéssica Ellen.

Primeira série original da Globo desenvolvida com exclusividade
para o Globoplay, Assédio chega à TV
aberta no dia 03 de maio. A obra de 10
episódios é escrita por Maria Camargo, com Bianca Ramoneda,
Fernando Rebello e Pedro de Barros. A direção
artística é de Amora Mautner, direção-geral de Joana Jabace e direção de Guto
Botelho.A
série élivremente inspirada no livro A Clínica: A Farsa e os Crimes de Roger Abdelmassih, de Vicente
Vilardaga.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais