Ana Paula Renault processa Nadja Pessoa e Evandro Santo após brigas em A Fazenda

Ex-BBB já teve três pedidos indeferidos pela justiça

Publicado há um mês
Por Daniel Neblina
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A apresentadora do Triturando, do SBT, Ana Paula Renault entrou com um processo na Justiça contra Nadja Pessoa e Evandro Santo por conta de desentendimentos que tiveram quando participaram do reality show A Fazenda, em 2018.

De acordo com o site Notícias da TV, em agosto de 2019, Ana Paula protocolou uma ação pedindo indenização por danos morais, materiais em tutela de urgência de natureza incidental após Nadja e Evandro terem a apelidado de Annabelle, boneca amaldiçoada que ganhou um filme de terror homônimo, em 2014.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A ação corre na 45ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de São Paulo. No processo, a ex-BBB relata desentendimentos com colegas de confinamento na Fazenda e cita apelidos maldosos que recebeu dos oponentes, como “desequilibrada” e “mentirosa”. Ela alega que teve sua vida prejudicada por conta disso.

Ana Paula Renault também diz ter sofrido prejuízos financeiros. Ela costumava ser convidada para fazer presenças VIP em festas voltadas à comunidade LGBTQ+, mas perdeu alguns contratos após ser chamada de homofóbica por Nadja Pessoa.

A ex-BBB tentou proibir, em tutela de urgência, os réus de citarem seu nome, sob a pena de multa diária de R$ 100 mil. A juíza Glaucia Lacerda Mansutti, porém, indeferiu o pedido, entendendo que os fatos ocorreram muitos meses antes de ela recorrer à Justiça, o que “descaracteriza a urgência”.

Em janeiro deste ano, os advogados e Ana Paula voltaram a solicitar a tutela de urgência, após ela sofrer novos ataques difamatórios de Evandro e Nadja através das redes sociais. Porém, três dias depois, a mesma juíza indeferiu o pedido.

Em fevereiro, a apresentadora do Triturando sofreu uma terceira derrota na justiça. Ela protocolou um agravo de instrumento no Tribunal de Justiça de São Paulo, mas o relator José Joaquim dos Santos concluiu que não há urgência na proibição de citar seu nome, por se tratar de uma ação que apresenta fatos ocorridos há quase dois anos.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais