Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Prudêncio

Alexandre Barillari entra em Nos Tempos do Imperador para viver artista plástico: “Grande reencontro”

O personagem foi inspirado em personalidades reais

Publicado em 17/01/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Longe da Globo desde Alma Gêmea (2015), o ator Alexandre Barillari entra em Nos Tempos do Imperador nesta terça-feira (18) como Prudêncio, um pintor que está na Guerra do Paraguai para retratar o conflito em suas obras.

O personagem é fictício e foi inspirado em personalidades reais. “O personagem funciona como um recurso para retratar os momentos da guerra, já que, por conta da pandemia, as cenas de batalha não puderam ser grandiosas, com muita gente“, contou o ator, em entrevista à coluna de Patricia Kogut, do O Globo.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

O ator, que passou os últimos 10 anos na Record TV, conta que o personagem tem um significado especial. “Eu fiz faculdade de Arquitetura. O curso funcionava no prédio de Belas Artes, então foi um grande reencontro para mim. Eu entrei para o curso para driblar o sonho dos meus pais de que eu fosse general do Exército. Eu venho de uma família de militares. Com 16 anos, eu já pensava em ser ator, e isso era insuportável para eles“, disse.

E completou: “Então, durante a faculdade, comecei a fazer teatro escondido. Por muitos anos, a minha carreira não foi bem aceita por eles. Foi só depois de “Salsa e merengue” (1996) que eles começaram a mudar de ideia, até que se tornaram grandes fãs“, lembra ele, que até hoje exerce a profissão de arquiteto.

Assim que foi escalado para o papel, ele foi a Petrópolis, onde tem uma casa desde que era criança, para visitar o Museu Imperial. “Nas minhas maiores lembranças da infância em Petrópolis, estou andando de pantufas no Museu Imperial. Desta vez, por conta da novela, fui com um olhar mais detalhista. A equipe do museu me recebeu e mostrou muita coisa”, ponderou.

“Na preparação, pensei em Pedro Américo (pintor famoso da época) e no seu quadro “Batalha do Avaí”, em que ele retratou Caxias com a farda desabotoada, o que foi uma grande polêmica na época. Por isso, eu sugeri que o meu personagem sempre aparecesse com a farda um pouco desabotoada. A ideia foi aceita”, encerrou.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....