Há 13 anos, Regina Volpato estreava em Casos de Família

Publicidade

No dia 18 de maio de 2004, o SBT colocou no ar sua nova aposta na programação vespertina. Na época, o canal vinha de apostas não muito bem-sucedidas na sua grade da tarde, como o Falando Francamente e reprises de novelas. Por isso, tratou de formatar uma nova atração, inspirada no “telebarraco” Márcia, exibido pela emissora em 1998. Nascia o Casos de Família, que apresentava ao Brasil uma nova e querida apresentadora: Regina Volpato.

Regina não era uma ilustre desconhecida na TV. Ela já havia aparecido como repórter da Fundação Roberto Marinho e nas bancadas de telejornais da Band e BandNews. Mas foi com o Casos de Família que ela foi apresentada ao grande público. E, de cara, conquistou uma legião de fãs, graças ao seu jeito terno, simpático e sua grande sensibilidade ao lidar com os casos que eram apresentados no novo programa do SBT.

Sim, porque embora Casos de Família fosse inspirado no antigo Márcia, a nova atração deixava de lado as brigas e discussões no palco e partia para uma boa conversa. Regina apresentava o tema do dia, geralmente ligado a diversos relacionamentos familiares, e recebia pessoas para contar suas histórias, ouvir conselhos e, quem sabe, sair do palco com alguma solução encaminhada. Ao final do programa, uma psicóloga avaliava os casos, e Regina encerrava a atração sempre com um discurso conciliador.

Continua depois da publicidade

E foi assim que Regina Volpato conquistou a sua audiência. Regina atuava como uma amiga da gente, alguém sempre disposta a ouvir e oferecer um ombro amigo. Não eram raros os momentos em que um convidado ia às lágrimas ao apresentar o seu caso, e Regina tratava de se aproximar, oferecendo um abraço e um lenço de papel. Regina se divertia, se emocionava e se compadecia dos casos apresentados. Assim, graças à sua elegância e inteligência, conseguiu transformar um formato que tinha tudo para ser uma mera exploração da desgraça alheia em um programa que verdadeiramente prestava algum serviço.

A aposta deu certo! Casos de Família estreou tímido, mas, aos poucos, foi ganhando público e registrando uma boa audiência para o SBT à tarde. Inicialmente apresentado às 16 horas, Casos de Família chegava fácil aos 10 pontos no Ibope. Em alguns momentos, em que passou por trocas de horários diversas, a atração chegou a perder público, mas nunca decepcionou de fato.

Entretanto, passados quatro anos no ar, Silvio Santos pediu que a atração assumisse uma linha mais popular. Na época, a imprensa especulava que este teria sido o motivo pelo qual Regina Volpato optou por não renovar seu contrato com o SBT. Assim, entre março e abril de 2009, o programa saiu do ar, voltando em maio já sob o comando de Christina Rocha, âncora da atração até hoje. Com a nova apresentadora, Casos de Família passou a priorizar bizarrices e bate-bocas, o que faz até os dias de hoje.

Já Regina Volpato passou um bom tempo fora da TV aberta. Ela retornou ao ar apenas em 2011, pela RedeTV!. Inicialmente, dividiu o comando do programa matinal Manhã Maior com Daniela Albuquerque. Depois, com a extinção da atração, passou a comandar a revista jornalística Se Liga Brasil, ao lado de Douglas Camargo e Heaven Delhaye, onde ficou até abril de 2013. Atualmente, Regina se dedica a um canal no YouTube que leva o seu nome, onde faz entrevistas e reflexões.

Há sete anos estreava Passione, novela com uma vilã protagonista

Assista ao Casos de Família com Regina Volpato, que discutia o tema “Sua vaidade está deixando você doente”, exibido em 2007:

Publicidade
© 2020 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade