“Vai mexer com o lado mais sensível das pessoas”, afirma Irene Ravache sobre Espelho da Vida

Publicado há 2 anos
Por Cadu Safner
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A grande atriz Irene Ravache marca seu retorno às novelas em Espelho da Vida, próxima novela das seis da Rede Globo. Escrita por Elisabeth Jhin, como é tradição da autora, ela abordará temas espiritas. Irene interpretará Magot, mulher de Vicente (Reginaldo Faria), com quem tem uma livraria com obras raras. Boa, alegre e espiritualizada, será próxima de Cris (Vitória Strada), a mocinha.

Ana Lúcia Torre interpretará sua irmã. Em entrevista ao Observatório da Televisão, a atriz revelou os motivos que a fizeram aceitar o convite para a trama e também sobre a personagem.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja também: Rafael Cardoso revela vontade de ir embora do Brasil: “Em pouco tempo estarei partindo”

“Não quero saber o que vou fazer, como vou fazer. Eu aceito porque eu sei que vem alguma coisa de qualidade”

Como é fazer mais uma vez uma novela da Elisabeth?

Eu nem pergunto qual é o papel. Se é novela da Elisabeth Jhin eu faço. Não quero saber qual é o papel. Não quero saber o que vou fazer, como vou fazer, aceito porque eu sei que vem alguma coisa de qualidade, pode ser pequeno, virá uma coisa com muita consistência, vai ser bonito, amoro, e eu acho que vai fazer o espectador uma pessoa melhor. O texto dela tem isso. Ela é uma pessoa muito amorosa.

Você conseguiu perceber grandes diferenças do seu texto com a sua ultima personagem de uma novela dela?

Sim. É outro linguajar, é outro jeito. A condessa que eu fazia era uma mulher autoritária, centralizadora, e com um linguajar de época. Essa personagem não. Ela é uma mulher de hoje, ela é carinhosa, acolhedora, sofrida. E eu faço praticamente de cara lavada e com o meu cabelo grisalho. Não tem glamour.

Como você enxerga a evolução da novela dela?

Ela vai mexer com o lado mais sensível das pessoas. Que é o lado que você não explica. Nos estamos vivendo num mundo muito descartável, muito rápido que você não dá tempo, não dá um espaço para entrar em contato com o mistério, com o desconhecido ou com  sensibilidade que às veze nem a gente sabe que tem.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio