“Telózinhas”, brincam Simone e Simaria sobre invencibilidade no The Voice Kids

Publicado há 9 meses
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Vem aí mais uma temporada de The Voice Kids. O já tradicional reality show do verão da Globo terá novamente como técnicas Simone e Simaria. As sertanejas conversaram com o Observatório da Televisão durante a coletiva do programa, e contaram sobre como é fazer parte da atração, que mesmo mantendo o formato as deixa emocionadas.

Durante o bate-papo, as duas falaram sobre as divergências nas escolhas durante o programa, seus novos projetos musicais para 2020 e sobre a fama de que elas seriam a versão feminina do Michel Teló, técnico da versão adulta do programa que já o venceu diversas vezes. Confira o bate papo abaixo:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As crianças do programa adoram vocês, como é isso?

Simone: É uma coisa tão especial viver isso. Eu acho que todos sentem ao ver na TV, mas é muito mais especial estar sentada ali e ver o rostinho das crianças brilhar. Eles estão em busca de um sonho e fazer parte disso é um presente vindo do céu.

Simaria: A gente é muito verdadeira, e colocamos todas as emoções que estão dentro da gente para fora, então não tem como não saber que isso é de verdade.

E essa quinta temporada tem emoções?

Simaria: Emoção é o que não falta. Engraçado que cada temporada é diferente e traz aprendizados novos, que levamos para a casa. É como se fosse a primeira vez.

Simone: Para mim é sempre especial, e tudo muda. Sempre há uma novidade. Alguma criança faz algo que você não espera e o coração bate mais forte. Às vezes tudo aquilo te faz voltar ao passado, porque nós vivemos muito o nosso passando, relembramos quando éramos crianças, e iniciamos cantando. É sempre muito especial.

O que vocês estão vendo de diferente nesta temporada?

Simone: Além do cenário que todo ano muda, estou um pouquinho mais magra, você não achou não? (risos). Eu perdi peso por uma questão de saúde mesmo. Eu estava com algumas coisas alteradas. Falta de vitamina D por exemplo, e outras coisinhas pequenas, mas que precisam ser consertadas. Eu aprendi a comer alimentos saudáveis, coisa que eu fazia com muita dificuldade. Começava uma dieta comendo salada, proteína, mas hoje eu como de tudo, legumes, vegetais, e coisas que eu não tinha costume de comer e me sinto muito melhor agora, sem açúcar e outras coisas. Não é que deixei de gostar, mas a gente deixa para lá.

Simaria: Já eu acabei de comprar um pacote de balas. Quando acabar aqui, eu vou comer tudo (risos).

Vocês estão lançando música agora, fala um pouco para a gente…

Simaria: A gente vai lançar músicas com diferentes cantores, a primeira será com MC Zaac, que é um funk muito legal, muito gostoso, que é uma outra onda de música. Temos em 27 de janeiro a música Amoreco, e uma parceria também com o Jerry Smith, que vocês vão dançar muito e amar a letra porque é muito divertida. Estamos preparando nosso novo DVD, e temos um convite do Padre Fábio de Melo para uma música linda, que acho que em 2020 deve sair e vai tocar o coração de muita gente.

Vocês são o Michel Teló da versão infantil? Porque vocês estrearam no programa e desde então só vencem. Como vocês vem esse protagonismo?

Simone: Eu acho que a gente tem uma sorte muito grande dos nossos fãs se esforçarem para votar sempre que estamos envolvidas então, o que é um ponto muito positivo. A gente não sabe o que pode acontecer, mas quem sabe nosso tricampeonato venha por aí?!

Simaria: Estamos com um time muito lindo. O Brown também está formando um time muito poderoso, por isso ainda vamos descobrir se viraremos ‘as Telózinhas’.

E o público vai chorar muito?

Simaria: Miga, não tem como! Eu choro, sou mole demais. Lá em casa a gente tem uma brincadeira que eu digo ‘eu sou um lixo’. Choro. Teve com muita facilidade, me vejo nas crianças. Quando começamos a cantar, tínhamos sete anos de idade, então tem muita criança que vive exatamente o que a gente viveu em algum momento. Teve uma criança aqui que engasgou e perdeu a voz, e me vi nela, porque às vezes eu ficava tão nervosa que acontecia isso, mas as pessoas ficavam com pena e me ajudavam, por isso eu passava nas provas. É um programa lindo, ensina muito e vai emocionar de novo. Kids, criança emociona.

Além do feeling de vocês, o que vocês levam em consideração na hora de selecionar uma criança? Nas edições anteriores, eu vi vocês discordando de alguns candidatos. Como vocês lidam com isso?

Simone: É muito difícil. Eu digo ‘vamos quebrar esse botão, separar esse botão’. Eu sou a mais cricri da dupla nessa questão de escolher. A Simaria é mais coração mole, enquanto ela diz ‘bora’, eu digo ‘não. vamos ouvir até o final’. Não é por maldade, mas lá trás eu passei muito por isso e foi muito especial para mim porque eu pude com o ‘não’ correr atrás do que sempre desejei na minha vida para estar onde estou. Quando eu era criança, as pessoas diziam que eu atrapalhava ela [Simaria]. E hoje na dupla, embora os vocais sejam bem divididos, nos álbuns eu canto um pouquinho mais que ela, então é uma coisa que eu busquei e corri atrás, como essas crianças que as vezes levam um ‘não’, mas eu mostro para elas que não se deve desistir. Claro que para mim não é fácil dar um ‘não’, porque se a gente pudesse levava todo mundo com a gente porque é muito lindo ver uma criança sorrir, mas é muito lindo ensiná-las para que sejam fortes, e que aprendam nesse programa a lidar com a vida porque os ‘nãos’ também acontecem.

Simaria, você passou por um problema sério de saúde há um tempo atrás. O que você aprendeu que você acha que hoje consegue ter esse equilíbrio?

Simaria: Eu aprendi tanta coisa, como me olhar primeiro, pensar em mim em primeiro lugar. Por mais que eu fosse dura nas decisões – por exemplo, se alguém me propunha um contrato, eu era a primeira a achar ruim algum item – então quando você faz isso, você vira o ‘trem ruim’ do negócio, mas por ter o coração mole, eu sofria muito. No começo da dupla quando eu tinha que enfrentar os empresários com os ‘nãos’ que eu tinha que lidar por nós duas, eu ia com dor de barriga para as reuniões com os caras. Eu acabava cedendo muitas coisas, tanto que me gerou a doença. Hoje nós equilibramos as coisas, e a Simone está se envolvendo mais. Isso é legal de falar porque as pessoas acham que irmãos não têm desavenças, e nós temos, muitas. Sempre tomei a frente da coisa, e falei para ela essa semana, que eu não tomei a frente das coisas porque quero ser melhor que alguém, tomei porque a vida me jogou. Vou dar um exemplo – Tínhamos duas músicas para escolher gravar, e perguntei qual ela preferia gravar primeiro, porque eu quero tirar essa carga das minhas costas, e dividir isso. Falei com ela ‘você tem dentro de você um talento que às vezes nem sabe que tem’, e ela escreveu o roteiro do clipe da nova música, Amoreco. Eu quero explorar isso nela porque não quero ficar doente de novo não.

Simone: Ela precisava dizer ‘não’ e guardava aquilo. Eu não, por isso que permaneço assim, gorda e feliz.

Simone, é difícil segurar essa barra?

Simone: Não! É gostoso. Mas a Simaria era assim porque ela é a irmã mais velha, que tem aquela coisa de cuidar do mais novo. Quando saímos do Frank Aguiar, ela que vendia os shows, ela que passava todo o sofrimento, lidar com gente dando em cima dela. Isso era muito ruim para ela enquanto eu sempre fui muito sossegada e gostava da outra parte, que era cantar. Eu via que o dom para as outras coisas era dela, mas têm coisas que vem para a vida da pessoa assim, porque a Simaria nasceu com o dom de produzir. Ela sabe exatamente o que quer para a música, quais instrumentos, como a música vai começar e terminar. Eu não, me surge alguma coisas como pinceladas para dar uma ajuda a ela. É um talento dela, mas vi que também posso fazer.

Simaria: Eu quis deixá-la fazer o roteiro porque quero que ela saiba que eu confio no que ela fez, então é coisa de irmão, de dividir, e o The Voice faz isso com a gente. É a aprender a dividir e ouvir.

Você disse que tem uma meta de emagrecer. Como é essa meta?

Simone: Estou com um médico agora que é ginecologista e obstetra, e ele está acompanhando todos os meus exames. Eu tenho 1.52m e estava com 70 kgs, e isso é muito, e agora preciso regularizar. Comecei a tomar vitamina D e dormir nos horários que ele me pede para dormir. Ele me pediu para tomar glutamina também, porque quando a gente come alimentos que inflamam nossa flora intestinal como trigo, leite, etc, a gente acaba tendo dificuldade para ir ao banheiro, e eu chegava a ficar sete dias sem ir, e tem seis dias que estou indo regularmente ao banheiro, coisa que nunca me aconteceu. Assim que minha saúde tiver regularizada, aí vou sentar-lhe o porrete.

Um desejo para 2020…

Simaria: Eu quero ter mais tempo para os meus filhos, que um projeto que estamos criando para 2020 se concretize, porque é muito legal, mas não posso contar ainda. Quero também que um outro Bar da Coleguinhas seja tão maravilhoso quanto o primeiro.

Simone: Quero muita saúde porque a marreta está desregulada (risos). Quero que Deus nos abençoe para que seja um ano lindo para a gente. Esse trabalho que iremos fazer, o novo bar das coleguinhas é muito especial, e tem músicas com as quais me identifico muito. Eu gosto de inovar na nossa carreira, mas estava com saudade de cantar uma sofrência, que eu solto a voz e o cabra chora, toma miserável…

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais