Rafael Vitti sobre receber nudes nas redes sociais: “Bloqueei isso”

Publicado há 4 anos
Por Endrigo Annyston
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Rafael Vitti, que dará vida a um ídolo pop em Rock Story, falou em entrevista sobre as dificuldades de cantar e beijar Alinne Moraes em cena.

Além disso, Vitti comenta a relação com as fãs e revela se recebe nudes nas redes sociais.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Confira o papo:

Como está sendo protagonizar uma trama das sete?

“Ele está mais para antagonista do que para protagonista, mas com certeza, é um papel de destaque. E que eu estou muito feliz em poder fazer, porque o Léo Regis é muito divertido, é um cantor muito bombado. Mas, ao mesmo tempo, ele é um garoto que veio de uma origem mais humilde e acabou ficando muito rico e muito requisitado. Vai ser engraçado a forma como ele lida com a fama, como a família dele lida com a fama. Está sendo um desafio, mas eu estou amando gravar – já estamos trabalhando há dois meses – e está sendo uma experiência ótima trabalhar com o Dennis Carvalho (diretor), com a Maria de Médicis (diretora) e com todos os outros diretores e com a galera desse elenco incrível. É isso aí!”

Como foi a preparação desse ídolo do pop?

“Tivemos, primeiro, uma preparação com o elenco inteiro. Foi um momento criado para a gente se integrar, criar esse clima de união. Foi uma preparação para ator. Depois veio a parte da preparação para o personagem astro da música. Então, eu tive que aprender – quer dizer, estou aprendendo a passos de tartaruga – a cantar. Mas, estou aí, firme e forte na luta. Ah, e estou aprendendo também a dançar e a ter presença de palco, porque tem que parecer que eu faço shows há muito tempo e que eu já fiz pelo menos uns 50 shows na vida.”

Você é tímido para gravar esse tipo de cena?

“Eu fico muito à vontade, porque quando eu estou protegido por um personagem, principalmente como é o Leo Regis – totalmente solar e totalmente pra fora – eu me sinto confiante. Eu pego um pouco das qualidades que ele têm como artista para fazer esse tipo de cena. Eu adoro gravar cenas assim.”

Você se inspirou em algum desses ídolos?

“Eu me inspirei bastante no Justin Bieber. Mas, claro, totalmente diferente do tipo de música que meu personagem canta e faz. Minha inspiração vem do fato dele ser um artista internacional e ter fãs pelo mundo inteiro. Pelo artista que ele é e de ter conquistado muita coisa com a pouca idade que tem. Eu vi os filmes dele. Mas também tive referencias nacionais como o Luan Santana. É importante também ver como são esses artistas frente ao público brasileiro.”

O Luan é mais bom moço, enquanto o Justin é considerado um bad boy. Com qual dos dois você se identifica mais?

“É difícil responder essa pergunta, porque eu não conheço pessoalmente nenhum dos dois. Nós sabemos que eles são assim pelo que a mídia fala. Isso é a nossa imagem sobre essas pessoas. Eu digo que sou um ser humano. Eu erro, mas procuro estar sempre no caminho certo. Prefiro o caminho do meio, entre o bom moço e o bad boy. Eu estou bem como Rafa.”

Como está o resultado do seu canto?

“Vou ser sincero. Mas, acho que é normal a gente não se curtir muito cantando. Eu tenho consciência de que dei uma grande melhorada de como eu era para agora. E eu gosto. Acho que a galera vai gostar. Eu não estou um cantor profissional, daqueles que faz várias variações, mas estou ali, afinadinho, competente, seguindo à risca tudo o que me mandam fazer. Estou apostando mais na minha presença de palco, na minha relação com as fãs, no meu lado showman. Não é nada demais.”

Você tem alguma identificação com o personagem?

“Ah, sim né? O Leo, em outras proporções, tem muitas fãs. Eu acabei também tendo algumas fãs legais. E o grande lance, o que eu acho legal nessa novela, é que as fãs do Leo participam muito da vida dele. Então, elas estão ali, dando palpite. É mais ou menos como é na vida. Elas acabam se metendo também na sua vida, nas suas fotos, dizendo a opinião delas sobre o seu trabalho, sobre o que você fez ontem, ou até mesmo sobre o que você comprou no shopping. E vem das opiniões mais simples e mais superficiais até as opiniões que tornam o meu dia mais feliz.”

Muitas fãs e muitos seguidores. Você tem algum cuidado com o que posta?

“Ah, com certeza. Desde que eu comecei a trabalhar como ator e as coisas começaram a acontecer na minha vida, eu procuro pensar sobre esse assunto de forma muito consciente. Eu tenho a consciência de que muitas pessoas se influenciam pelas coisas que eu posto, que eu escrevo, minhas opiniões. E muitas delas são pessoas jovens, que estão em formação, mas não gosto de perder a minha espontaneidade. Eu só tomo um pouco mais de cuidado com certas coisas. Não dá para negar as coisas que a gente faz por aí, mas tem coisas que não dá para publicar né?”

Você que gerencia as suas redes sociais?

“Sim. Sou eu quem usa tudo. Eu não tenho assessor de imprensa. Uma das minhas qualidades é que as pessoas gostam de mim por quem eu sou – digo isso na maior humildade. Então, não aceito a ideia de ter alguém dizendo como eu tenho que falar ou como eu tenho que responder, principalmente às fãs. Eu procuro ser sincero, dizer o que eu penso. É lógico que eu tomo cuidado para não dizer besteira, como geralmente acontece quando a gente fala sem pensar muito. Mas, eu estou aí, estou feliz.”

Já teve alguma loucura de fã em relação a você?

“Já teve menina que fez tatuagem com o meu nome, na época em que eu fazia Malhação. Isso porque o casal Perina ficou muito famoso. E teve gente que tatuou Santovitti (Santoni, da Isabela e Vitti, dele). Eu achei um pouco exagerado da parte da pessoa, mas quem sou eu para julgar alguém. Cada um faz o que quiser. Mas também tem meninas que tatuam frases do meu livro e que eu acho interessante.”

Seu segundo livro é um sucesso. Fica lisonjeado com o carinho do seu público?

“Graças a Deus as minhas fãs gostam de leitura, ou estão aprendendo a gostar. Eu me sinto muito feliz em poder estar ajudando a galera a se interessar por leitura. Eu mesmo, gostaria de ler muito mais do que eu já leio. E ler é ótimo para tudo.”

Você recebe cantadas e nudes nas redes sociais?

“Na verdade, eu nem olho direito. Eu nunca vou nos directs. Como muita gente me manda, eu meio que bloqueei isso. E no whatsapp só tenho meus amigos.”

Nas cenas, você dá uns ‘amassos’ na Alinne Moraes e pareceu algo bem real. Você também se interessa por mulheres mais velhas?

“Eu sou uma pessoa muito curiosa. Gosto bastante de conhecer, conversar com homens e mulheres mais velhos. Eu sou aquele tipo de pessoa que para pra conversar com um mendigo no meio da rua, para saber o que ele acha da vida. Mas, então, eu tenho curiosidade sim, de conversar. Mas, eu não sei se vocês sabem, mas eu tenho namorada.”

Antes disso, você já se envolveu com uma mulher mais velha?

“Envolvimento não. Na minha vida, assim, tenho curiosidade para conversar com todo tipo de gente, mas para me relacionar assim, prefiro as pessoas da minha idade.”

Como está sendo a troca com a Ana Beatriz Nogueira?

“Ela é maravilhosa. A gente conversa muito e muito abertamente. Não é aquela coisa de que ela está me ensinando. Estamos na vibe de que estamos aprendendo juntos, o que é muito legal. E eu acredito muito em que todo mundo pode aprender com todo mundo. A Ana Beatriz Nogueira é uma atriz incrível. Na primeira semana que gravamos, eu pude perceber como ela domina o que ela faz e a personagem que ela está construindo. A troca está sendo incrível. Eu estou adorando contracenar com ela. E a história do meu personagem com a mãe dela é muito forte.”

Na sinopse, percebemos que ele é meio vingativo. Como está sendo a construção desse segundo lado do personagem?

“Eu já pensei muito sobre isso, mas não sei ainda. Quando estou fazendo novela, costumo pensar no presente dos personagens, para não influenciar o futuro. Mas o que eu vejo dele é que ele é uma pessoa impulsiva e um pouco mimado. As coisas que ele não consegue, despertam uma raiva nele. Se acabar de acontecer de alguém contrariar o Leo, eu não sei o que ele pode fazer. Mas, é uma possibilidade. Enfim.”

Suas cenas estão sendo bem elogiadas. Dizem que seu humor aflorou. Como você recebe esses elogios?

“Em ‘Malhação’, eu fiz um papel que é bem ligado à comédia. O Leo Regis também. Ele é um personagem com viés mais cômico do que dramático. Mas, eu não sabia.”

Você é bem humorado?

“Não sei. Me digam vocês.”

O que te tira do sério?

“Quando eu durmo pouco, geralmente, eu não acordo tão bem. Minha família disse, no programa do Márcio Garcia, que eu acordo de mau humor. Mas, eu gosto tanto do que eu faço que, quando venho para cá, mesmo que seja cedo, fico muito bem. Eu gosto de ficar em casa, quietinho. Sou muito acomodado. Muita coisa tira o meu humor, mas eu tento me manter centrado.”

Como é a sua relação com a sua mãe, Valéria Alencar?

“Ela é a mulher da minha vida. Eu não seria nada sem ela. É clichê dizer isso, mas a foi a minha mãe – com a criação que ela deu a mim e ao meu irmão – que fez eu ter a cabeça que eu tenho hoje. Ela foi fundamental para mim, que tive que me adaptar a tudo muito mais cedo do que eu imaginava. Na minha cabeça, eu só entraria na TV Globo – se entrasse – depois que terminasse a faculdade de teatro. Mas, a vida é uma caixinha de surpresas. A minha mãe é uma mulher incrível: extremamente sensível, extremamente perceptiva. É o tipo de mãe que você tem que ouvir, além de ser linda. Se ela não fosse minha mãe, eu me casaria com ela (risos).”

Você disse que tudo muito rápido com você. Você perdeu alguma coisa?

“Eu não consigo, aconteceu por exemplo, comprar o presente do Dia das Mães em um shopping de grande circulação. Mas, eu não lamento porque nunca vou ao shopping. Eu procuro não me arrepender do que acontece comigo. Eu não lamento por nada. Só tem uma coisa. Eu gostaria de ter continuado na faculdade. Âs vezes, eu penso como seria, se eu ainda estivesse na faculdade, se nada disso tivesse acontecido na minha vida. Mas, as coisas acontecem como têm que acontecer e eu sinto que está tudo nos conformes.”

A namorada entende as suas fãs e a sua fama?

“A Júlia é incrível. Ela entende, porque o pai dela era um galã, o Giuseppe Oristânio, e ela também é atriz. Eu acho que, diferente da maioria das meninas, que não têm ideia de como é esse mundo, é muito mais fácil para ela entender. E ela é uma pessoa iluminada, me compreende, minha parceira, está comigo em todos os momentos importantes para mim. E eu valorizo muito isso. Ela é uma mulher incrível.”

Quanto tempo de namoro?

“Estamos namorando oficialmente há oito meses, mas eu já estava investindo nela há muito tempo (gargalhadas).”

Você já gravou cantando para muitas pessoas como o personagem?

“Já teve. Eu cantei no Festeja, em Niterói, que é o festival de música sertaneja, promovido pela Som Livre, onde também cantaram artistas de muito sucesso no Brasil. Confesso que estou começando até a gostar de sertanejo. Mas, falando do show, foi incrível. Tinha umas 30 mil pessoas lá e eu tinha vergonha de cantar na escola. Quando eu entrei no palco e as pessoas gritavam o meu nome, não tem como não reagir de uma forma muito legal com isso.”

Qual é a sua nota como cantor de o a 10?

“Para o Leo Regis, eu dou 10. Para mim, 7, para me deixar na média. Mas, eu estou estudando para chegar no nove.”

E o visual?

“Eu adoro. Adoro mudar, principalmente pelo trabalho. Porque aí, ninguém me julga ou me critica pelo corte de cabelo que eu estou usando. Não que eu me importe com isso. Mas, estou curtindo. Não tenho o menor apego com a minha imagem.”

Como está sendo a troca com a Alinne Moraes?

“Para fazer um casal, ainda mais nessas condições, onde ele é um garoto de 20 anos e ela uma mulher mais velha, tem que haver uma empatia, um entrosamento e uma abertura. E isso existe, porque a Alinne é extremamente aberta. Sempre batemos o texto. e conforme vamos gravando, vamos nos entendendo melhor e nos entrosando mais. Principalmente eu, né? Porque quando eu tinha nove anos, eu parava para ver ‘Da Cor do Pecado’. E olha que eu não parava para ver nada. Mas, naquela época, parava para ver ela. Era ela! E é muita ironia isso, eu contracenar e fazer esse tipo de cena com ela. Mas tudo no máximo respeito, no máximo profissionalismo. Mas, vou confessar pra vocês que é sempre um desafio ser o homem que pega ela ali, que conquista, que fala uma besteira. Eles têm uma coisa sexual mesmo. Essa era a minha maior dificuldade. Mas estamos no caminho certo.”

Você falou isso para ela?

“Tive que falar. Eu estava igual a um adolescente de 14 anos, apaixonado, que não sabia ser espontâneo. Então, eu tive que falar. Disse que era muito fã dela. Ela foi muito fofa comigo.”

Você ficou tenso com as cenas de beijo? Ficou inseguro?

“Inseguro não é bem a palavra. Não para um beijo, mas só gravar com ela. Beijar até era o de menos, porque não era beijo, né? Mas, me sentir confiante para falar com essa mulher. Passar a história de que ele era seguro até para falar com essa mulher, que não é a Alinne Moraes, mas a Diana, na trama.”

O que você tem de mais próximo ou de mais distante dele?

“Ele é muito materialista e eu sou zero assim. Isso é muito bom para mim, porque eu consigo guardar dinheiro como ninguém. Acho que sou parecido com ele no bom humor.”

Com o que você gasta seu dinheiro?

“Quando eu estou trabalhando muito não gasto muita coisa. Eu sou muito diferente do Leo neste sentido. Sou zero consumista mesmo.”

Você pensa em uma carreira internacional?

“The Sky is the limit – para quem não entende inglês, o Céu é o limite.”

Seu pai te dá dicas sobre a profissão?

“Meu pai é um pai que orienta. Principalmente, para um ator jovem, que está vivendo uma coisa que ele viveu. Ele tem embasamento para me falar e eu tenho que ter a cabeça no lugar para ouvir. Olha galera, ouçam seus pais! Sei que é difícil mas, no final, a gente vê que eles estão certos. Aconteceu comigo! (risos) .”

ENTREVISTA REALIZADA PELO JORNALISTA ANDRÉ ROMANO

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio