“Precisamos de mais histórias de amor como esta”, diz Bete Mendes sobre Tempo de Amar

Publicado há 3 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Bete Mendes, está de volta às novelas, após cinco anos sem um papel fixo. Em Tempo de Amar, ele será a Irmã Imaculada, uma freira bastante rígida em seu comportamento consigo e com os outros. A atriz bateu um papo com nossa reportagem durante a coletiva de lançamento da nova novela. Leia:

Leia também:Juliana Paes cresce como atriz e faz de Bibi a melhor personagem de sua carreira

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Bete, o que você pode adiantar sobre sua personagem?

A irmã Imaculada, é muito séria, e extremamente conservadora então ela é tão conservadora que ela acredita que a monarquia era a melhor coisa que poderia existir. É muito interessante porque é uma personagem totalmente diferente do que eu já fiz.

Como está sendo trabalhar com o Jayme Monjardim?

Eu estou apaixonada pelo Jayme, já fiz vários trabalhos com ele e o astral é maravilhoso, porque ele tem uma criatividade de gênio, e uma forma amorosa de tratar as pessoas, o set, as gravações, e com muita certeza do que ele quer. Então a gente fica muito protegido e estimulado.

Não é a sua primeira freira, não é?

Eu fiz outra freira em Páginas da Vida, a Irmã Natércia, que era boazinha, o oposto da Imaculada que faço agora.

Como é contracenar com a Vitória, que é uma novata, mas pelas chamadas já parece tão boa atriz?

Ela é maravilhosa. Fiquei encantada com a beleza, com a simpatia, e depois com ela em cena, porque eu e Malu Vale que somos as mais experientes, estivemos de cara com a Vitória e com a Yasmin, que também é uma baita atriz. Me relacionar com essas duas jovens talentosíssimas é maravilhoso.

Como é pra você ver essa nova geração que está realmente abraçando a profissão e não só querendo aparecer em revistas?

Eu acho maravilhoso e o maior presente que eu poderia receber, porque eu e vários de meus colegas sempre dissemos que era necessário ter disciplina, e percebíamos que as pessoas estavam muito aéreas há um tempo atrás e agora tenho visto novo pessoal com muita vontade, se organizando, se preparando, se dedicando à leitura e testando várias vezes o linguajar, a postura, isso é incrível.

Bete Mendes será a Irmã Natércia em Tempo de Amar (Divulgação/ TV Globo)

Estamos numa safra muito boa de novelas…

Uma safra linda, e essa do Alcides especialmente é maravilhosa. Estava dizendo sem nenhuma timidez que eu acho que vai ser sucesso, porque é linda. Os 36 capítulos que li até agora têm história, muita trama, condimentos do amor, traição, humor. Tem personagens, que olha gente, o público vai adorar!

Você disse que a sua personagem não é uma freira boazinha. Como ela é?

Não que ela seja má, mas é conservadora, cumpridora dos deveres e leis religiosas. Ela não tem delicadeza, vivência. A vida dela é o habito, e a vida dela é a autoridade, ela é muito chata.

E como você é na vida real? Se assemelha mais a sua personagem, ou não?

Todos somos uma multiplicação de coisas. Há situações em que sou muito leve e outras que sou muito séria. Eu poderia ser considerada uma mulher séria, mas sou muito alegre e me sinto feliz com a vida, com o trabalho, com os amigos então tem esse elemento.

Como é voltar a esse horário das seis?

Vou fazer 50 anos de profissão. Voltar é uma delícia! A última novela que fiz na Globo foi Flor do Caribe que também era às 18h, e adorei fazer. Acho que o Jayme, o Alcides Nogueira, e toda a equipe tiveram a percepção de que precisamos de histórias de amor, de se querer bem. Não que as outras histórias não sejam importantes, mas é bom você ter uma história que tem todos os elementos da trama, onde o principal é o amor. Tanto que a chamada fala sobre se querer bem, se acarinhar.

Você já foi uma figura importante para a militância no Brasil, e agora lá fora estamos vendo coisas como passeatas neo-nazistas. Como se sente com isso?

Muito triste. Isso me deixa arrasada. Esse é um assunto delicado para falar senão eu falaria 40 horas, mas gostaria de deixar uma frase do magnífico Oscar Niemeyer, que recebi hoje pelo Whatsapp: Tem que ensinar nas escolas, filosofia e história para as pessoas deixarem de ser burras, e carneiros que seguem a todos. Tiraram essas duas matérias, e no geral são imprescindíveis.

Quais são as dicas que você dá para os jovens militantes no Brasil?

Eu e vários de nós que já passamos por muitos problemas acho que a melhor coisa que existe é a democracia, e a luta pela democracia de forma organizada, saber se organizar para protestar, reagir, interferir. Hoje temos muitos instrumentos e vale pena usá-los além de ir para a rua. Alguns como eu devemos ser campeões de assinaturas de petições, que temos que participar. Eu participo dessa maneira, porque não consigo ficar quieta porque essa coisa é importante para mim.  E eu desejo do fundo do coração que possamos sair desse buraco antes que se acabe tudo, porque estamos vendo o que está sendo feito. Entregar Amazônia, entregar água, entrega, entrega, entrega…

Como é a sua relação com a tecnologia?

O Luiz Fernando Veríssimo que amo de paixão, diz que é pré-jurássico. E eu digo que sou pré-pré-jurássica (risos). Pela necessidade a gente acaba tendo que participar. Eu ando direto com o zap, face, e-mail… Posto, compartilho, aliás é um vício danado. Eu acordo e já ligo o bichinho para ler as notícias.

Você é reservada?

Eu sou muito reservada em minha vida particular. Nossa vida como atriz é muito exposta. Hoje mesmo eu estava com uns amigos e eles disseram “Prefiro ser uma pessoa que passa sem ninguém saber”, e eu respondi: “sorte a sua, porque eu não posso”. É uma escolha que fiz e que me agrada, e na minha vida privativa, eu prefiro privacidade mesmo.

Como é pra você a chegada numa certa idade?

Eu fico assustada com minha idade, e feliz com minha atividade. A vida inteira, eu vivi muito ativamente, e não percebo muito o tempo. Claro que a gente percebe determinadas dificuldades que a idade traz, como a perda da velocidade, um físico tão ágil, mas levo numa boa. Me preocupo com minha alimentação, porque meu maior pecado é a gula, e aqui e já passei por duas tentações e resisti. Faço tratamento para não engordar, porque realmente adoro essas guloseimas.

*Entrevista realizada pela jornalista Núcia Ferreira

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio