Felipe Hintze fala sobre projetos futuros e parceria com Milhem Cortaz em O Sétimo Guardião: “Aprendi muito com o Milhem”

Publicado há 2 anos
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O ator Felipe Hintze está atualmente no ar em O Sétimo Guardião, como o investigador Peçanha. Em sua primeira novela das nove, o ator está acompanhado de um elenco de peso, como por exemplo Milhem Cortaz, com quem divide a maior parte das cenas.

Em entrevista ao Observatório da Televisão, Felipe falou sobre seu personagem na novela de Aguinaldo Silva e ainda revelou o que pretende fazer após o fim da trama. Confira:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como surgiu o convite para O Sétimo Guardião?

“O Aguinaldo já conhecia meu trabalho no teatro e a Rosane Quintaes, produtora de elenco da novela, me ligou falando que estavam pensando em mim para uma personagem cômico. Fiz um teste de comédia e passei para fazer o Peçanha.”

Como foi sua preparação porque a gente acredita que a preparação para ser um policial, mesmo sendo um papel cômico, te exija algo né?

“Toda a preparação exige muito estudo e trabalho, eu gosto de mergulhar de cabeça nesse início do processo. Estudei o universo ficcional do Aguinaldo assistindo suas novelas de realismo fantástico. Me inspirei em várias duplas cômicas para estabelecer a relação com o Milhem. Nas primeiras semanas de gravação viajamos para gravar em Minas, a convivência diária com elenco e equipe colaborou para estabelecer as relações das personagens.”

Milhem Cortaz

Como foi para você atuar ao lado de Milhem Cortaz e desse grande elenco?

“Uma honra! Aprendi muito com o Milhem, ele me recebeu de braços abertos desde o princípio. A sorte de fazer o Peçanha é que ele percorre por vários núcleos. Tive a sorte de poder contracenar com Tony Ramos, Elizabeth Savala…”

Houve algum momento seu de admiração com a cena de algum de seus colegas de elenco?

“Eu tive a alegria de reencontrar artisticamente com o Dan Stulbach, ele foi meu primeiro diretor no teatro profissional, participei de uma seleção com mais de 800 garotos e ele me escolheu para participar da peça. Poder contracenar com ele agora 4 anos depois é muito emocionante.”

Quanto é importante para você fazer sua primeira novela das 21h?

“É uma grande responsabilidade estar no horário nobre, mas é uma alegria poder atingir tantas pessoas com a sua arte.”

Supermax

Como foi participar da versão internacional da série Supermax?

“Uma experiência única. Atuar em uma outra língua ao lado de Cecília Roth, umas das divas do Almodóvar… A série está disponível na googleplay e é totalmente diferente da versão brasileira, vale a pena conferir.”

Essa experiência te deu mais segurança na carreira?

“Segurança é uma palavra muito complexa para a minha aérea. A dúvida é muito mais interessante para de trabalhar. Tenho segurança de ter a certeza que estou no caminho certo.”

O que é mais complicado para você na hora de criar um personagem?

“Não acho nada complicado, mas me atento para sempre criar baseado no que está escrito. Não posso trair o escritor. Tenho sempre que criar em cima do texto e aí sim tenho mil possibilidades de fazer o que está escrito. Muitas pessoas entendem que “defender o personagem” é justificar sempre seus atos. Meu papel não é justificar os atos do meu personagem, meu papel é interpretá-lo sem julgamentos. Ele é o que é.”

Qual foi o trabalho mais importante da sua carreira?

“Verdades Secretas foi um divisor de águas. Até hoje as pessoas falam da novela.”

Verdades Secretas

Recentemente surgiram as especulações sobre a possibilidade de Verdades Secretas 2. O autor Walcyr Carrasco ainda não confirmou nada. Você torce por essa volta ou acha que a história já encerrou bem?

“Torço pela volta porque sei da genialidade do Walcyr Carrasco que vai saber conduzir muito bem essa continuação e pela equipe dos sonhos que tínhamos na novela encabeçada pelo Mauro Mendonça Filho e Felipe Binder. É sempre um deleite trabalhar com eles.”

Você hoje está mais magro do que há algum tempo. Você acha que a estética ainda é muito importante para a TV ou acha que esse é um conceito ultrapassado?

“O que é importante para a TV é ser verdadeiro. Interpretar o real. As pessoas gostam de ver o que existe de fato e quando elas se veem representadas elas se realizam. É muito importante ter minorias protagonizando dramaturgia. Temos que abrir esse precedente. Mas logo logo algum autor vai ter essa sacada e vai escrever um protagonista gordo. Estamos avançando para isso.”

Quais seus projetos para depois de O Sétimo Guardião?

“Férias e voltar para o teatro. Estou produzindo uma peça chamada From White Plains.”

Existe algum trabalho específico que você gostaria de fazer na TV?

“Tenho o sonho de fazer conexões mais profundas com meus trabalhos na TV, quero muito participar da criação é da concepção de uma série que vou atuar, por exemplo. Nos EUA é muito comum o ator se produzir nesse lugar.”

Malhação: Viva a Diferença ganhou o Emmy Kids. O que você sentiu ao saber que uma produção que você participou foi premiada internacionalmente?

“Muito feliz de saber que a minha caminha está sendo repleta de trabalhos bem sucedidos. Esse já foi meu segundo Emmy, o primeiro foi com Verdades Secretas. Gratidão sempre.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio