Carla Diaz fala sobre sua personagem em A Força do Querer: “Vai chegar para causar e afrontar”

Publicado há 3 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carla Diaz já começou a gravar suas primeiras cenas em A Força do Querer, novela das 21h da Globo. Na pele de Carine, a ambiciosa jovem que disputará o amor de Rubinho (Emílio Dantas) com Bibi (Juliana Paes), a atriz mostra que cresceu, e está disposta a mostrar todo o seu lado sensual. Carla conversou com o Observatório da Televisão e deu detalhes sobre a nova personagem:

Leia também: A Força do Querer: Eurico abandona a casa após prisão de Silvana

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como foi o convite para integrar o elenco de A Força do Querer?

Um belo dia, eu estava em casa e meu telefone tocou. Era a produtora de elenco da novela perguntando se eu gostaria de participar, e claro que falei que sim. Gritei muito, afinal foi um convite inesperado, e fiquei muito feliz, e muito grata pela oportunidade. Sempre quis fazer uma novela da Gloria Perez novamente depois de O Clone que foi um grande sucesso.

Qual a importância dessa trama em sua vida?

Eu digo que a Gloria me mostrou pro mundo, porque escreveu uma personagem incrível para mim. O Clone é vendido pelo mundo até hoje. Cheguei a ir em alguns países em datas diferentes e você ser parada na rua em outros países, ser reconhecida num país que não é o seu, é surpreendente e incrível. Gloria me deu um presente que foi a Khadija. Nesses 25 anos de carreira pude viver boas personagens e conhecer novos universos, essa é a grande vantagem de ser atriz.

Você já falou com a Gloria, depois do convite?

Ainda não conversei com a Gloria. Agradeci pelas redes sociais, ela me mandou uma mensagem anunciando que eu estaria na novela, mas ainda não tive contato pessoal com ela.

Como que você se preparou para viver a Carine?

A Carine é uma garota muito diferente de mim, e como comecei a gravar hoje, não tive um tempo maior de laboratório, mas foi muito intenso. Estou fazendo preparação com o Sergio Pena que me ajudou muito na descoberta desse universo que até então era desconhecido para mim. Assisti a vários filmes, estou fazendo aulas de funk, e ganhei um livro do MV Bill sobre o universo das comunidades.

Como está sendo este encontro com a Juliana Paes e Emílio Dantas?

Tá todo mundo dizendo: “Carla Diaz é a nova rival de Juliana Paes”, olha a responsabilidade que vocês colocaram pra mim (risos). A Carine entra na trama para causar, e afrontar. Mexer com a obsessão que a Bibi tem por aquele marido. Ela é uma moça mais nova, vulgo “novinha”, e não tem medo, sabe o perigo que está correndo e não está nem aí. O Objetivo dela é conquistar o Rubinho.

Por que ela quer conquistar o Rubinho?

Eu também gostaria de saber. Creio que ela acha ele atraente, mas não é só; ela gosta de correr perigo, e por ele ser quase o chefe do tráfico e estar numa posição que pra ela é muito alta, ela quer conquistar poder também. Ela quer tomar o lugar da Bibi e a enfrenta.

Você recebeu algum capítulo com cenas de briga com a Juliana Paes?

(Risos) Então, semana que vem é minha primeira cena, e já vai ser uma cena tensa.

É a cena do top, que a Bibi a deixa quase pelada?

Ainda não. Essa ainda não gravamos.

Você tem noção da repercussão que foi em todos os sites que noticiaram sobre a novinha do Rubinho?

Por isso eu disse “vulgo novinha” porque é o que todo mundo está dizendo. Realmente tomou uma proporção muito grande. Estou sendo marcada a cada segundo nas redes sociais em notícias, e eu não tinha como comemorar meus 25 anos de carreira de melhor forma. Voltando para Globo, numa novela da Gloria e sendo dirigida pelo Papinha com quem fiz Laços de Família, minha primeira novela aqui na Globo.

Ficamos sabendo que a Carine trabalha num salão de beleza. Tem alguma outra personagem que entra junto com ela para servir de escada, ou é somente ela?

Não, somente ela.

Como foi compor essa parte do salão de beleza?

Eu não sou profissional, mas acabo aprendendo muito com os profissionais que lido desde pequena. Sou grande observadora, e presto atenção em cada detalhe. Acabei compondo a parte profissional da Carine, observando esses profissionais.

Como está sendo a troca com a Juliana?

Hoje foi a minha primeira vez no set, e meu primeiro contato com a Ju nessa novela, porque eu já tinha feito com ela Laços de Família e O Clone, e a recepção dela foi extremamente carinhosa. A gente se encontrou na maquiagem, e ela já veio me abraçando, me senti super acolhida, porque entrar numa novela no meio não é fácil porque você não tem um tempo de preparo, e todo mundo já está a mil. A princípio, minha personagem se faz de desentendida, apesar que de boba ela não tem nada, mas ela nega qualquer envolvimento com o Rubinho, então até a Bibi descobrir de fato, vai demorar.

Você pode contar qual cena gravaram hoje?

Gravamos a minha primeira cena, em que a Carine está no salão fazendo o cabelo distraída e entra a Bibi gritando “Quem é a Carine aqui? O que você tá fazendo nas redes sociais do meu marido? Por que você tá mandando mensagem pra ele?”. Entre um puxão de cabelo e outro, a Carine nega qualquer envolvimento com o marido dela, e as outras funcionárias do salão a defendem.

Ela já tinha uma ligação com o Rubinho anteriormente?

Também me faço essa pergunta. Eu acho que ela entrou na trama, mas ainda não foi mostrado o envolvimento deles. Eles já têm um trelelê, mas não fica claro quando começou e porque começou.

O Rubinho parece ser um homem de vários amores…

Ele é um mistério. Parece um cara muito legal a princípio, mas do nada aparenta ser um cara que só pensa nele, ou seja, pode passar por cima de qualquer um para conquistar o que deseja. Ele está se transformando ao longo da trama, e minha personagem entrou justamente para a Bibi abrir os olhos em relação a ele. Ela tem um quê de vilã, diferente de tudo o que eu já fiz, é ambiciosa e sabe o que quer.

Essa é a sua primeira personagem mais sensual. A gente ainda tem aquela imagem da menina…

Carine tem essa ilusão com o poder. Ela olha pro Rubinho e enxerga nele o futuro chefe do tráfico e esse poder é uma das coisas que a atrai. Isso para mim como atriz é maravilhoso, um grande desafio porque aconteceu tudo isso em uma semana.

Como é o figurino da personagem?

Olha essa unha gente!  Essa unha já é da personagem e estou tentando lidar. O figurino da Carine é muito curto. Eu fui olhar minha arara e quase não tem pano. É a novinha (risos).

Vai ter cena quente?

Não sei como a direção vai conduzir isso.

Você disse que está fazendo aulas de funk. A personagem também vai aparecer dançando?

Na sexta-feira (18), vamos gravar uma cena no baile funk, durante o aniversário da Bibi. Eu adoro funk, adoro música e a dança sempre foi muito presente na minha vida. Para cada personagem tive que aprender alguma dança, como em O Clone que eu dançava dança do ventre.

O que é mais difícil, dança do ventre ou funk?

Eu faço dança do ventre há 15 anos, e já está em mim. Adoro dançar funk com as minhas amigas, mas para a personagem é diferente, porque é mais sensual, mais intenso. Tem passos que não sabia antes, então funk é mais difícil.

Você tem um lado sensual?

Todo mundo tem, mas não é mostrado todos os dias. Isso só aflora de acordo com o momento, mas a Carine é muito diferente de mim nesses aspectos, até mesmo pelas roupas (risos).

Você sabe que as pessoas que te viam como menina vão levar um susto com a personagem, não é?

Sim, mas acho que já passei por algumas coisas adultas, como fazer fotos para a Revista Vip, e alguns ensaios em que a gente acaba tirando uma foto mais sensual. Isso não me incomoda muito porque entre os atores, o corpo é a nossa ferramenta de trabalho, então não podemos nos incomodar. Eu não uso essas roupas que a Carine usa no meu dia a dia, tanto que fiquei de roupão até a hora da cena, porque eu estava ali morrendo de frio, no meio de um monte de homens da técnica, com um vestido tão curto que a cada respirada minha, ele subia, mas não posso me incomodar com isso. Na hora do “valendo”, não importa se vai ficar com pouca roupa ou sem roupa.

E como foi voltar para a Globo?

Que não soe arrogante isso, mas por ter crescido na televisão, eu consegui passar pelas três emissoras mais importantes do Brasil. Na Globo, fiquei 9 anos durante aquela fase em que a gente amadurece, dos 9 aos 18 anos, então voltando para a emissora, eu me senti em casa. Conhecia todas as camareiras, e não tenho palavras para agradecer. Chegar num local onde todo mundo te recebe super bem, não tem preço.

Bibi (Juliana Paes) vai atrás de Carine (Carla Diaz) no salão onde ela trabalha (Divulgação/ TV Globo)

Como foi ter que encarar aquele mulherão que é a Juliana Paes, já na sua primeira cena?

Ela já chega quebrando o salão todo (risos). O bom de ter feito com a Ju é porque eu já a conhecia, então já me senti mais à vontade. Esse susto inicial é importante para a personagem, porque a Carine sabe onde está se metendo, ela sabe que a Bibi é perigosa.

Existem meninas como a Carine, que são chamadas de Maria Fuzil. Onde você foi buscar inspiração?

A minha realidade é bem diferente da Carine. Estudei muito sobre esse universo e essas meninas não têm medo. Vivem numa situação delicada, mas quando querem algo, batem o pé e vão até o final. Vi muitos filmes brasileiros e documentários. Não pude ir a campo ainda, porque só tive confirmação sobre a personagem semana passada. Estive no Vidigal domingo e bati um papo com a atriz Karina Duarte que mora lá, e pretendo me aprofundar mais.

Você acha que sua personagem vai ser odiada?

Eu não sei, mas acho que o público vai dizer “Olha que menina abusada”. Não sei como vai ser o termômetro, se o público vai gostar de ela ser o contraponto da Bibi.

Como estão os comentários nas suas redes sociais?

Tem muitos comentários de gente comemorando, o que é engraçado porque nem entrei ainda e já tem gente dizendo que é ótimo ter alguém para encarar a Bibi. A Carine tem um quê de ser mais vilã que a Bibi, mesmo a Bibi estando indo pelo caminho do tráfico. Ela já mora naquela comunidade e  tem duas opções: ou segue um trabalho honesto ou vai para o caminho do tráfico, e ela está certa que é aquilo o que ela quer. Na família da Carine já teve alguém envolvido com o tráfico antes e isso será pincelado numa cena.

Carine é a primeira rival que não tem medo da Bibi…

Ela vai passar por cima de tudo, até da Bibi Perigosa. A Carine pensa “Ah ela é perigosa? Eu sou mais”. Ela sabe jogar, e não joga com a força sempre, joga com charme.

Como foi pegar o bloco de capítulos e ler a forma como a Gloria escreve?

Fiquei emocionada demais. Às 7 da manhã de hoje, estava indo gravar e vi no e-mail que tinha chegado um bloco novo. Comecei a ler e percebi que a personagem cresceu, e fiquei mais feliz. Até então era uma participação, e tem sido gratificante.

O que visualmente você precisou mudar para a personagem?

Tudo. Nada é da Carla Diaz. Essas unhas decoradas e estilosas não são minhas, coloquei um megahair loiro que vai até a cintura, e estou me adaptando. A caracterização me ajudou muito a compor a personagem. O braço dela é cheio de pulseiras, e a maquiagem, nem é tão carregada mas tem uma boca rosa que é até fluorescente (risos). São esses detalhes que fazem toda a diferença em cena.

E você se preparou fisicamente também?

Intensifiquei meu treino de musculação porque competir com Juliana Paes não é fácil. Fiquei focada, voltei para as aulas de funk, e descobri uma coisa que eu não sabia: a musculação enrijece os músculos e quando fui para as aulas de funk, eu tava toda dura. Vou te falar, não é fácil.

Em qual o momento que você se sente poderosa?

Acho que se sentir poderosa tem a ver com o momento, e nesse momento estou me sentindo poderosa por causa de tanta felicidade, e tanta conquista.

Você tem 25 anos de carreira. Mudaria alguma coisa?

Absolutamente nada. Se eu não tivesse vivido tudo isso, eu não seria quem sou hoje. É engraçado parar para pensar e perceber que estou fazendo 25 anos de carreira. Eu pude aprender muito nesse tempo e evoluí muito como profissional e como ser humano. Conheci tanta coisa diferente que talvez se eu não tivesse nessa profissão eu não teria conhecido.

Como é chegar aos 27 anos e ainda ter um papel de “novinha”?

Muita gente diz que não imprimo a idade que tenho, mas não ligo muito pra isso não. Ser a “novinha” nesse momento é incrível, porque a Bibi vai usar muito essa definição.

Como foi gravar na comunidade?

Foi ótimo, fui bem recebida pela equipe, e pelas pessoas que moram lá. A expectativa do público está muito grande. As pessoas chegavam para mim e diziam “Então é você a novinha do Rubinho?”. Estando lá, me concentrei mais, e entrei nesse novo ambiente. Gravamos num salão de verdade da comunidade.

Quanto tempo você ficou longe da TV?

Há 3 meses eu estava na Record, mas tinha terminado de gravar em Dezembro. Minha última novela lá foi A Terra Prometida. Eu estava descansando desde janeiro, viajei, cortei o cabelo. Impressionante, toda novela que eu piso é sempre cabelo grande.

Ela acredita de verdade que o Rubinho gosta dela?

Não posso te garantir no que ela acredita, porque é um mistério pra gente também. Não sabemos nem como ela entrou, nem como é o envolvimento entre eles.

Apesar de tantas diferenças, existe alguma semelhança entre você e a personagem?

Quando quero alguma coisa eu corro atrás, acho que a gente tem que ter foco e vontade, então nossa determinação é parecida, só que não passo por cima de outras pessoas para conseguir o que quero. A Carine passa por todos os caminhos possíveis, a Carla não.

Como é o vocabulário da personagem?

Não é tão chulo. A Carine é muito esperta nesse sentido, e às vezes ela não fala nada, mas está ali observando e arquitetando tudo. Ela é o tipo de pessoa que não se contenta com a realidade que tem, e sempre almeja mais.

*Entrevista realizada pela jornalista Núcia Ferreira

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais