Totalmente Demais resgata o bom e velho triângulo amoroso

Eliza, Arthur e Jonatas mexem com o público da trama das sete

Publicado há 14 dias
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Desde que as novelas se modernizaram e passaram a tratar de temas mais realistas, o triângulo amoroso foi perdendo força. Mesmo sendo a base do folhetim, um triângulo formado por vértices capazes de surpreender e mobilizar o público foi ficando cada vez mais raro.

O que se via era dois mocinhos atrapalhados por um vilão, cujo resultado era óbvio e não surpreendia ninguém. Nos últimos anos, esta situação ficou ainda pior quando começaram a “shippar” casais, com torcidas pedindo aos autores que não separassem suas duplas favoritas. Com isso, o casal principal de muitas novelas chegou até a perder o protagonismo, caso da recente O Tempo Não Para, por exemplo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mas Totalmente Demais conseguiu resgatar a fórmula da maneira mais envolvente possível. Ao colocar Eliza (Marina Ruy Barbosa) sendo disputada por Jonatas (Felipe Simas) e Arthur (Fabio Assunção), os autores Paulo Halm e Rosane Svartman lembraram ao público noveleiro que torcer por um casal pode ser divertido.

O triângulo amoroso de Totalmente Demais é empolgante por vários motivos. O principal deles é o fato de os personagens envolvidos terem sido muito bem desenhados pelos autores. Eliza é uma mocinha atípica, mais esperta e cheia de personalidade. Assim, é fácil se deixar levar por suas conquistas ao longo da obra.

A ela, foram oferecidos dois pares bastante distintos. Jonatas é o “amor clássico”, um mocinho boa-praça que a ajudou em vários momentos. Já Arthur é o mocinho em transformação, que, ao mesmo tempo em que transforma Eliza, também é transformado por ela. Os dois completam Eliza: Jonatas é a sua essência; Arthur, a sua evolução.

Joliza x Arliza

Este é o principal motivo de o triângulo amoroso de Totalmente Demais ter dado tão certo. Ao ponto de terem gerado duas “torcidas organizadas”, o time “Joliza” (que torce por Eliza com Jonatas), e o time “Arliza” (de Eliza com Arthur).

Como se trata de uma reprise, já se sabe quem vai se dar bem nesta história. Mas a outra torcida já vem solicitando um novo final, tamanha a comoção. Mais uma prova de que Totalmente Demais é mesmo uma novela que mexe com o público.

E Paulo Halm e Rosane Svartman mostram que são mesmo bons com triângulos amorosos que dividem o público. Em Bom Sucesso, trama mais recente da dupla, havia a expectativa sobre o destino de Paloma (Grazi Massafera), dividida entre Marcos (Rômulo Estrela) e Ramon (David Junior). Porém, neste caso, a dúvida durou menos, já que os caminhos entre a mocinha e Marcos foram fechados mais cedo.

Mesmo assim, o sucesso de Totalmente Demais mostra que não há fórmula de folhetim que envelhece. Ao contrário. O desafio é saber contar, com habilidade e destreza, a mesma história de sempre.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais