“Rivalidade” de Ana e Manu em A Vida da Gente é muito mais complexa do que pregam as torcidas

Lícia Manzo propõe um dilema muito mais profundo

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando foi exibida pela primeira vez, em 2011, A Vida da Gente dividiu seus espectadores em duas grandes “torcidas”. O “Team Ana” estava ao lado da personagem de Fernanda Vasconcellos, acreditando que a tenista teve a vida roubada pela irmã. Já o “Team Manu” se posicionava a favor do amor da personagem de Marjorie Estiano. O mesmo tem acontecido agora, com a novela novamente no ar.

Mas a trama de Lícia Manzo é muito mais complexa do que supõe esta formação de torcida. A Vida da Gente propõe um drama tão intrincado, que é difícil tomar partido sem parecer leviano. Afinal, não há uma vilã dentre as protagonistas. Ana e Manu são igualmente “vítimas” dos reveses da vida.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ana passou anos em coma e, ao acordar, encontrou tudo mudado. A vida seguiu sem ela, que não consegue mais se encaixar nesta nova realidade. Para piorar, precisa lidar com o fato de ver seu namorado e sua filha vivendo como uma família ao lado de sua irmã. É muita informação para quem ficou ausente por tanto tempo.

Já Manu se viu obrigada a amadurecer ao não ter mais a irmã como principal apoio. A menina frágil, então, se obrigou a ser forte e tocar sua vida sozinha. Mas tomou para si a responsabilidade de cuidar dos afetos de Ana, sem imaginar que acabaria se apaixonando pelo namorado dela. O amor entre Manu e Rodrigo (Rafael Cardoso) foi construído neste contexto.

Ou seja, as duas irmãs se viram em lados opostos por meio de armadilhas da vida. Ambas precisam lidar com questões complicadas: Ana precisa encontrar um novo lugar onde possa se encaixar, enquanto Manu precisa se acostumar novamente com a irmã ao seu lado. Porém, tudo isso envolve sentimentos profundos, que geram culpas e mágoas inevitáveis.

Rodrigo

Além disso, colocar Ana e Manu em lados opostos como “times” significa que a audiência considera Rodrigo um “prêmio”. Afinal, o mocinho deve ficar com seu primeiro amor de adolescência, Ana, ou o amor que representa sua maturidade, Manu?

Na verdade, Rodrigo vai mostrar nos próximos capítulos que não é um prêmio. No meio das duas irmãs, ele se revelará o mais imaturo de todos, ao não conseguir lidar minimamente com toda a situação que o envolve. Neste contexto, ele se ausenta, e deixa a decisão nas mãos de Ana e Manu. Ou seja, é, no fundo, um covarde.

A melhor resolução para o conflito entre Ana e Manu, neste sentido, seria nenhuma das duas ficar com o rapaz. Claro, A Vida da Gente é um folhetim, e a autora não ousaria tanto ao tirar seu mocinho do meio de campo. Porém, num olhar mais incisivo diante da complexa relação entre Ana e Manu, é fato que Rodrigo é fator que as separa.

Ainda que não seja este o destino das protagonistas da obra, os desdobramentos destes sentimentos tão profundos são tratados com muita sensibilidade pelo texto de Lícia Manzo. A Vida da Gente ainda oferecerá momentos saborosos envolvendo estas irmãs que, no fundo, não são rivais. E, portanto, não estão em lados opostos. Estão apenas buscando ser felizes.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio