Laços de Família e a polêmica “relação” entre Pedro e Cíntia

Truculência do administrador soa mais problemática em 2020

Publicado há 22 dias
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A reprise de Laços de Família no Vale a Pena Ver de Novo mostra que muita coisa não mudou em 20 anos. Mas também expõe que algumas situações são encaradas sob novas perspectivas. A história envolvendo Pedro (José Mayer) e Cíntia (Helena Ranaldi), que foi vista como um amor selvagem e até sexy em 2000, agora é encarado como um caso de violência sexual.

Trata-se de uma reação natural do público. A violência contra a mulher e problematização da cultura do estupro se tornaram pautas de importantes discussões sociais e políticas. Debates sobre estes assuntos fomentaram um movimento de denúncia e de amparo em casos de violência sexual. Muitos pontos estão sendo esclarecidos, leis estão sendo revistas e fala-se mais sobre isso hoje do que há 20 anos. É um momento de transformação social.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta nova perspectiva, as cenas em que Pedro agarra Cíntia à força geram reações. Não são poucas as sequências em que o administrador do haras de Alma (Marieta Severo) encurrala a veterinária. Ela luta contra, mas termina cedendo. Ou seja, um homem numa posição elevada se aproveita dela para abusar de uma mulher. Complicado.

Ao que tudo indica, Manoel Carlos não tinha a intenção de transformar um estupro em uma fantasia sexual. Naquele contexto do ano 2000, o autor narrou uma história de paixão do tipo “gato e rato”, apresentando um casal que não se suporta, mas não consegue resistir à tensão sexual existente. Ou seja, o que envolve Pedro e Cíntia é um jogo deles.

Alguns diálogos entre eles sugerem que Cíntia se entrega a este jogo bizarro por livre e espontânea vontade. “Eu perturbo você, não é mesmo? Te ponho fora do sério, eu quebro a tua espinha (…). Não está acostumado em ser contrariado, nem por homem, imagina por uma mulher. Mas vai ter que me engolir, você queira ou não queira”, disse Cíntia a Pedro num de seus embates.

No entanto, 20 anos depois, diálogos como este não são suficientes para indicar um provável consentimento de Cíntia com relação às atitudes de Pedro. Atos que eram considerados culturalmente aceitos, boa parte deles movidos pelo machismo estrutural, não são mais aceitáveis. Neste contexto, não há “consentimento” de Cíntia que justifique a violência de Pedro.

Não se condena Laços de Família por este entrecho equivocado. A novela de Manoel Carlos é um produto de seu tempo. Provavelmente, se quisesse narrar esta história nos dias de hoje, o autor o faria de outra maneira. Na verdade, o fato de as cenas envolvendo Pedro e Cíntia incomodarem mais agora do que há 20 anos mostra que evoluímos em alguma coisa. E, claro, que ainda há muito mais a evoluir.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio