Guilherme Piva é um ator notável e ama a profissão

Publicado em 21/06/2017

Dia desses, eu estava assistindo uns vídeos de arquivo, e me deparei com uma declaração de Fernanda Montenegro que dizia o seguinte: “Eu geralmente, quando me perguntam o que é que você diria para um ator que está começando, eu sempre digo: ‘desista! Não passe perto! Saia disso!’. Porque confundem teatro com liberdades, até com licenciosidades, com realização de sua opção sexual, com glórias, paetês, retrato no jornal, riqueza, porque aí já entra a televisão, porque no meu tempo não tinha televisão, então hoje em dia a deformação já é. Os famosos ‘celebrities’. Então a coisa é pegar o eletrônico que vai cuidar dele, que vai polir ele, se não for bom, repete a cena, repete outra vez, ou então corta, coloca uma música de fundo, coloca uma lágrima, vai preparando como se fosse uma autômato e depois pode resultar muito bem, porque ele se apropria daquela técnica, vai fazendo e vai virando o chamado ator, não é? O artista! Todo mundo virou artista hoje em dia, porque todo mundo pode ser artista, agora ator não é todo mundo que pode ser! Então essa visão assim onírica, solta, louca, compreende? Não sabe o que é isso aqui, então saia, saia da frente! Não ocupe espaço se depois vai ser bancário, vai ser doutor, vai ser diplomata, vai ser gari, enfim. Agora, se morrer porque não está fazendo isso, se adoecer, se ficar em tal desassossego que não tem nem como dormir, aí volte, aí venha aqui, mas se não passar por esse distanciamento e pela necessidade dessas tábuas aqui, não é do ramo! Não é do ramo!”.

Com esse pensamento inspirador da grande dama de nossa TV, que eu começo a resenha dessa semana, sobre Guilherme Piva, um ator notável, que é literalmente do ramo e ama a profissão com todas as suas forças. Falar do talento desse ator que começou sua trajetória profissional no tablado e migrou para o vídeo é muito fácil. Todos os seus personagens conquistaram o público, desde sua atuação em Xica da Silva, na extinta TV Manchete, onde brilhou no papel José Maria, um personagem de difícil composição, mas ele fez com maestria e respeito ao espectador. Até hoje o personagem é lembrado. Pra ele não se tem papel pequeno. Em sua mão, vira um grande personagem. Poucos atores tem esse dom de transformação. Piva faz isso como ninguém.

Leia também: Marcia Cabrita chega para somar no bem-sucedido núcleo de humor de Novo Mundo

Guilherme Piva é conhecido nos bastidores como um ator extremamente estudioso e dedicado. Isso fica claro em sua atuação em Novo Mundo, onde interpreta Licurgo, um personagem tipicamente brasileiro vivendo no período Imperial. Sua parceria com Vivianne Pasmanter vem conquistando o público e a crítica especializada. Quando se faz o que se ama, o resultado vem. Isso fica claro no vídeo. Piva é dos poucos atores que se entrega de corpo e alma ao personagem. Deixando até a vaidade de lado. Licurgo é um exemplo dessa entrega. Como é bom assistir um produto como Novo Mundo, e, ser presenteado com atuações de primeira. Algo até pouco tempo deixado de lado. Guilherme, parabéns por seu talento e obrigado por nos fazer sonhar junto com você. Sucesso!

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.