spin-off

As Five no Globoplay é a consagração definitiva de Viva a Diferença

Série reafirma que a temporada de Malhação escrita por Cao Hamburger foi diferenciada

Publicado em 13/11/2020

Sempre que uma novela faz muito sucesso, surgem comentários de que determinado núcleo poderia virar uma série ou um filme. Mas isso raramente acontece. Porém, aconteceu com Malhação: Viva a Diferença. A celebrada criação de Cao Hamburger conseguiu ultrapassar as amarras da novela adolescente da Globo e emplacou uma série no Globoplay. A estreia de As Five consagra Viva a Diferença como uma das melhores “Malhações” de todos os tempos.

Para quem acompanha Malhação: Viva a Diferença pela primeira vez na reprise que a Globo exibe agora, sugiro que pare a leitura por aqui, pois este texto contém spoilers. Afinal, o último capítulo da trama jovem é bastante “pé no chão” ao mostrar a separação das cinco protagonistas. É o fim do Ensino Médio, quando o jovem parte para seus próprios caminhos e aquelas amizades que pareciam eternas começam a arrefecer. Ou seja, o final de Viva a Diferença driblou o final feliz óbvio ao mostrar que aquelas cinco jovens estão apenas começando suas vidas.

As Five retoma a trama daquelas jovens alguns anos depois. Já adultas, Benê (Daphne Bozaski), Keyla (Gabriela Medvedovski), Tina (Ana Hiraki), Lica (Manoela Aliperti) e Ellen (Heslaine Vieira) tocam suas vidas separadamente e vivem seus próprios conflitos. Elas não se falam há três anos, mas se reencontram no velório de Mitsuko (Lina Agifu). Este reencontro deve transformar a vida delas novamente, como aconteceu quando se conheceram.

Todas enfrentam questões da vida adulta. Benê precisa recomeçar, depois que descobre que Guto (Bruno Gadiol) é gay. Keila cria Toninho sozinha e tem dificuldades em se firmar no mercado de trabalho. Tina tem problemas no casamento, enquanto Lica não consegue encontrar um rumo, dedicando-se à boemia e relacionamentos fugazes. Já Ellen tem uma bem-sucedida vida acadêmica nos Estados Unidos, mas se questiona quanto aos rumos de sua vida amorosa.

Ou seja, assim como Viva a Diferença fugiu do “final feliz” tradicional, As Five segue nesta abordagem menos romântica da vida adulta. Por outro lado, reforça a importância dos laços de amizade para encarar as dificuldades cotidianas com mais leveza. É uma série sobre relações humanas muito bem armada, que busca não dourar a pílula, mas o faz com um tom de ternura.

As Five é uma oportunidade interessante de reencontrar as protagonistas de Viva a Diferença. Se a temporada de Malhação escrita por Cao Hamburger se tornou um divisor de águas na história da novela adolescente, As Five deve levar a produção de séries brasileiras de temática jovem adulta para outro patamar. É uma experiência interessante e acertada do Globoplay.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.