Viva acerta em cheio com reprise de Explode Coração

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Se O Clone, de 2001, fez o sucesso que fez e se tornou uma das principais obras da novelista Glória Perez, isso só aconteceu porque, antes, existiu Explode Coração. Foi na novela de 1995 que a novelista apostou na mistura que se tornaria sua marca, um romance intermeado por tecnologia e culturas diferentes. Se a saga de Jade (Giovanna Antonelli) era mostrada em meio à clonagem humana e os costumes da religião muçulmana, em Explode Coração os assuntos da vez eram a cultura cigana e a internet.

Rever o primeiro capítulo de Explode Coração no Viva, que iniciou a reprise ontem (29), às 23h30, é dar de cara com um mundo muito diferente do atual, mas ainda assim irresistível. Diferente no sentido de a novela tratar a internet como um assunto distante e quase num tom de ficção científica, afinal, mais de 20 anos depois, a internet já está mais do que incorporada ao cotidiano de todos nós. Por isso mesmo, é bem divertido rever cenas como a da empregada Odaísa (Isadora Ribeiro), assustada, contando para Dara (Tereza Seiblitz) que seu computador estava tomado por algum tipo de magia, já que “saíam vozes de lá”. Acredite, em 1995, era bem fora do comum um computador falar com você.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mais incomum ainda era conversar com alguém que você não conhece, de qualquer lugar do mundo, por meio de uma máquina. Se você não ligasse no “disk amizade”, provavelmente jamais conheceria pessoas que estão bem distantes do seu quintal. Pois foi justamente neste novo universo que a internet traria que Dara conheceu Júlio Falcão (Edson Celulari), aproveitando o fato de conversar com um desconhecido para desabafar. A heroína contou que se sentia deslocada dentro da cultura cigana, que estudava escondida dos pais e que não queria se casar com o noivo ao qual fora prometida ainda bebê. Os costumes ciganos e a internet mostrados numa única cena, que resumia bem a temática de Explode Coração, tal qual sua abertura que mostra uma Ana Furtado cigana sendo transportada para uma sala high tech.

O fato de o início da história de amor entre Júlio e Dara soar antiquado nos dias de hoje mostra o quanto Glória Perez estava antenada com os assuntos da contemporaneidade naquele momento. Explode Coração tratava como uma grande novidade, o que de fato era, algo que hoje soa como prosaico e até ingênuo. Mas é exatamente por isso (e não só por isso) que rever Explode Coração vale a pena. Afinal, como dito acima, a trama abriu caminho para que O Clone fizesse sucesso. Assim como Jade e Lucas (Murilo Benício) encaram uma série de problemas para ficarem juntos, como as diferenças culturais e as presenças do noivo prometido dela, Sayid (Dalton Vigh), e da esposa dele, Maysa (Daniela Escobar), Dara e Júlio também terão as diferenças culturais como dificultadores, alem das presenças do noivo prometido dela, Igor (Ricardo Macchi), e da esposa dele, Vera (Maria Luiza Mendonça).

Várias coisas chamaram a atenção neste capítulo de estreia. Primeira novela da Globo gravada no Projac, Explode Coração já apresentava um apuro visual diferente de suas antecessoras, e que só evoluiria a partir dali. Além disso, é ótimo ver uma atriz do quilate de Tereza Seiblitz, que estranhamente nunca mais fez grandes papéis depois da emblemática cigana Dara, protagonizando a trama. Isso sem falar da presença de nomes como Rodrigo Santoro, debutando como o menino Serginho, e que, mais adiante, formará um casal polêmico com a também sempre maravilhosa Reneé de Vielmond. Paulo José e Eliane Giardini fazendo um típico casal cigano, os pais da mocinha, também chamam a atenção, assim como o núcleo cômico, liderado por Regina Dourado e Rogério Cardoso. Laura Cardoso, Elias Gleiser, Maria Luiza Mendonça, Nívea Maria e tantos outros medalhões são mais cerejas neste bolo.

No final do capítulo, surgiria um personagem icônico, infelizmente lembrado não por algo bom: cigano Igor. Entregue ao estreante Ricardo Macchi, que obviamente não estava pronto para um personagem daquele tamanho, Igor acabou se tornando motivo de chacota por conta do parco desempenho de seu intérprete. Até hoje, “cigano Igor” se tornou sinônimo de ator pouco expressivo.

Nada que comprometa a novela. Explode Coração é um típico romance de Glória Perez, e que abriu caminho para que, mais adiante, viessem O Clone e, também, Caminho das Índias. Dara, Jade e Maya (Juliana Paes) são lembradas até hoje, e não é por acaso. Vale a pena ver de novo.

Apesar de abrir sequência de “novelas medievais”, Belaventura passou despercebida

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio