Instagram admite erro após apagar vídeos de atrizes por nudez e discurso de ódio

Letícia Tomazella e Gabriela Loran tiveram conteúdos removidos e reclamaram de censura

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As atrizes Letícia Tomazella e Gabriela Loran tiveram vídeos removidos do Instagram e reclamaram de censura. Nos conteúdos, as artistas criticavam o machismo e a transfobia. Elas foram notificadas, respectivamente, por “nudez” e “símbolos ou discurso de ódio”, porém em nenhum momento houve violação das diretrizes do aplicativo.

Procurado pela coluna, o Instagram admitiu ter errado ao remover as publicações e pediu desculpas às duas artistas. “Cometemos um erro e pedimos desculpas. Os conteúdos foram restaurados”, informou a plataforma por meio de sua assessoria de imprensa. Os vídeos retornaram aos perfis das atrizes na última quinta-feira (15), após a coluna ter questionado o aplicativo sobre a remoção sem violação das regras.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Letícia Tomazella, atualmente no elenco da novela Gênesis (Record), criou uma websérie em que aparece nua, cobrindo os seios com uma tarja preta, para criticar a hipersexualização de seu corpo, em resposta às denúncias contra a foto de sua silhueta. Após sofrer assédio nas mensagens privadas, expôs um dos homens que a atacaram e, em seguida, recebeu a notificação do Instagram. À coluna, ela acredita ter sofrido represália de agressores por não se calar diante da violência sexual.

“Sinto que o assédio aumentou um pouco porque você começa a expor esse assunto e todo um padrão vigente fica ouriçado. Quem é contra quer ir muito contra; quem é a favor apoia bastante. Acho bom trazer para o debate, mas obviamente é um absurdo nos calarmos diante de assédios pela internet, e hoje há muitos, inclusive contra menores de idade”, alerta a atriz, que fez sucesso como Arlete na novela infantil As Aventuras de Poliana (SBT).

“Temos que denunciar, temos que expor a carinha do assediador, porque eles contam com o nosso silêncio para continuar com esse tipo de abuso, de constrangimento, de crime. Tem que parar de expor só o nome da vítima, tem que expor o agressor”, ressalta Tomazella, que republicou o vídeo com o aviso de que foi censurada.

“Eu já tinha repostado, reeditado com as tarjas maiores, e deu uma ótima repercussão. Recebi vários relatos de outras artistas que passaram por censuras semelhantes em outras plataformas. Estamos nos unindo para debater essa questão tão maluca do corpo feminino. É tão diferente a forma como se lida com ele em relação ao corpo masculino”, critica.

Gabriela Loran, que interpretou a professora Priscila em Malhação: Vidas Brasileiras, teve dois vídeos excluídos, ambos criticando situações de transfobia. Conhecida por ter sido a primeira atriz transgênero a compor o elenco da novela adolescente da Globo, a artista rebateu a fala do influenciador digital Leo Picon, que disse ter sido “enganado” após beijar uma mulher trans. Na outra publicação, ela diz qual a diferença entre uma mulher cisgênero e uma transgênero: “Nenhuma! Sério, somos todas amigas, sem competição! Os machos que se matem para lá!”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio