Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Superprodução

Saiba onde foi gravada a minissérie Passaporte para Liberdade

As gravações aconteceram em uma parceria inédita da TV Globo com a Sony

Publicado em 16/12/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Com estreia mundial marcada para a próxima segunda, dia 20, após The Voice Brasil, Passaporte para Liberdade conta a história de Aracy de Carvalho (Sophie Charlotte), brasileira que ajudou a salvar famílias judias do Holocausto.

Gravada em Buenos Aires e no Rio de Janeiro, as locações foram escolhidas a dedo pelo diretor artístico Jayme Monjardim e pela equipe de cenografia. As gravações da minissérie começaram em janeiro de 2020. Sob os olhos do diretor Jayme Monjardim, a capital argentina ganhou ares da Hamburgo da década de 1930.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Rodrigo Lombardi nas locações de Passaporte para Liberdade (Foto: Raquel Couto).

As belas fachadas de prédios históricos, que remetem à arquitetura da Europa à época, foram usadas para dar vida às ruas da Alemanha nos momentos que antecedem a Segunda Guerra Mundial e seus desdobramentos, como o Palácio Sans Souci, o Teatro Colon e o Centro Cultural Kirchner.

Semanas depois, já em fevereiro, as filmagens tiveram sequência no Rio de Janeiro, em externas e nos Estúdios Globo. O Arsenal da Marinha, no centro da cidade, foi um dos locais escolhidos para dar vida às ruas e vielas de Hamburgo, habitada por centenas de famílias de judeus e por onde passeavam livremente os soldados das tropas de Hitler. Banhada pela Baía de Guanabara, a locação também trouxe o toque de zona portuária da cidade alemã, cenário por onde, na minissérie, circulam os personagens que fazem resistência aos nazistas.

Locações de Passaporte para Liberdade (Foto: Raquel Couto).

Locações surpreendentes

“As locações refletem completamente o olhar do nosso diretor para esse projeto. Com muita precisão e assertividade, as escolhas do Jayme tanto em Buenos Aires quanto no Rio, nos ofereceram espaços que contribuíram para o resgate de um ambiente muito próximo ao de Hamburgo da década de 30/40. Precisávamos mostrar a Hamburgo histórica, que não existe mais, antes de ser bombardeada na Segunda Guerra Mundial. Temos uma imensa área portuária, ambientes corporativos do nazismo, nosso Consulado Brasileiro em Hamburgo, temos todo um bairro judaico e também um pedacinho do nosso Brasil deste período. A história apresenta uma variedade muito grande de eventos, culturas, cenários e ambientes, com muitas particularidades. A escolha das locações foi preponderante para enriquecer o resultado final”, conta Paula Oliveira, produtora de arte da minissérie.

Apenas um mês depois de iniciadas as filmagens no Rio e com cerca de metade das cenas gravadas, foi anunciada a situação de pandemia do COVID-19 pela Organização Mundial da Saúde, o que levou à paralização temporária de produções da Globo. Após 11 meses de paralização, iniciou-se a segunda fase das filmagens.

“Quando começou a pandemia, só tínhamos metade da minissérie filmada. Foi uma loucura dar continuidade ao trabalho mais de um ano depois. Foi um desafio muito grande e difícil, mas a gente contou com uma equipe tão incrível que conseguimos superar todos esses problemas”, declara Jayme Monjardim.  

Sophie Charlotte nas locações de Passaporte para Liberdade (Foto: Raquel Couto).

Uma cidade cenográfica de 9000 m², localizada nos Estúdios Globo, no Rio de Janeiro, se transformou para reproduzir, com riqueza de detalhes, a Hamburgo nazista. “Para além das construções, precisamos compor atmosferas de impacto, com muita destruição. Ataques antissemitas, como o que ficou conhecido como a Noite dos Cristais, ocorrido no Grindel, com vandalismo, violência e incêndios. Com o começo da guerra, os bombardeios deixaram Hamburgo em escombros. Foi um desafio construir esse mundo nos Estúdios Globo”, comenta May Martins, responsável pela cenografia.   

O Palácio da Guanabara, sede do Governo do Estado do Rio de Janeiro, também abriu suas portas para ambientar grandes cenas de ‘Passaporte para Liberdade’. “Trabalhamos para tornar visível e crível o recorte de mundo desejado à narrativa. Uma Alemanha às vésperas da Segunda Guerra Mundial, com Hitler e o nazismo transbordando ferocidade”, completa a cenógrafa. 

‘Passaporte Para Liberdade’ é a primeira produção da Globo em parceria com a Sony Pictures Televison. A minissérie tem criação de Mario Teixeira, foi escrita por Mario Teixeira e Rachel Anthony, com direção artística de Jayme Monjardim, direção de Seani Soares e produção de Samantha Santos, Mariana Pinheiro e Fabiana Moreno. A produção executiva é de Silvio de Abreu, Monica Albuquerque, Elisabetta Zenatti e Rachel Anthony. 

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....