Fenômeno

Último capítulo de O Cravo e a Rosa explode na audiência e comprova sucesso da reprise

Com dez meses no ar, novela marcou uma média incrível

Publicado em 03/10/2022

A terceira reprise de O Cravo e a Rosa comprovou que a novela é realmente um fenômeno. Para se ter ideia, o último capítulo explodiu na audiência.

Segundo dados consolidados, o episódio final, exibido na sexta (30 de setembro), marcou 17,9 pontos. Os números são relativos à Grande São Paulo, a praça mais importante.

Na semana derradeira, o público estava curioso para saber quem roubou as apólices de Catarina (Adriana Esteves). O mistério permeou grande parte da história.

No mesmo dia, A Favorita marcou apenas 16,6 pontos no Vale a Pena Ver de Novo.

Batista (Luís Melo) e Marcela (Drica Moraes) em O Cravo e a Rosa
Batista (Luís Melo) e Marcela (Drica Moraes) em O Cravo e a Rosa

Média de audiência de O Cravo e a Rosa

A média final de O Cravo e a Rosa foi de 14 pontos em São Paulo. A trama de Walcyr Carrasco e Mário Teixeira fez o ibope da faixa decolar.

Com isso, a Globo passou a vencer com folga a Record TV, que dava trabalho exibindo A Hora da Venenosa, no Balanço Geral. Além disso, ficou à frente do SBT.

A novela começou em novembro de 2021 e contabilizou mais de dez meses no ar. Com o sucesso da edição especial, a emissora escolheu Chocolate com Pimenta como substituta.

Petruchio (Eduardo Moscovis) e Catarina (Adriana Esteves) em O Cravo e a Rosa (2)
Petruchio (Eduardo Moscovis) e Catarina (Adriana Esteves) em O Cravo e a Rosa

Sucesso absoluto

De fato, a trama de época é uma espécie de amuleto da Globo. A novela sempre faz muito sucesso quando é exibida.

Original de 2001, O Cravo e a Rosa foi a primeira novela de Walcyr Carrasco na emissora. Ele fez parceria com Mário Teixeira, que atualmente escreve Mar do Sertão.

Uma curiosidade é que o folhetim teria menos de 100 capítulos. Mas a audiência crescente levou a um esticamento. Ao todo, a história teve 221 capítulos.

Além de três reprises na Globo, O Cravo e a Rosa também foi reapresentada recentemente no Canal Viva.

Leia mais textos deste colunista.