Cidade grande

Metrópole São Paulo leva operações policiais e salvamentos ao fim de tarde na TV paga

Série no canal A&E é filmada em tempo real e promete não explorar sofrimento das vítimas

Publicado em 19/11/2021

Neste sábado (20), no final da tarde, quem ligar no canal A&E às 18h vai se deparar com cenas em campo de resgate médico de socorristas (Serviço de Atendimento Móvel de Urgências – Samu), operações do Corpo de Bombeiros, Polícia Civil, Garra, helicópteros Águia e Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas).

A série Metrópole São Paulo segue o formato de docu-reality que o canal já desenvolveu com programas feitos na Cidade do México/México e Bogotá/Colômbia.

Não deixa de ser uma concorrência aos noticiários de final de tarde nas redes de TV aberta, que mantêm uma fórmula comum na cobertura de temas policiais e de tragédias.

Nos canais abertos, apresentadores narram todos os acontecimentos de forma dramática e impactante.

Assim, a cada bloco, é comum o telespectador mais emotivo se sentir com o coração na boca até a próxima pausa para os comerciais.

No Metrópole São Paulo, não existe a figura do âncora.

Apenas um narrador descreve e explica os acontecimentos, enquanto os microfones abertos registram as conversas durante as ocorrências.    

Grande São Paulo

O A&E se viu motivado a produzir a atração por aqui diante da magnitude dos números da cidade e região metropolitana.

A cada dia, são feitos três mil atendimentos médicos emergenciais e 600 atendimentos do Corpo de Bombeiros.

Ao ano, somam-se oito mil presos em flagrante ao ano, diante de uma circulação diária de 22 milhões de pessoas na Grande São Paulo.

A promessa da série é não se explorar o lado sensacionalista das tragédias, muito menos o sofrimento das vitimas.

São quatro episódios da série que, de acordo com a diretora de conteúdo do A&E, Karen Santiago, privilegia o olhar dos profissionais dos serviços diante dos acontecimentos – Polícia, Samu e Bombeiros.

Ricardo De Caroli, gerente de produção original do canal, conta que a equipe seguiu rigorosamente as exigências de distância e segurança para acompanhar as equipes.

A equipe de filmagens contou com apoio das Secretarias de Segurança Pública de São Paulo e também da Secretária de Secretaria de Saúde.

Muitas cenas de Metrópole São Paulo utilizaram câmeras em drones.

A produção teve autorização para acompanhar as operações, com acesso às chamadas zonas intermediárias e também às zonas quentes, que são áreas de maior risco.

A equipe tinha de usar colete a prova de balas”, contou De Caroli.

Metrópole SP
Resgate pelo Samu a série Metrópole São Paulo no canal da TV por assinatura AE Foto Divulgação

Protocolos

Além dos perigos das ações e resgates em si, também houve os cuidados com os protocolos de Covid nas filmagens.

Nos episódios, é possível ver ações não abordadas nos programa jornalísticos da TV. Há, por exemplo, o acompanhamento de uma operação bafômetro no Mandaqui e o resgate de um automóvel caído em um córrego no Jardim Andaraí, ambos os bairros da Zona Norte da capital paulista.

A preocupação do programa é o acompanhamento no tempo real e, diferentemente dos programas policiais, Metrópole São Paulo não registrou nenhuma morte ao vivo.

Metrópole São Paulo tem classificação indicativa para 14 anos.

Trata-se de uma coprodução da A+E Networks com a Omava e terá reprises às terças-feiras, 19h30.

© 2024 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade