Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Guerra por exclusiva

12 anos depois, entenda como a Record “usou” Geisy Arruda para furar a Globo e o The New York Times

Em estratégia, produção de Geraldo Luís ofereceu vantagens para que ela mostrasse o rosto

Publicado em 10/10/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

E lá se foram 12 anos do dia em que Geisy Arruda (32) ganhou destaque na mídia nacional e internacional após ser hostilizada por estudantes de sua faculdade devido ao uso de um simples vestido. Desde então ela nunca mais saiu das manchetes e seu nome virou uma marca de alto consumo na internet.

Claro que ela própria foi a grande responsável pela virada triunfal na vida ao analisar inteligentemente propostas interessantes e rentáveis de trabalho que começaram a aparecer naquele período. A terceira temporada de A Fazenda e a Escolinha do Gugu foram algumas.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Mas foi em uma recente entrevista ao After Canal que Geisy Arruda revelou detalhes de como se deu a “guerra” entre a imprensa para ver quem conseguiria a primeira entrevista exclusiva com ela. Nos relatos, ex-estudante de Turismo e hoje empresária, conta que vários jornalistas conseguiram o endereço de sua antiga residência e que se tumultuavam na frente da casa. “Eles vão entrando, a Record já estava praticamente na minha sala“, relembrou ela, que à época tinha 19 anos.

E foi justamente a Record TV quem teve a melhor das estratégias e conseguiu furar o Fantástico, Jornal Nacional e a imprensa internacional como The New York Times e The Guardian, e mostrar o rosto de Geisy Arruda para o Brasil ao levá-la no palco de uma de suas extintas atrações, e detalhe: trajada com o polêmico vestido rosa.

A primeira que deu [a notícia] foi a Folha de S. Paulo, mas aí, quando descobriram meu endereço em Diadema, estava todo mundo lá. E a minha mãe começou a ficar desesperada porque eu tive que contar pra ela o que estava acontecendo. Ela não sabia. Ela começou a chorar copiosamente […] e eu disse: ‘O que vou fazer?’.

A gente nunca tinha visto tantas câmeras, tantos aparatos. Eu falei: ‘Vou falar com vocês, não vou maltratar ninguém, não vou mandar ninguém embora — até porque eles já vão entrando –, jornalismo policial, eles vão entrando. A Record TV já estava quase na minha sala. Eu só falei: ‘Não vou mostrar meu rosto e quero minha voz modificada para me proteger’.

E a Record ficou por ultimo, que era o programa Geraldo Brasil, do Geraldo Luís, que passava à tarde e nem existe mais. A moça que chegou primeiro foi a última e ficou lá até o final, e aquela mulher não tinha pressa. E aí ela chegou pra mim e falou que tinha uma proposta. ‘Você falou com todo mundo mas não mostrou seu rosto, e queremos que você apareça.

Eu falei: ‘Meu rosto eu não vou mostrar’. ‘O Brasil quer conhecer o rosto da menina que foi hostilizada por causa de um vestido. Temos uma proposta, a gente vai te arrumar um advogado, ele não ai cobrar nada, se você ganhar o caso contra a universidade você paga a porcentagem dele e se você não ganhar também você não perde.

Ele vai trabalhar de graça pra você. Em troca ele vai aparecer, você fala o nome dele, ele vai no programa…uma parceria. Topa?’. E qual a outra oportunidade que eu terei na vida de pagar um advogado e processar uma universidade? Eu ganhava R$400 reais por mês. Eu não teria outra oportunidade.

E falei: ‘Tá bom’. Ela: ‘A gente quer que você leve o vestido’. Eu disse: ‘Tá bom, mãe, pega o vestido’. Cheguei lá na Record, na Barra Funda, segurando o vestido e o advogado já estava me esperando. Eu disse pra ele: ‘Eu quero justiça, você vai me ajudar? Então vamos’“.

Veja o momento a partir de 31:37 minutos

SIGA ESTE COLUNISTA NAS REDES SOCIAIS: INSTAGRAM E TWITTER

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....