“A ideia inicial da emissora era botar uma branca” conta Walcyr Carrasco sobre resistência da Manchete ao escalar atriz negra para protagonista de Xica da Silva

Publicado há 3 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Walcyr Carrasco, autor de O Outro Lado do Paraíso usou suas redes sociais no domingo (26), para relembrar que sofreu resistência da extinta TV Manchete para escalar Tais Araújo como protagonista da novela Xica da Silva, escrita por ele sob o pseudônimo Adamo Angel, em 1996.

Leia também: Globo escolherá elenco infantil da próxima novela das 21h na Bahia

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em sua postagem, ele relatou que na época da pré produção da trama, parte dos diretores do canal não queriam aceitar uma protagonista negra. A ideia inicial dos executivos era colocar no lugar, uma mulher branca excessivamente bronzeada.

Após muito custo, ele e o diretor Walter Avancini conseguiram convencer a direção da extinta emissora, que a atriz protagonista fosse uma negra, papel que coube à Taís Araújo.

“Quando fui escrever Xica da Silva, para a extinta TV Manchete, há 20 anos, a ideia inicial da emissora era botar uma branca que tomasse muito sol. Eu e o genial diretor Walter Avancini (já falecido) insistimos: uma heroína negra deveria ser protagonizada por uma negra. Simples assim. Vencemos. @taisdeverdade foi a primeira negra, no mundo, em um papel-título de novela. Interpretou maravilhosamente. Um sucesso, tornou-se uma estrela. Os 20 anos se passaram. O movimento negro avançou, ainda bem. A sociedade finge não ter preconceito. Na prática, tem. ⠀⠀⠀ Machado de Assis, talvez o maior autor da literatura brasileira, era afrodescendente. Há outra grande autora, mais recente: Carolina Maria de Jesus. Catadora de papel, publicou Quarto de despejo em 1960. Um sucesso na época. O livro é intenso, verdadeiro. Há negros geniais em todas as áreas da cultura nacional. Já ouvi que a defesa dos direitos dos afrodescendentes exagera. Muitas vezes leio críticas à política de cotas. Fazer o quê? Sem elas, o acesso à universidade continuará vedado. Não só aos negros. Também não vi nenhum indígena nos restaurantes. Há radicalismos? Há outro jeito, se existem brancos radicais em suas opiniões e preconceitos? Na novela, haverá uma grande reviravolta da Raquel, personagem da @erikajanuza. Espero que na sociedade também aconteça o mesmo.”

Em O Outro Lado do Paraíso, Raquel (Erika Januza) foi humilhada pela cor de sua pele, e voltará 10 anos depois como juíza, aprovada em primeiro lugar em um concurso público.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais