SBT: Comercial com slogan da ditadura repercute na web; emissora admite equívoco e tira do ar

Publicado há 2 anos
Por Clara Ribeiro
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O SBT começou a veicular comerciais de cunho nacionalista nesta terça-feira (6). Pouco a pouco foram exibidos diversos vídeos com frases exaltando o amor pelo Brasil.

Até aí tudo bem, afinal, o país vive um momento de muita polarização e é até reconfortante que um veículo de comunicação queira trabalhar para “uni-lo”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia mais: Felipeh Campos tira o chapéu para Bolsonaro e diz: “Eu não acredito em homofobia”

Entretanto, o teor das sentenças que ilustravam as propagandas não pagou nada bem com boa parte do público. Isso por que uma delas é considerada símbolo da ditadura militar ocorrida no Brasil.

Trata-se de “Brasil, ame-o ou deixe-o”, slogan utilizado mais precisamente durante o governo de Emílio Garrastazu Médici (1969-1974).

Leia mais: Televisa retoma parceria com a Netflix e ameaça futuro das novelas mexicanas no SBT

Público relaciona Silvio Santos a Jair Bolsonaro

Outras frases ufanistas também compõem a coletânea de vinhetas, tais como “Eu te amo, meu Brasil” e “Pra frente Brasil”. Todavia, a frase que remete à ditadura incomodou bastante a ponto de gerar polêmica política.

No Twitter e em outras redes sociais, muitas personalidades da política brasileira e civis se manifestaram sobre os comerciais exibidos no SBT.

Grande parte dos comentários ligaram Silvio Santos a Jair Bolsonaro, presidente eleito pelo PSL, já que o político fez afirmações que mostram que ele é favorável à ditadura.

Manuela D’ávilla, que foi candidata a vice-presidente pela chapa do PT, divulgou vários tuítes. Um deles:

A saber, o SBT é conhecido por apoiar os presidentes eleitos do Brasil, independente do partido. No entanto, a polêmica pode ter surgido por conta da postura de Silvio Santos durante a ditadura de 64. Nesta época, ele aprovou o programa “A Semana do Presidente” no canal.

Canal tirou do ar e admitiu equívoco

Inicialmente, a assessoria de comunicação do SBT foi procurada pelo site Notícias da TV, mas nada foi dito “por questões estratégicas”. De acordo com o mesmo portal, uma fonte que não quis se identificar revelou que a ideia do material partiu do próprio Silvio Santos.

Mas depois, após a polêmica instaurada e inúmeras críticas, o SBT resolveu se manifestar. Confira a nota enviada pela assessoria de imprensa e divulgada pelo mesmo portal:
“A vinheta com o bordão ‘Brasil, ame-o ou deixe-o’ foi retirada do ar. A emissora cometeu um equívoco de não se atentar que este bordão foi forte na época do regime militar. A ideia das vinhetas são para dar mensagem de união, esperança e otimismo aos telespectadores brasileiros e aos que não são, porém vivem no país”.

Comerciais nacionalistas bombaram na web

Não só a classe política se revoltou com as propagandas do SBT, não. Internautas de um modo geral também utilizaram as redes sociais para expressar suas opiniões a respeito.

Havia comentários favoráveis, porém, a maioria rechaçava os materiais. Veja alguns tuítes:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio