Reunião com ministro acerta o fim da TV Escola

Publicado há um ano
Por Arthur Pazin
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na tarde desta sexta-feira (10) o ministro da Educação, Abraham Weintraub, confirmou o fim da TV Escola. A informação foi divulgada pela jornalista Sônia Racy, do jornal Estadão, que recebeu a notícia do ator Carlos Vereza. A decisão de não renovar o contrato com a Associação de Comunicação Roquette Pinto já havia sido informada pelo governo em dezembro.

De acordo com a reportagem, Vereza, que apresenta o programa Plano Sequência, na emissora, foi convidado para participar da reunião, em Brasília, para acompanhar o caso. O ator, entretanto, alegou que no encontro só foram apresentados argumentos burocráticos para acabar com uma “TV de baixo custo”

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ele disse ter argumentado para a equipe do MEC que o canal não tem viés ideológico de esquerda, tendo inclusive como membro o próprio artista, que apoiou abertamente a candidatura do presidente Jair Bolsonaro.

Vereza revelou, ainda, que Weintraub prometeu ao global acabar com o sinal da televisão somente após o fim de seu programa. Faltam ainda 21 entrevistas a serem exibidas. Segundo ele, o ministro falou em economizar R$400 milhões com o fim da TV.

O veterano confessou que está triste e que teria que pensar bem se votaria de novo em Bolsonaro, já que seu governo não tem investimentos na área de Cultura. A reportagem procurou também Francisco Campera, da Acerp, que preferiu ão comentar sobre o caso, alegando ter esperança de conseguir a manutenção da TV por outras portas do governo.

Responsável pela gestão da TV Escola, desde sua fundação, em 1996, em dezembro, a Acerp emitiu uma nota alegando que surdos serão prejudicados com o fim da emissora.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio