Por onde anda Maria Zilda Bethlem, a Emma de Êta Mundo Bom!?

Atriz já fez aproximadamente 30 novelas e atua na TV Globo desde 1974

Publicado há um mês
Por Arthur Pazin
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No último dia 27, a TV Globo começou a transmitir, no Vale a Pena Ver de Novo, a reprise de Êta Mundo Bom!, novela de Walcyr Carrasco, exibida em 2016, às 18h.

A obra dirigida por Jorge Fernando substitui, na faixa vespertina, a aclamada Avenida Brasil, de João Emanuel Carneiro, e traz em seu elenco diversos nomes conhecidos da telinha, como Maria Zilda Bethlem, que vive na trama Emma Bittencourt.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A personagem é uma mulher moderna e elegante. Amiga de Anastácia (Eliane Giardini), ela abre uma boutique prêt-a-porter, uma grande novidade para época, ao lado da loja de tecidos de Severo (Tarcísio Filho), disputando clientela com ele.

Romântica, Emma sonha em se casar, enfrentando os preconceitos da época por ser uma mulher de mais idade em busca de um amor.

Com quase trinta novelas em sua carreira, além de séries, minisséries e especiais, Maria Zilda Bethlem, ou apenas Maria Zilda, como assinou por muitos anos, acumula papéis memoráveis, como Vânia Trabucco, a Belas Pernas, da primeira versão de Guerra dos Sexos (1982).

Vânia (Maria Zilda Bethlem) e Ulisses (José Mayer) em Guerra dos Sexos (Foto: Divulgação)

À frente de personagens sedutoras e irresistíveis, principalmente na faixa das 19h, a atriz também viveu Verônica, a filha do rico industrial Oliva (Walmor Chagas) em Vereda Tropical (1985), estreia de Carlos Lombardi como autor no horário.

Maria Zilda Bethlem como Verônica em Vereda Tropical (Foto: Reprodução/GNT)

Em parceria com Carlos Lombardi, Maria Zilda também atuou em outras obras do autor, como Bebê a Bordo (1988), Vira Lata (1996) e Pé na Jaca (2006).

Ângela (Maria Zilda Bethlem) e Tonhão (José de Abreu) em Bebê a Bordo (Foto: Reprodução/TV Globo)

Casada com o diretor Roberto Talma por nove anos, a atriz pôde ser vista em diversos folhetins do ex-marido, como Água Viva (1980), Coração Alado (1980), Jogo da Vida (1981), Top Model (1989), De Corpo e Alma (1992), Agora é Que São Elas (2003), A Lua Me Disse (2005) e Aquele Beijo (2011).

Roberto Talma e Maria Zilda Bethlem nos anos 80 (Foto: Divulgação)

Nos últimos anos, a atriz também foi figura recorrente nas novelas de Walcyr Carrasco, autor de Êta Mundo Bom!. Depois de viver a esposa abandonada Cíntia Alves, hostess no restaurante de Pedro (Sidney Sampaio) em Sete Pecados (2007), Maria Zilda deu vida a um de seus personagens mais lembrados pelas novas gerações: Léa Silveira Lontra, a Perua de Caras & Bocas (2009).

Na história, Léa era mãe da vilã Judith (Déborah Evelyn) e ex-mulher do ricaço Jacques (Ary Fontoura). Cansada de participar de armações e tramoias, a personagem se aventura em um romance com Cássio (Marco Pigossi), um jovem gay afeminado.

Léa (Maria Zilda Bethlem) e Cássio (Marco Pigossi) em Caras & Bocas (Foto: Reprodução/TV Globo)

Afinal, por onde anda Maria Zilda?

Após Êta Mundo Bom!, em 2016, Maria Zilda Bethlem gravou participação em episódios de duas séries brasileiras: Chuteira Preta, da Prime Box Brazil, e Pico da Neblina, da HBO, ambas em 2019.

Na mídia, a aparição mais recente da atriz foi em dezembro do ano passado, quando ela lançou, em Porto Alegre, seu primeiro livro em 45 anos de carreira. Dividido em contos, A Caçadora de amor reúne memórias, histórias da infância, adolescência, trabalho e relatos de amor da vida da atriz.

Maria Zilda Bethlem no lançamento de seu livro A Caçadora de Amor (Foto: Divulgação)

Na telinha, antes da atual reprise, Maria Zilda surgiu, em 2019, na reprise de Por Amor, na pele de Flávia, a rival da protagonista Helena (Regina Duarte) no folhetim de Manoel Carlos, que foi exibido pela segunda vez no Vale a Pena Ver de Novo.

Flávia (Maria Zilda Bethlem) em Por Amor

No Canal Viva, o público pôde rever a atriz, recentemente, na pele de Laura, no remake de Selva de Pedra (1986). Na novela, Maria Zilda substituiu Sylvia Bandeira às pressas e precisou regravar todas as cenas já feitas em apenas 2 dias. Sua personagem se tornava grande amiga de Cristiano (Tony Ramos).

Laura (Maria Zilda Bethlem) e Cristiano (Tony Ramos) em Selva de Pedra (Foto: Divulgação)
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais