Globo promove Laboratório de Narrativas Negras e Indígenas para Audiovisual

Parceria entre a Globo e a Flup seguirá por mais 11 semanas

Publicado em 18/09/2021 10:09
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Laboratório de Narrativas Negras e Indígenas para Audiovisual chega à sua quinta edição. Fruto da parceria entre a Globo e a Festa Literária das Periferias (Flup), o projeto, focado na formação de roteiristas, neste ano, passa a contemplar também vagas para indígenas.

Ao todo, foram selecionados 40 participantes, sendo 20% deles descendentes diretos de povos originários. A abertura do Laboratório foi comandada pela cineasta Graciela Guarani e pelo diretor da Globo Jeferson De na última quinta-feira (16).

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Durante 12 semanas, o Laboratório acontece de forma remota, trabalhando com os alunos conceitos básicos de narrativa, construção e desenvolvimento de personagens e tramas de diferentes gêneros, como humor e ficcionalização de fatos reais. Nomes como Paulo Lins, Carolina Kotscho, Martha Mendonça, Elisio Lopes Jr., Pedro Riguetti, Tati Bernardi, entre outros, estão entre os palestrantes, sendo Jorge Furtado e Rosane Svartman, os padrinhos da turma.

Além das aulas, uma vez por semana, os roteiristas se encontram com orientadores, como Renata Dias Gomes e Clarisse Vianna. As profissionais, que trabalham com grupos de cinco participantes, acompanharão de perto o desenvolvimento do argumento final.

“O Lanani é uma experiência inovadora, de descoberta de novos talentos e narrativas, mas também é uma das portas de entrada para a diversidade que estamos buscando na Globo. É um espaço de troca importante para nós porque, ao mesmo tempo em que desenvolvemos jovens roteiristas, nutrimos nossos criadores com diferentes visões e olhares sobre o mundo. E assim o Laboratório contribui para a construção de um mercado audiovisual mais diverso e inclusivo”, afirma Marcia Lins, Gerente de Aquisição e Desenvolvimento artístico da Globo.

Além de contribuir para a formação de novos autores, cineastas e roteiristas, o Laboratório fomenta a inserção no mercado audiovisual de novos olhares e de narrativas cada vez mais diversas, potentes, críticas e criativas.

“A brutal crise sanitária, política e econômica do país pode ter nos roubado a esperança por dias melhores, mas, qualquer que seja a ideia de futuro para o Brasil, ela obrigatoriamente implica uma ampla discussão sobre as heranças da colonização, marcada pelo genocídio do povo indígena e pela escravização do povo negro”, diz Julio Ludemir, um dos criadores da Flup, que acrescenta: “Esse genocídio se deu também no campo das narrativas artísticas, onde essas vozes têm sido silenciadas há séculos.”

As cincos edições do Laboratório tiveram números expressivos: mais de 2.000 inscrições, 150 participantes, 136 argumentos entregues, mais de 20 roteiristas contratados pela Globo e o especial de Natal Juntos a Magia Acontece, produzido a partir de um argumento construído no Laboratório, vencedor do Leão de Ouro, na categoria Entretenimento, no Festival Internacional de Criatividade de Cannes 2020/2021.

Fruto da parceria entre a Globo e Festa Literária das Periferias (Flup), o Laboratório de Narrativas Negras e Indígenas para Audiovisual acontece entre 16 de setembro e 18 de novembro, com cerimônia de encerramento prevista para o dia 25 de novembro.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio