Falas Femininas: Saiba quem são as protagonistas do especial da Globo

Fabiana Karla comanda o encontro

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Globo exibe nesta segunda-feira (08) o Falas Femininas, depois do BBB 21. E também terá transmissão no GNT, no dia 10 de março, às 23h30. Fabiana Karla fará a mediação do encontro entre cinco mulheres durante o especial do Dia Internacional da Mulher. As cinco protagonistas viveram muitas emoções desde o convite, incluindo um ensaio fotográfico.

A lavradora e sanfoneira autodidata Maria Sebastiana Torres da Silva, de 59 anos, relembrou o painel produzido com as fotos. “Quando eu voltei para casa, eu não conseguia nem dormir sem lembrar do outdoor. Parecia que estava anestesiada, eu queria ver e nem conseguia ver direito minha foto estampada ali. Até agora parece que eu ainda estou sonhando”, disse.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A diarista baiana Sebastiana do Santos Oliveira, a Tina, de 47 anos, nascida na Bahia, mas moradora de São Paulo, só acreditou quando viu a equipe em sua casa. “Até então eu não estava acreditando. Mas, quando elas chegaram e começaram a montar o equipamento, eu senti que era real e não era um sonho. E viver tudo isso foi demais, fiquei muito emocionada em vários momentos”, avalia.

Já a auxiliar de enfermagem paulistana Cristiane Sueli, 44 anos, pondera que foi uma participação inesquecível. “O Falas conseguiu me mostrar quem é a Cris de verdade, foi muito íntimo. Eu vivi todos os momentos, eu senti, eu amei. O momento mais importante, que eu senti todas nós chorando, foi a hora que a gente virou e vimos no outdoor o tamanho que nós temos. Foi muito forte me ver diva daquele jeito”, falou.

A slammer e estudante universitária, Carol Dall, de 26 anos, nascida em Bonsucesso e criada na região metropolitana do Rio, conta os momentos marcantes. “Ver minha mãe, Eliane, falar e ver como isso era importante para ela. Como foi sendo naturalizado o fato de ela não falar das dores dela e que, ali, ela teve um espaço para isso”, declarou.
 
A ambulante baiana Gleice Araújo Silva, de 29 anos, lembrou da equipe majoritariamente feminina. “Foi tão lindo chegar lá e ver só mulheres por trás das câmeras, nos bastidores. Eu agora torço para que as pessoas conheçam e gostem da minha história. Eu agora me olho e me enxergo como uma mulher guerreira, mudou minha forma de me aceitar. Eu estou em êxtase ainda”, celebra.
 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio