Esporte Espetacular mostra a solidariedade de atletas na luta contra o coronavírus

Vários esportistas estão ajudando no momento difícil

Publicado há 9 meses
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando uma doença espalha tristeza e exige distanciamento social, a solidariedade é forte aliada para encarar o desafio imposto a quem estava acostumado a torcidas apaixonadas e estádios e ginásios lotados. É o que mostra o Esporte Espetacular deste domingo (5).

Se não é possível dar alegria em campo, o caminho é ser solidário com os mais afetados pela pandemia de coronavírus. Jogadores se mobilizam para ajudar com doações, campanhas de arrecadação ou leilões de peças na internet.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O meia Phillipe Coutinho, do Bayern de Munique, da Alemanha, doou  20 toneladas de alimentos não perecíveis para duas comunidades cariocas. Já o volante Casemiro comprou seis mil máscaras para um asilo em São José dos Campos, terra natal do volante do Real Madrid, da Espanha.

Entre os atletas olímpicos, surgem exemplos mais valiosos do que uma medalha de ouro. A judoca argentina Paula Pareto, campeã na categoria até 48kg nos Jogos Rio 2016, é formada em medicina e trabalha em hospitais de seu país no combate ao covid-19.

No Brasil, o ex-jogador de basquete Marcel, campeão pan-americano de 1987, também está na linha de frente: radiologista, ele tem ido a clínicas atender gestantes e idosos.

Já o ex-nadador Marcos Macedo, de 29 anos, que também participou dos Jogos do Rio, trabalha mais de 80 horas por semana em hospitais de São Paulo. Formado em psiquiatria, trata da parte mental dos pacientes.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio