Deus Salve o Rei: Afonso sugere arrependimento por ter abdicado do trono de Montemor

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As coisas não estão nada fáceis para Afonso (Romulo Estrela), em Deus Salve o Rei, na Globo. Em conversa com Amália (Marina Ruy Barbosa), ele vai admitir que está preocupado com a guerra prestes a acontecer e lamenta ter renunciado ao trono de Montemor, já que Rodolfo (Johnny Massaro) pode causar um banho de sangue.

“Felizmente conseguimos bastante trigo e centeio… pão não nos faltará. E acho que a água também será suficiente por algum tempo”, dirá Amália. “Mas precisaremos economizar bastante. Porque depois que a guerra tiver início – e não sabemos quanto tempo ela irá durar -, não conseguiremos mais uma gota sequer. Uma guerra… Como chegamos a este ponto?!”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja também: Rodolfo decide atacar Artena depois de consultar oráculo, em Deus Salve o Rei

“Você se refere à acusação que o seu irmão sofreu por parte da…”. “Não. Eu me refiro ao momento em que abdiquei do trono de Montemor”. “O que você quer dizer com isso, meu amor?”. “Que se eu não tivesse feito tudo o que fiz… nós não estaríamos agora na iminência de uma guerra. Bem ou mal, uma coisa acabou levando a outra, e…”, explicará o galã.

“Afonso! Não é você que está começando essa guerra! Muito pelo contrário. Você tentou, mais do que ninguém, impedir que isso acontecesse. Foram a insensatez de Rodolfo e a teimosia de Catarina que nos conduziram a essa situação. A culpa não é sua!”.

“Mesmo assim… não consigo deixar de pensar que… E se eu fosse agora o rei de Montemor?”. “Mas não é! Você fez as suas escolhas, Rodolfo fez as dele. E eu fiz a minha. Não há como prever o que poderia ter acontecido caso você ainda estivesse em Montemor. Poderia haver paz agora? Talvez. Mas também poderia ter acontecido uma outra guerra, ou você é quem poderia ter sofrido um atentado… sabe-se lá. Não adianta, nós não temos como controlar o destino”.

“Então de que serve tudo o que fazemos? As decisões que tomamos, as nossas convicções?”. “Bom, eu sei do que me serviram as decisões que eu tomei para a minha vida. E é por isso que eu estou aqui ao seu lado”, conclui.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio