Danilo Gentili recebe Marcelo Tas e jurados do reality Batalha Makers Brasil no The Noite

Publicado há 2 anos
Por Greicehelen Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Danilo Gentili recebe Marcelo Tas, Rita Wu, Edgar Marcela e Ricardo Cavallini no programa The Noite desta terça-feira (23), no SBT. A turma faz parte do inédito reality Batalha Makers Brasil, que reúne participantes de diferentes idades em uma competição de DIY (Faça Você Mesmo).

Na entrevista com Gentili, o
apresentador e os jurados comentam sobre a estreia da atração no canal pago
Discovery, no próximo domingo (28). “Estamos
vivendo um momento em que qualquer pessoa pode produzir qualquer produto
”,
afirma Ricardo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O maker é um cara que resolve
problemas de um jeito original
”, explica Tas. “É uma forma de fazer qualquer coisa com muito pouco”,
completa Rita. “Existe um
preconceito com a ‘gambiarra’. Mas um protótipo normalmente é uma gambiarra
”,
defende Edgar

Estamos em um momento propício para isso. Muitos problemas e pouco recurso. Eu apresento, mas eles são três especialistas nessa cultura”, evidencia Tas, que revela algumas criações que passaram pelo programa: “de cadeira até robô, passando por pinball, roupas que reagem a som”.

Marcelo Tas relembra trajetória profissional

Sobre os novos desafios de sua
carreira, Marcelo Tas comenta sua estreia como apresentador do programa Provocações, na TV Cultura. “Desafio
gigante. Para mim vai ser uma enorme honra seguir a trilha do Abujamra. Fez
mais de 700 programas, é um ídolo para mim, um mentor
”, afirma. “É
impossível fazer o mesmo programa do Abujamra. O que vai ter é um viés das
redes sociais
”, continua.

O apresentador fala ainda
polêmicas levantadas pelo CQC e diz: “O CQC foi um alto falante. Muita gente
que não dava entrevista passou a dar. O Lula começou a dar entrevista com o CQC
cutucando ele. Para quem acha que o programa foi o responsável pela eleição do
Bolsonaro, eu fico até orgulhoso, porque faz tanto tempo que o programa
terminou
”.

E conclui: “quando vejo o
Bolsonaro nestes 100 dias, eu me identifico com ele pela época em que eu estava
no CQC. Eu queria trabalhar e meus filhos não deixavam
”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio