Covid-19 restringe fiéis a participarem de Romaria pela TV

Tradicional evento do calendário católico contará apenas com poucas pessoas em sua celebração

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Pela primeira vez, em 119 anos, a romaria de São Paulo a Aparecida não terá peregrinos. Devido à pandemia da Covid-19, os fiéis só poderão acompanhar a Missa da Peregrinação – que será realizada a portas fechadas no Santuário Nacional – pela Rede Aparecida (TV, Rádio e Portal A12).

A transmissão ao vivo acontece neste domingo (3), ao meio-dia. A mais antiga peregrinação do Estado, a 119ª Romaria da Arquidiocese de São Paulo será realizada, este ano, sem a participação dos romeiros.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, enviou carta aos bispos auxiliares, padres, diáconos, religiosos e leigos da arquidiocese pedindo que as pessoas acompanhem a celebração pelos meios de comunicação e não viajem para o Santuário Nacional de Aparecida.

No ano passado, 18 mil pessoas participaram da celebração. Os fiéis, portanto, deverão acompanhar a Missa da Romaria pela TV e Rádio Aparecida, o portal A12 e demais redes sociais.

Neste ano não será possível realizar a romaria com a participação do povo, como seria desejável e belo, e como vem acontecendo ao longo de 119 anos. Estamos em plena crise sanitária e ainda deverão ser evitadas as aglomerações que favorecem o contágio, quer na viagem, quer no Santuário”, recomendou o cardeal.

Apenas o próprio Arcebispo e os bispos auxiliares, “com algumas pouquíssimas outras pessoas”, irão ao Santuário de Aparecida representando toda a arquidiocese na celebração.

 “Rezaremos especialmente pelos pobres e os doentes, e por aqueles que cuidam deles. Pediremos a Nossa Senhora, ‘Auxílio dos Cristãos’ e ‘Saúde dos Enfermos’, que olhe por todos com carinho maternal”, disse ainda o religioso.

A missa pedirá também a intercessão da Virgem Aparecida pelo Sínodo arquidiocesano, que teve as atividades suspensas devido à pandemia, “mas que serão retomadas assim que for possível”, disse Dom Odilo, que sugere aos padres, religiosos e leigos que usem os meios virtuais para que todos se unam à distância à romaria anual e, nos quatro dias anteriores, promovam a oração do santo rosário católico e da ladainha de Nossa Senhora.

Como sinal da participação na romaria, peço que em todas as igrejas os sinos sejam tocados por três minutos, no dia 3 de maio, após a bênção final da missa. E as paróquias que o desejarem poderão organizar uma carreata, sem concentração de povo, pelas ruas, com a imagem de Nossa Senhora Aparecida, dando a bênção ao povo”, pediu.

A missa da romaria, exibida nos meios de comunicação da Rede Aparecida, será celebrada com as portas fechadas, sem público. As instalações do Santuário, incluindo a igreja principal, permanecem abertas durante a pandemia, mas sem atividades que geram aglomeração.

A Romaria

O evento anual católico da Arquidiocese de São Paulo surgiu em 1900, por iniciativa do então bispo Dom Antônio Cândido de Alvarenga, que se fez acompanhar por 1.200 romeiros.

O evento se manteve anualmente com grupos, que foram aumentando bastante, oriundos das seis regiões episcopais paulistanas. A peregrinação só é menor em público que as romarias de 12 de outubro, Dia da Padroeira do Brasil.

O hino “Viva a Mãe de Deus e Nossa”, que passou a ser utilizado pelo Santuário nas celebrações marianas, foi composto em 1905 para a romaria de São Paulo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio