Confira curiosidades de A Viagem, que está de volta no Globoplay

A trama foi produzida às pressas em 1994 e se tornou um sucesso arrebatador

Publicado em 1/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Viagem, novela das sete da Globo exibida em 1994, está de volta no Globoplay nesta segunda (2). A trama de Ivani Ribeiro é um remake de uma novela da TV Tupi, exibida em 1975, e se tornou um dos maiores sucessos da faixa das sete de todos os tempos. O folhetim arrebatou o público ao contar a história do espírito obsessor Alexandre (Guilherme Fontes) e do amor de Diná (Christiane Torloni) e Otávio Jordão (Antonio Fagundes).

A novela tem como tema central a vida após a morte, inspirada na filosofia de Allan Kardec, o codificador do espiritismo. O sucesso da trama em sua exibição original fez com que a venda de livros sobre espiritismo aumentasse em 50%, segundo dados levantados na época por livrarias.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Viagem estreou em 11 de abril de 1994 e foi produzida às pressas para o horário. Inicialmente, a novela seria produzida para o horário das seis, mas foi realocada para as sete em razão do atraso da produção que substituiria Olho no Olho, de Antonio Calmon. Vira Lata, de Carlos Lombardi, seria a novela seguinte, mas ela foi adiada e, em seguida, engavetada. Lombardi entraria na sequência de A Viagem, mas com Quatro por Quatro, que também foi produzida às pressas. Vira Lata foi produzida ainda mais adiante, em 1996.

Por conta de tantas mudanças, a equipe de A Viagem teve apenas 20 dias para colocar a novela no ar. Segundo o Memória Globo, o diretor Wolf Maya explicou que isso foi possível porque os cenários do céu e do inferno só surgiriam na trama depois do capítulo 60, dando tempo à equipe de produzir as cenas ambientadas nesses espaços.

Ainda segundo o Memória Globo, Laura Cardoso contou que as cenas em que Guiomar era obsidiada pelo espírito de Alexandre eram exaustivamente ensaiadas, para que ficassem o mais realista possível. A veterana contou que sua expressão de ódio em cena botava medo nas crianças. Já Cláudio Cavalcanti contou que recebia muitas cartas de telespectadores dizendo-se reconfortados pelas palavras do médium Dr. Alberto, seu personagem.

Com A Viagem, Wolf Maya e Ivani Ribeiro repetiram a dobradinha vitoriosa de Mulheres de Areia, exibida um ano antes do horário das seis. A trama foi o sexto remake de Ivani Ribeiro de uma novela sua para a Globo. Anteriormente, a novelista já havia emplacado Amor com Amor se Paga (de 1984, remake de Camomila e Bem-me-quer, de 1972); A Gata Comeu (de 1985, remake de A Barba Azul, de 1974); Hipertensão (de 1986, remake de Nossa Filha Gabriela, de 1971); O Sexo dos Anjos (de 1989, remake de O Terceiro Pecado, de 1968); e Mulheres de Areia (remake de novela de 1973).

Era a segunda vez que Christiane Torloni assumia uma personagem anteriormente vivida por Eva Wilma, que viveu Diná em A Viagem na Tupi em 1975. Anos antes, a atriz deu vida a Jô Penteado, protagonista de A Gata Comeu. Eva Wilma foi Jô em A Barba Azul, primeira versão da novela. Christiane ainda “herdaria” mais uma personagem da veterana, a Rebeca de Plumas & Paetês (1980), que foi resgatada por Maria Adelaide Amaral no remake de Ti-ti-ti (2010).

A Viagem foi vendida para Bolívia, Chile, Costa Rica, Equador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, República Dominicana, Rússia, Uruguai e Venezuela, entre outros países. Foi reprisada duas vezes no Vale a Pena Ver de Novo, na Globo, e outras duas vezes no Viva, sempre com sucesso.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio