Câmera Record retrata exploração infantil e a miséria de apanhadores de açaí

O programa é apresentado por Marcos Hummel e vai ao ar após Domingo Espetacular

Publicado em 31/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Câmera Record deste domingo (1), apresenta uma reportagem sobre toda a rotina do açaí, fruto que gera muita renda, mas também exploração e miséria. Da coleta das palmeiras à beira de rios e igarapés até a mesa de quem o consome, o açaí percorre um longo caminho. Muitas vezes marcado pelo trabalho degradante de adultos e crianças.

O programa mostra a relação de trabalho desigual entre catadores, produtores e atravessadores. Os atravessadores são os que mais lucram com a exploração dos ribeirinhos. Especialistas e autoridades ficam impactados com a denúncia do Câmera Record.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Durante 13 dias, os repórteres Rogério Guimarães, Daniel Mota e Michel Mendes viajaram pela Amazônia paraense para mostrar que a fruta que se popularizou no Brasil e no exterior tornou-se o novo ‘ouro negro’ da floresta, gerando emprego e renda.

Por ano, o país ainda fatura, em média, mais de 250 milhões de reais com a exportação da fruta. Hoje, em qualquer cidade brasileira é possível encontrar um lugar onde se vende açaí, mas essa riqueza esconde uma realidade de miséria, exploração e trabalho infantil.

A rotina dos apanhadores envolve escalar troncos várias vezes ao dia. São famílias inteiras agarradas em árvores. Um trabalho pesado, de muito suor e pouco dinheiro. Nem sempre existe comida na mesa.

Aos 54 anos, Lucinésia comanda uma família de 11 pessoas, mas o que ganham com a cata do fruto não dá para comprar nada além de farinha e café. “Eu ainda não consegui o almoço hoje e já tenho que pensar no jantar, pelo menos para os meus netos”, desabafa.

Esse ciclo de pobreza se repete entre os açaizeiros. Para aumentar a renda familiar, crianças e adolescentes ajudam a debulhar os frutos e colocar nos cestos. Por serem mais leves, ainda podem subir em árvores mais finas, tudo sem equipamento de proteção. E pagam um preço alto: ficam fora da escola ou têm atraso na aprendizagem.

O menino L, de 15 anos, não sabe ler e só escreve o primeiro nome, porque vive para o trabalho. “Só penso em pegar açai”, resume.

O Câmera Record vai ao ar aos domingos, às 23h15. A apresentação é de Marcos Hummel.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio