Há 37 anos estreava Cavalo Amarelo, sucesso da Band com Dercy Gonçalves

Cena de Cavalo Amarelo
Publicidade

No dia 23 de junho de 1980, estreava na Band a novela Cavalo Amarelo. Uma das novelas de maior sucesso da emissora, a história era assinada pela saudosa Ivani Ribeiro e protagonizada pela não menos saudosa Dercy Gonçalves, numa de suas poucas incursões pela teledramaturgia.

Cavalo Amelo girava em torno de Dulcinéa (Dercy Gonçalves), uma ex-vedete do teatro Mambembe. Ela vive em conflito com o milionário Salvador Maldonado (Rodolfo Mayer), o dono do prédio onde o teatro funciona, já que o lugar vive em crise e acumula contas atrasadas. Maldonado é chefe de uma grande e rica família, na qual leva todos na rédea curta. Ele é pai de Téo (Fúlvio Stefanini), que procura nunca bater de frente com o pai; de Joana (Márcia de Windsor), a esnobe filha mais velha, praticamente uma continuação do pai; Walter (Walter Prado), o preferido do pai; e Lalucha (Marta Volpiani), a mais jovem, típica rebelde contestadora dos desmandos do pai.

Téo é noivo de Maria do Carmo (Maximira Figueiredo), mas ele é verdadeiramente apaixonado mesmo por Pepita (Yoná Magalhães), sobrinha de Dulcinéa, que é a grande estrela do teatro Mambembe. Ele mantém o noivado com a primeira apenas para agradar ao pai, e faz de tudo para adiar o casamento, enquanto leva seu caso com Pepita. Já Dulcinéa também não aprova o romance da sobrinha com o filho do velho Maldonado, em razão dos constantes atritos entre as famílias. Quando o velho Maldonado morre, um segredo do passado vêm à tona. Zeca (Kito Junqueira), seu fiel empregado, é na verdade, seu filho bastardo. A descoberta gera uma grande disputa na família pela herança.

Continua depois da publicidade

Com Cavalo Amarelo, a novelista Ivani Ribeiro assinava a sua primeira novela inédita após sua saída da TV Tupi. Foi uma trama essencialmente bem-humorada, sobretudo pela presença de Dercy no elenco, que emprestou seu jeito despachado para a protagonista Dulcinéa. A personagem, aliás, era uma homenagem à artista.

Pelo clima de descontração, a história conseguiu abrir brechas para muitas participações especiais. Nomes como Hebe Camargo, Moacyr Franco, Maria Alcina, Nelson Gonçalves, Tim Maia, José Vasconcelos e Dudu França apareceram na trama no decorrer da história. Além disso, Cavalo Amarelo chamava a atenção pelos grandes nomes de seu elenco, como Jorge Dória (Barbosinha), Walda Stefânia (Jaci), Rolando Boldrin (Alberto), Etty Fraser (Elisa), Regina Dourado (Ivonete) e Ewerton de Castro (Corisco), entre outros.

A trama fez tanto sucesso que a direção da Band encomendou uma nova história protagonizada pela personagem de Dercy Gonçalves. Dulcinéa Vai à Guerra foi o nome da nova história, que estreou em dezembro de 1980 e ficou no ar até março de 1981, contabilizando pouco mais de quatro meses no ar. Entretanto, Ivani Ribeiro se recusou a escrever essa continuação, que foi escrita, inicialmente, por Sérgio Jockyman e, depois, por Jorge Andrade. Na nova história, Dulcinéa se vê às voltas com crianças abandonadas. Pepita, sua sobrinha que estava morando na Itália, voltava para ajudar a tia. Entretanto, ao contrário de Cavalo Amarelo, a continuação foi um verdadeiro fiasco.

Cavalo Amarelo foi exibida entre junho e novembro de 1980 às 19h. Foi dirigida por Henrique Martins e David José, com supervisão de Walter Avancini. Foi reprisada pela Band três vezes: em 1983, pela manhã; entre janeiro a julho de 1989, em 145 capítulos, às 16h50; e de forma compacta, de janeiro a março de 1996, em 70 capítulos, às 19h45.

Leia também:

Há 30 anos estreava Oradukapeta, infantil de Sérgio Mallandro

Veja uma cena de Dulcinéa em Cavalo Amarelo:

Publicidade
© 2021 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade