“Todo mundo quer uma prima como a Simone”, afirma Juliana Paiva sobre personagem em A Força do Querer

Publicado há 3 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Chamada de orelha por alguns críticos, Simone é fundamental para o desenvolvimento de A Força do Querer. Possivelmente se ela não existisse alguns rumos da trama escrita por Gloria Perez seriam diferentes. Juliana Paiva, intérprete da personagem falou sobre a importância da mesma, sua relação com o público da trama, e as expectativas em relação ao final do folhetim. Confira:

Leia também: Bake Off Brasil tem mais audiência, mas MasterChef repercute mais

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As pessoas ainda te chamam de Cassandra?

Ah, as pessoas lembram dos personagens. Teve muito isso com a Fatinha de Malhação, e com a Cassandra também, mas agora o pessoal está comentando muito sobre a novela atual. Todo mundo quer uma prima como a Simone, de A Força do Querer.

E como está sendo para você fazer essa personagem?

É uma novela que está tratando de temas delicados, e é uma personagem que consegue se colocar no lugar do outro por mais distante de si que seja aquela questão. A questão da prima por exemplo, ela não sabia nem o que era um transgênero, e foi buscar se orientar para ajudar a prima. No mundo de hoje, com todo mundo olhando somente para si, ter uma pessoa como essa por perto é fascinante.

Você é assim em sua vida pessoal?

Eu tento ser. Me preocupo com as pessoas que amo, que estão em meu entorno e procuro fazer a vida delas melhor sempre. A gente quer ver quem a gente ama bem, então nesse ponto eu sou bem Simone.

A Simone está sempre se preocupando com a vida dos outros no bom sentido. Como está sendo para você falar do vício em jogo envolvendo a Silvana?

Família mexe muito com a gente. Se tem uma questão dentro de casa que não está legal, a gente acaba saindo bastante mexido. O vício da Silvana (Lilia Cabral) é uma coisa muito séria por mais que sejam engraçadas as características infantis da personagem em esconder do marido. É uma coisa séria, e a filha descobre que a mãe mente, é viciada e não se enxerga como tal. Então ela faz o possível para não abandonar a mãe porque a mãe precisa dela.

Vocês estão gravando algo nesse momento em relação a isso? O que pode nos adiantar?

A gente está gravando coisas que não posso falar muito. A Silvana não reconhece o erro, ela sempre acredita que consegue parar de jogar quando quiser, e não chegou esse momento de ela chegar no fundo do poço e estar sem saída ainda. Eu acho que de repente acontecendo alguma coisa com a família, ela pode conseguir abrir o olho.

O que está preparado para a Simone?

Acho que a Gloria Perez está reservando algo para ela. As pessoas torcem muito por isso, para a Simone encontrar alguém e sair desses conflitos que não são dela. Quem sabe não aparece um boy magia no final da novela para ela?

Como é a parceria com o Humberto Martins? Vocês já tinham contracenado juntos em Totalmente Demais, não é?

A gente contracenou mais no fim da novela porque minha personagem, a Cassandra, se mudou para a casa dele. Trabalhar novamente com o Humberto é um presente, um colega de trabalho querido e muito aberto. Aqui tivemos uma construção de família, e ele é um grande parceiro de cena, escuto muito as dicas dele. Não é aquela coisa de quem está chegando escutar os mais velhos, e sim todos se escutando para que a cena cresça e a trama se desenrole de forma positiva. A questão do machismo do personagem dele é que na verdade, é ignorância. Aquela pessoa que não tem conhecimento das questões e não procura ter. Às vezes ele fala coisas que parecem machistas e que podem até soar engraçadas, mas é tudo por não ter conhecimento, é um cara prático que se preocupa só em ter uma renda para colocar dentro de casa, um cara prático, e que só enxerga o lado dele das situações.

E a sua parceria com a Carol Duarte?

Uma surpresa. O trabalho dela é incrível. É muito bom ver gente nova chegando dentro da empresa, e para mim é um orgulho e um prazer tremendo olhar no olho dela em cena, e ver aquele frescor, ainda mais por se tratar de um tema tão sério. É muita responsabilidade junta para ela. Minha preocupação com ela foi de abraçar e recebê-la. Mostrei que a parceria existe não só dentro de cena, mas que fora de cena, ela também poderia contar comigo. Estou amando trabalhar com ela.

A Simone é uma peça fundamental na transição de Ivana para Ivan, não é ?

A Simone tem papel muito importante dentro dessa trama. Talvez se ela não estivesse ali, a Ivana poderia ter saído de casa e feito uma besteira, como se suicidar. Existe um número enorme de transgêneros que se suicidam e é uma pessoa que está ali para ajudar. A primeira reação da Simone quando ela contou foi: “Quem disse que você é isso”? Depois ela explicou o que era, e fez o contraponto com o personagem do Tê (Tarso Brant), a Simone entendeu tudo o que ela sentia. A Zu (Claudia Mello) é a matriarca daquela família porque ali está todo mundo olhando para um lado. A Joyce (Maria Fernanda Cândido) olhando para si, achando que tinha uma família perfeita dentro de casa, o Ruy (Fiuk) com as questões dele, cada um olhando para um canto e ninguém viu a menina. Só quem parou para escutá-la foi a Simone, que no início achava que ela só não se dava bem com os rapazes, e depois viu que o buraco era mais embaixo porque não era uma questão superficial.

Será que a Simone termina com o Tê?

Muita gente perguntou isso até por conta da cena que eles se encontraram pela primeira vez, em que a Simone diz: “Olha que gato”. Eu achei engraçado porque na internet teve muita repercussão, mas para a personagem seria um 360 graus na cabeça dela. A Simone não tem problemas com o gênero dela nem com a sexualidade dela, e em alguns momentos do texto, a Gloria pontua que ela vai pra night e pega todo mundo, mas não sei o que está reservado para a personagem.

Você percebe que a Gloria escreve com carinho as cenas de sua personagem já que ela costura várias tramas?

A Gloria fala através da Simone muitas vezes, como algo que ela quer explicar para o público ou algo que ela acha que o público tem dúvida, e é a Simone quem tira essa dúvida. Vejo isso nitidamente. Segurando a onda de uma, conversando com outra.

A personagem acaba sendo ponte, e não tem uma história própria, mas a história com a mãe é latente que vão acontecer bombas ainda. Tiveram várias críticas na internet dizendo que a personagem não aparecia tanto. Isso te machucou de certa forma?

Não. Quando comecei a ler comentários, o pessoal pedia mais cenas, o que é natural porque anteriormente as pessoas me viram em personagens de maior destaque. O grande lance com essa personagem que eu percebi é o papel social que ela tem, e quando entendi isso pensei “Não é pouca coisa não”. As pessoas se sentem à vontade comigo. É uma personagem que está tocando tanta gente, e até estava comentando esses dias, temos olhado tanto para a gente mesmo, querendo saber das próprias questões que às vezes passamos por alguém, perguntamos se está tudo bem, a pessoa responde que está tudo bem, mas pode não estar, e isso só temos como saber sentando e conversando. É a personagem de maior papel social que eu já fiz, e a Gloria tem essa característica, de tratar de temas polêmicos que vão gerar conversa na sociedade, e por ser meu primeiro papel numa novela da Gloria, a Simone foi um grande presente.

Você tem algum fã trans?

Sim. Eu vejo nas redes sociais muita gente, gente que a família não conversa sobre isso, mas está assistindo à novela, buscando entender de alguma forma, então é um trabalho muito bonito, e estou encantada.

Qual a importância do público teen na sua carreira?

Muita importância. E o legal é que eles vão crescendo junto com a gente. Mesmo alcançando novos públicos, esse público continua me seguindo. Eu que tenho uma boa abertura com o público jovem, fico sendo uma pouco influenciadora dele. E estar ali falando sobre respeito está sendo muito bacana.

Você tem um carinho muito grande pelo Rodrigo Simas. Como é pra você ver a composição dele do Piatã na novela das 18h?

Quando comecei a preparação para a Simone, ele estava fazendo a preparação dele também. A novela está linda, e o Piatã está trazendo algo novo para a carreira dele. O Rodrigo tem quase a mesma experiência que eu: Primeiro ele fez uma novela, depois ele caiu na Malhação. E a gente cresceu muito em relação a parceria um com o outro porque fizemos Malhação depois Além do Horizonte, então torço muito por ele. O trabalho está belíssimo, e a novela vai se encerrar com chave de ouro. Dá orgulho.

Você dá alguma ideia para os looks da Simone?

Eu adoro os looks dela, e pensamos juntos em como seria. É uma garota zona-sul mas não poderia ter um guarda roupa de patricinha, todo cor-de-rosa, até mesmo para não se distanciar tanto da prima. Temos que ver que é uma menina que se cuida, mas não pode ser tão contrastante por ela ter a mesma idade da Ivana (Carol Duarte). Eu opino sim, tem um lacinho que adorei, que eu queria colocar como uma marca da Simone, e aí fizeram ele de todas as cores. O pessoal do figurino está dando um show. Das roupas dela o que costumo usar na minha vida é o shortinho alto.

Você vai querer levar alguma peça de roupa dela agora que a novela está acabando?

Alguma não, algumas (risos).

Você saiu de Cassandra, uma personagem com forte pegada no humor, como é fazer a Simone que é tão séria?

A Cassandra beirava o caricato então eu podia fazer tudo com ela porque era válido. Saí da novela e ainda fiz o Spin-Off Totalmente Sem Noção Demais, disponível na Globo Play, que teve 4 milhões de acessos, e de lá fui fazer cinema. A Simone é o meu papel mais centrado. Por mais que a Lili de Além do Horizonte, fosse mocinha, ela era mais solar por conta das aventuras. E agora preciso fazer da Simone a mais centrada, até porque dentro da casa dela é uma loucura. Aqueles pais que ela tem, se não tiver alguém que segure não dá certo (risos). É um outro lado para mim como atriz.

Totalmente Demais está fazendo muito sucesso no Sudão…

No Sudão… Nossa.  A Globo internacional tem esse alcance. Já recebi mensagens de pessoas da África, Portugal, Chile e fico muito feliz pelo nosso trabalho chegar em várias partes do mundo, o que quer dizer que as pessoas estão se identificando e podemos com isso tocar mais e mais pessoas.

*Entrevista realizada pela jornalista Núcia Ferreira

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio