Débora Olivieri sobre personagem em Novo Mundo: “Ela é uma histérica e muito macho”

Publicado há 4 anos
Por Redação
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Débora Olivieri conversou com nossa reportagem e contou detalhes de Carlota Joaquina, sua personagem em Novo Mundo.

Como sabido, a veterana substituiu Giulia Gam, que se afastou da produção por problemas de saúde.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Confira o papo:

Personagem

“Eu estou extremamente feliz de estar vivendo a Carlota Joaquina. Ela é um personagem bastante intenso. Ainda não deu para eu entrar na história do Brasil, embora eu tenha aprendido e vivido na escola. Mas aqui é diferente. Eu tenho uma maneira peculiar de trabalhar… Eu componho de fora para dentro. Então, o principal pra mim, fora o texto que é incrível, ele já dá toda a trajetória, a história da história. Eu preciso fazer a parte comportamental dela. Como ela se comporta, o tom e tudo mais. Então eu vou compondo de fora pra dentro… Enquanto isso vou lendo algumas coisas para entender um pouco mais esse conflito histórico. O texto dos autores é tão incrível, a direção de arte é fabulosa, o figurino é tão potente, que é quase a metade do personagem. É um trabalho mais do que equipe. Eu sempre preciso saber que sapato eu vou colocar e tudo mais. Parece uma futilidade, mas não é. Eu tenho que mostrar o lado dela arrogante, da postura e tudo mais. Além do sotaque, que o público precisa entender. A Carlota está nos 16 capitulos; e, eu estou mergulhada nesse projeto. Eu só penso nisso. Acordo Carlota, durmo Carlota. Coitado do meu marido (risos). Mas está muito bacana, muito especial.”

O temperamento de Carlota Joaquina e a parceria com Léo Jaime

“Ela é uma histérica, ela é muito macho, né? Pra época dela, ela era terrível. O Dom João é mais passivo, mais doce. Ela é uma histérica (sobe o tom), ela grita, ela tem um tom alto, ela é mandona. É muito legal fazer. A direção pede esse contra ponto. Então, é fascinante. Léo Jaime é um companheiro espetacular. Eu já o conhecia por trás das câmeras – eu olhando ele como o telespectador olha. Não o conhecia, nunca tinha contato com ele. Eu estou fascinada. Um companheiro incrível. Como é bom você fazer televisão com esse espirito teatral. Estou amando.”

Algo em comum com a personagem

“Eu acho que não. Não sou mandona, eu sou uma pessoa fácil, eu aceito opinião. Carlota não aceita nada. Ela que manda, ela que fala, ela que decide. Eu sou mais doce, não sou arrogante. Não tem nada. Nem a riqueza, nem o ouro (risos). Enfim.”

Novos projetos

“Tenho, sim. Eu vou casar no dia 31 de março. Que é algo bem legal. Fui pedida em casamento no casamento de minha filha. Vai ser no Rio de Janeiro o enlace. Vou estudar holandês na Holanda. Vou ficar um mês lá. Já tenho alguns planos que não posso revelar. Mas são de teatro e de cinema. Logo mais vocês vão saber. Eu conheci meu marido no Carnaval de 2014, foi através do aplicativo de relacionamentos Tinder, que eu encontrei o Ruud Dankers, que é holandês. Eu agora estou me preparando para a Carlota. Meu marido volta da Holanda dia 11 desse mês, se ele não desistir de casar comigo (risos). Ele está na Holanda. Os detalhes estão adiantados. Uma festa para os amigos, para os parentes, para celebrar o amor que a gente tem. E será no dia que a gente completa 3 anos que a gente se conheceu. Nossa história é linda. Eu adoro. E quero preservar por muitos anos. Ele é quase a noiva. Ele que escolheu, ele que me pediu em casamento, ele que escolheu o dia que vai casar, a hora, que é exatamente às 20h30, o momento que a gente se encontrou. Estou muito feliz. Eu amo trabalhar, amo fazer novela de época. Eu estou completa. Eu nunca tive um homem romântico. Eu tô igual a pinto no lixo. ”

Relação com nossa pátria

“Eu acho que a situação da nossa pátria está terrível. Os políticos afundaram o país. A gente está no fundo do poço cheio de dividas. Eu não tenho vontade de ir embora para a Holanda. Eu tenho essa possibilidade até. Mas lá, eu vejo o meu marido louco para vir pra cá. Ele queria vender o apartamento lá e morar aqui. Disse que não. Não sei o que vai ser aqui. Eu não vou abandonar o Brasil como eu abandonei São Paulo. Sou paulista… Enfim, quero viver esse momento.”

Entrevista realizada pelo jornalista André Romano

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais