Única novela inédita no ar, Amor Sem Igual vive boa fase

Novela entra em momento decisivo e vê a audiência aumentar

Publicado há 14 dias
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em meio às dificuldades impostas pela pandemia do coronavírus, a Record TV conseguiu elaborar um protocolo de segurança e finalizar Amor Sem Igual, que havia sido interrompida. A emissora concluiu as gravações dos capítulos da novela de Cristianne Fridman e retomou a exibição da produção, fazendo com que a saga de Poderosa (Day Mesquita) seja a única novela brasileira inédita no ar atualmente.

Depois da exibição de um compacto dos primeiros capítulos da novela, Amor Sem Igual retomou sua história num momento-chave. A novela vive uma fase de reviravolta, com a chegada de Angélica, a Poderosa, à casa de sua família. Procurada pelo pai, Ramiro (Juan Alba), e ameaçada de morte por seu irmão, Tobias (Thiago Rodrigues), a prostituta se embrenha num ninho de cobras em busca da desforra.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ou seja, Amor Sem Igual vive um momento de alta voltagem. Soma-se a isso o fato de ser a única novela inédita em exibição. Há todo um contexto a favor da obra, que mostra um fôlego interessante. O folhetim registra curva ascendente de audiência.

Amor Sem Igual mostrou-se, desde o início, uma novela capaz de recuperar algum prestígio das tramas contemporâneas da Record TV. Depois de Topíssima, que teve um desempenho mediano, a nova história chegou trazendo alguma novidade ao atual departamento de dramaturgia da emissora. Em meio a tramas bíblicas, uma novela que tem uma prostituta como mocinha soa até como ousadia.

Embora aborde o assunto quase num tom de comédia romântica, ainda assim Amor Sem Igual consegue alcançar um lugar que as novelas da emissora não vinham alcançando há muito tempo. A trama remete à fase de ouro da Record TV, que já produziu folhetins acima da média, como Vidas Opostas, Cidadão Brasileiro e Chamas da Vida.

Infelizmente, Cristianne Fridman é a última remanescente dentre os novelistas desta fase áurea da emissora. E a autora trabalha sem descanso, emplacando novelas seguidas há alguns anos, circulando entre tramas bíblicas e não-bíblicas. Renovar seu banco de autores é a grande urgência para que a dramaturgia da Record volte a ser relevante. Deviam aproveitar a boa fase de Amor Sem Igual para dar o gás necessário no setor.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio