Sem confronto, Mestre do Sabor tem final apática

O programa da Globo não teve grandes momentos de conflito

Publicado há 12 dias
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mestre do Sabor não foge à regra de qualquer reality/talent show culinário. Assim como seus similares, o programa da Globo também narra a saga de chefs em busca do “prato perfeito”, buscando criar e se aperfeiçoar na cozinha. Não faltam ingredientes frescos e pratos vistosos, que fazem a alegria do espectador (e do anunciante).

Além disso, é louvável que Mestre do Sabor, por ter estreado bem depois que seus concorrentes, busque uma identidade própria. O fato de a atração ter jurados que são, também, técnicos que formam times, já traz uma dinâmica nova, que o coloca num outro lugar.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Porém, se Mestre do Sabor tem os ingredientes mais básicos, e um diferencial que realmente lhe imprime personalidade, qual será o motivo de a atração não empolgar? Apesar da audiência respeitável, o programa da Globo não mexe com o público. Não se vê grande repercussão, nem uma torcida engajada. É uma competição que apenas passa.

O motivo de tanta apatia deve estar, justamente, nesta tentativa de desvencilhar Mestre do Sabor de seus concorrentes. Como MasterChef, Top Chef e cia são bastante dependentes do confronto, seja entre jurados ou entre participantes, o programa da Globo o evita. Provavelmente, a ideia é ser menos “combativo”, valorizando a competição na cozinha, e não fora dela.

Com isso, o programa acaba ficando na superfície. Como não há o embate de jurados e participantes, e nem mesmo entre os participantes, Mestre do Sabor não apresenta grandes conflitos. E, sem conflitos, não se definem “mocinhos” ou “vilões”. Com isso, a narrativa não emula um folhetim, que é o segredo de um reality show de sucesso.

Para quem gosta de cozinha, Mestre do Sabor é interessante. Mas para quem gosta de uma boa contenda, o programa fica devendo. A vitória de Dário Costa, cuja trajetória foi bem menos marcante que sua passagem pelo MasterChef Profissionais (em 2016), deixa isso bem claro.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais