Reprise atesta: Caminhos do Coração foi uma boa ideia que se perdeu

Publicado há 9 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Caminhos do Coração foi um grande sucesso da Record TV em 2007. A trama de Tiago Santiago chamou a atenção pela trama inusitada, que mesclava thriller policial e seres mutantes. A ousadia da proposta levou a teledramaturgia da emissora a outro patamar e surpreendeu. No entanto, o autor se perdeu na fórmula, como é possível constatar na atual reprise das tardes do canal. Animado com o sucesso das criaturas, Santiago aumentou o espaço delas na trama e traiu sua ideia original, fazendo a história se perder.

Inicialmente, Caminhos do Coração era focado nos mistérios da Clínica Progênese, de propriedade do cientista Sócrates Mayer (Walmor Chagas). Ali, a doutora Julia Zaccarias (Ittala Nandi) esteve à frente da criação de seres humanos mutantes, dotados de poderes especiais. Quando Sócrates é misteriosamente assassinado e as crianças mutantes passam a ser perseguidas, é instalado o mistério. Quem está por trás dos crimes da Progênese e quais os interesses do vilão oculto?

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Entretanto, o autor e a emissora constataram que as cenas das crianças e adolescentes mutantes mostrando seus poderes empolgavam a audiência. Com isso, trataram de aumentar a presença das criaturas. Tanto que, no início, as experiências da Progênese eram recentes: Maria (Bianca Rinaldi) teria sido a primeira mutante criada, há 30 anos, e as demais criaturas seriam jovens. Mas isso foi esquecido e foi criada uma ilha, onde há mutantes de todos os tipos. Alguns nem humanos são, como o antológico Sapo Bufo Gigante (do meme “que sapão!”). Além disso, a mutação passou a ser um vírus contagioso, e pessoas comuns foram sendo transformadas. Chegou um momento em que quase todos os personagens eram mutantes.

Crescimento desordenado de mutantes

Lambuzando-se cada vez mais na mitologia que criou, Tiago Santiago foi além. A história policial foi praticamente esquecida, enquanto novos elementos fantásticos foram inseridos. Julia, que era uma cientista, se revelou uma alienígena. Além de mutantes, Caminhos do Coração foi tomado por povos extraterrestres e até por uma população que vive embaixo da Terra, os “homens-formiga”. Virou o samba do mutante doido.

Com tantas reviravoltas, chegou um momento em que Caminhos do Coração (e suas sequências, Os Mutantes e Promessas de Amor) se esqueceu totalmente de seu fio condutor. Os capítulos se resumiam-se a batalhas intermináveis entre os “mutantes do bem” e os “mutantes do mal”. Assim, naturalmente, a audiência foi perdendo o interesse. Os números despencaram.

É bem possível que, se tivesse mantido sua ideia original, Caminhos do Coração teria sido uma boa novela. Uma trama fantasiosa, mas coerente com o universo fantástico que Tiago Santiago criou. Seu erro foi dispersar e prolongar a novela além de sua capacidade.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais