Amor de Mãe acerta ao escalar atrizes pouco vistas em novelas

Publicado há 9 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Um dos grandes acertos de Amor de Mãe é o seu elenco repleto de estrelas. A novela das nove da Globo reúne um time de grandes atores, que imprimem mais veracidade ao texto de Manuela Dias. Além disso, a produção conta com a grata surpresa de ter, em seu elenco, atrizes que não costumam aparecer em novelas com muita regularidade. Arieta Corrêa, Débora Lamm e Clarissa Pinheiro são algumas destas boas profissionais que, agora, ganham a chance de aparecer ao grande público.

Arieta Corrêa é uma atriz reconhecida no teatro e no cinema. Porém, na televisão, sua presença sempre foi tímida. Depois de Chiquita, a empregada do Senador Caxias (Carlos Vereza) em O Rei do Gado (1996), a atriz apareceu mais em participações. Mas, em Amor de Mãe, ela tem a chance de retornar com um personagem fixo e marcante. Sua Leila, que acabou de sair de um coma, emociona ao mesmo tempo em que desperta o ódio, em razão das armações que faz para ficar com Magno (Juliano Cazarré).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Menos bissexta, mas figura rara em novelas, é Débora Lamm. A atriz, conhecida por tipos cômicos, esteve em muitos humorísticos nos últimos anos. Agora, ela retorna ao horário nobre em grande estilo. Miranda começa a ganhar mais espaço em Amor de Mãe, neste momento em que descobriu uma traição e quer pagar com a mesma moeda. Talentosa e naturalmente engraçada, ela imprime leveza à produção caracterizada pelo drama intenso.

Estreia em Amor de Mãe

Quem também tem chamado a atenção nos últimos capítulos de Amor de Mãe é Clarissa Pinheiro. Sua personagem, a empregada doméstica Penha, tem se tornado figura-chave em várias tramas da novela, já que circula por muitos núcleos e tem conexão com vários personagens. A atriz, ótima no papel, emplaca em Amor de Mãe o seu terceiro trabalho na Globo. Antes, ela esteve em Justiça (2016) e Onde Nascem os Fortes (2018), sempre com o diretor José Luiz Villamarim, também à frente de Amor de Mãe.

Num segmento como o das telenovelas, onde a repetição de elenco é constante, é sempre interessante quando uma produção abre espaço para rostos dos quais o público está menos habituado. Assim, dá chance a profissionais experientes, mas pouco requisitados, e dá um frescor ao audiovisual brasileiro.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais