Repórter da Globo atacada por Bolsonaro é alvo de fake news grosseira no WhatsApp

Presidente se irritou com pergunta de Laurene Santos, jornalista da TV Vanguarda, e a mandou calar a boca

Publicado em 22/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Após ser atacada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a repórter Laurene Santos, da TV Vanguarda (afiliada da Globo no interior de São Paulo), denunciou estar sendo vítima de calúnia e difamação no WhatsApp. Uma foto da jornalista sem máscara tem sido compartilhada com frequência no aplicativo, acompanhada de uma imagem dizendo que foi registrada na última segunda-feira (21). A informação é mentirosa.

Em suas redes sociais, Laurene precisou esclarecer quando posou sem máscara para desmentir o que está sendo encaminhado pelo WhatsApp: “Esta foto está sendo compartilhada nas redes sociais com uma informação falsa. O registro foi feito antes da pandemia, na cidade de Aparecida. Aproveito para reiterar meu respeito às inúmeras manifestações de apoio”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A mentira é tão grosseira que a pessoa que a criou não se atentou ao fato de que, ao entrevistar Bolsonaro, a jornalista utilizava uma camisa branca, enquanto na imagem compartilhada no WhatsApp a roupa da profissional é preta.

A foto vem acompanhada de uma mensagem chamando a Globo de “hipócrita” por incentivar o uso de máscaras de proteção contra o coronavírus e não utilizá-las. Esta é uma estratégia típica de bolsonaristas que tentam “caçar” contradições e falsas hipocrisias em quem eles julgam ser opositores do presidente.

Laurene Santos foi atacada por Bolsonaro durante cerimônia de formatura de 281 novos sargentos da Escola de Especialistas de Aeronáutica, em Guaratinguetá, no Vale do Paraíba. A jornalista questionou o fato dele ter chegado ao local sem máscara, e o presidente subiu a voz.

“Hoje o senhor chegou sem máscara”, insistiu a repórter. “Olha, eu chego como quiser, onde eu quiser, tá certo? Eu cuido da minha vida”, rebateu o presidente. “Parem de tocar no assunto“, pediu Bolsonaro, que na sequência tirou a máscara.

“Você quer botar [na reportagem que estou sem máscara], me bota. Vai botar agora: eu estou sem máscara em Guaratinguetá. Está feliz agora? Você está feliz agora? Essa Globo é uma m… de imprensa. Vocês são uma porcaria de imprensa”, declarou.

A jornalista tentou argumentar, e Bolsonaro disparou: “Cala a boca! Vocês são uns canalhas, vocês fazem um jornalismo canalha, que não ajuda em nada. Vocês não ajudam em nada. Vocês destroem a família brasileira, destroem a religião brasileira, vocês não prestam”.

“A Rede Globo não presta, é um péssimo órgão de informação. Se você não assiste à Globo, você não tem informação. Se assistir está desinformado. Você tinha que ter vergonha na cara em se prestar um serviço porco, que é isso que você faz na Rede Globo”, finalizou.

A Globo repudiou o ataque de Bolsonaro contra a jornalista com uma nota lida nos principais telejornais da emissora e do canal pago GloboNews.

Confira a íntegra da nota de repúdio da Globo

O presidente Jair Bolsonaro falou hoje sobre marca de 500 mil mortos por COVID no Brasil alcançada no sábado. Foi em viagem a Guaratinguetá, interior de São Paulo, durante conversa com jornalistas que o questionaram se gostaria de dizer alguma palavra sobre as mortes.

Bolsonaro disse que lamenta todos os óbitos e em seguida voltou a defender o uso de medicamentos ineficazes contra a COVID. Na mesma entrevista, o presidente destratou a repórter Laurene Santos, da TV Vanguarda, afiliada da Globo.

Laurene perguntou por que ele tinha chegado à cidade sem máscara mesmo tendo sido multado recentemente em São Paulo por não usar a proteção. Bolsonaro disse “eu chego como eu quiser, onde eu quiser, eu cuido da minha vida”.

Em seguida, tirou novamente a máscara. A repórter tentou explicar que o uso da máscara é exigência de lei. Mas o presidente mandou a repórter calar a boca e insultou a Globo com palavrões.

A Globo e a TV Vanguarda repudiam o tratamento dado pelo presidente à repórter Laurene Santos, que cumpria apenas o seu dever profissional. Não será com gritos nem intolerância que o presidente impedirá ou inibirá o trabalho da imprensa no Brasil. Esta, ao contrário dele, seguirá cumprindo o seu papel com serenidade. À Laurene Santos, a irrestrita solidariedade da Globo e da TV Vanguarda.

Siga o colunista no Twitter e no Instagram.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio