Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Crítica de TV

Com Caldeirola, Marcos Mion imprime sua marca no Caldeirão

O show de calouros anárquico é a cara do novo apresentador do programa

Publicado em 02/04/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

No último sábado (26), quase como quem não quer nada, a Globo acrescentou um “com Mion” na logo do Caldeirão. Ou seja, o programa passa a se chamar, oficialmente, Caldeirão com Mion. E a efetivação do novo apresentador da atração das tardes de sábado acontece justamente junto à estreia de Caldeirola, o novo quadro do programa. A novidade imprimiu de vez a marca do novo apresentador à atração.

Desde que estreou à frente do Caldeirão, Marcos Mion teve no quadro Isso a Globo Mostra seu momento mais “autoral” nesta nova função. Analisar vídeos de maneira irreverente foi o que consagrou Mion como apresentador na antiga MTV Brasil, e o artista levou esta ideia para todos os canais e programas que apresentou desde então.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Mas, com o Caldeirola, o Caldeirão com Mion vira, definitivamente, o programa de Marcos Mion. O quadro não é nada novo: trata-se de uma releitura do bom e velho show de calouros. Durante a atração, Mion recebe calouros nas mais diversas áreas, que são avaliados por um júri formado por Juliana Paes, Robson Nunes, Otávio Müller e Nany People. Jurados, aliás, muito bem escolhidos.

Mas tudo o que cerca o Caldeirola é que dá o tom de Mion ao quadro. O “show de calouros” tem uma pegada anárquica e pop ao mesmo tempo, mesclando personagens inusitados (como o ‘Globolinha’, o Panda e o Extintor) com elementos cartunescos, vistos em acessórios e nos microfones dos jurados. É algo como uma bagunça organizada, que remete aos tempos de Chacrinha e funciona muito bem nas tardes de sábado.

Ou seja, Caldeirola transforma um quadro de calouros, que é tão tradicional, numa farra inusitada, onde nada parece fazer sentido, mas, ao mesmo tempo, tem tudo a ver com o espírito do apresentador. A ambientação, então, é uma espécie de “universo do Mion”. Deste modo, Marcos Mion exerce sua porção animador à vontade, se divertindo em cena com seus calouros, seu elenco e sua plateia. Como já dito aqui numa análise anterior, Marcos Mion resgata o “auditório raiz” em seu programa.

Caldeirão com Mion, assim, vai se aperfeiçoando e se moldando ao apresentador, tornando-se uma excelente opção para as tardes de sábado. Num momento de grandes transformações ao qual a Globo passa, o Caldeirão se destaca como um grande acerto.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Confira outros conteúdos da coluna e do colunista ou entre em contato

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....