Crítica

The Last of Us, da HBO Max, inicia sua primeira temporada, instalando uma atmosfera tensa

Produção pós-apocalíptica trata o medo no coração dos homens

Publicado em 17/01/2023

Finalmente veremos muitos fãs podendo respirar tranquilamente, uma vez que foi iniciada a trajetória de Joel e Ellie, a dupla protagonista de um dos jogos de vídeo game mais elogiados da última década, no caso, The Last of Us.

Tiramos ambos do mundo eletrônico e os jogamos em uma aventura pós-apocalíptica live-action, onde testemunharemos monstros de todo tipo, sendo o pior deles: o próprio homem.

The Last of Us, segue Joel (Pedro Pascal), um contrabandista encarregado de escoltar a adolescente Ellie (Bella Ramsey) através de um Estados Unidos devastado pela pandemia de fungos, que aniquilou grande parte da população.

The Last of Us 1
The Last of Us

Clima tenso

O episódio piloto ‘Quando Estiver Perdido na Escuridão’, divide-se em duas partes. Primeiramente, encontramo-nos em 2003, onde observamos o trio Joel, Tommy (Gabriel Luna) e Sarah (Nico Parker), morando de baixo do mesmo teto. Eles vivem em Austin, no estado do Texas, onde tudo parece como um dia normal na cidade, porém, tudo está prestes a mudar de modo apocalíptico.

Se pudermos fazer um elogio inicial marcante dessa narrativa que apenas deu os primeiros passos, seria afirmar que conseguiram instalar de maneira urgente, toda esta virada que aconteceu em um único dia. A aura solar de um dia como qualquer outro, transformando-se em uma noite nunca vista ou mesmo imaginada, onde pessoas mutam em uma nova forma agressiva, sedentas por sangue.

The Last of Us 2
The Last of Us

Homens tomados pelo medo

Um dos tantos elogios feitos ao jogo de vídeo game, na época do lançamento, dizia a respeito da complexidade temática envolvida nesta cruzada de vida ou morte da dupla Joel e Ellie. Ele passou por um trauma inigualável, que o fez carregar um sentimento de tristeza e uma raiva feroz por 20 anos, enquanto ela nunca soube o que é ter alguém próximo, também instalando um bocado de angústia e irritação em seu coração.

Tanto Joel, quanto Ellie, são o resultado parcial das coisas que foram perdidas durante a vida, cada uma de sua forma. Em consequência, analisamos duas identidades que vivem pelo medo de deixar qualquer coisa ou o outro chegar perto.

Imagina-se que a série da HBO Max, irá focar nestas duas forças sobreviventes, buscando alguma redenção em sua própria resiliência, que os manteve vivos quando tudo mais pereceu, em um mundo tomado por homens que se deixaram levar pelo medo, transformando-os nos monstros mais perigosos, dentro e fora das cercas.

© 2024 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade