Relembre curiosidades de Sassaricando, que está de volta no Globoplay

Novela de 1987 foi escrita por Silvio de Abreu e dirigida por Cecil Thiré

Publicado em 5/23/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Globoplay disponibiliza nesta segunda-feira (24) a novela Sassaricando. Clássico de Silvio de Abreu, a comédia de 1987 marcou o horário das sete ao repetir a fórmula consagrada pelo autor em Guerra dos Sexos, misturando comédia rasgada e grandes atores em personagens diferentes do habitual.

Ao colocar Fernanda Montenegro e Paulo Autran, dois “medalhões” do teatro nacional, numa inusitada guerra de comida em Guerra dos Sexos (1983), Silvio de Abreu teve a ideia de colocá-los como protagonistas em suas tramas seguintes. Assim, Fernanda Montenegro estrelou Cambalacho (1986), enquanto Autran encabeçou Sassaricando, vivendo o “sassariqueiro” Aparício Varela.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista ao Memória Globo, Silvio de Abreu revelou que a ideia da trama partiu do título. “Nós estávamos na casa do Daniel Filho e ele falou assim: ‘Tem um título ótimo para uma novela, que ninguém nunca fez: Sassaricando!’ Eu falei: ‘Ah, eu quero fazer’. Aí eu fiz a novela usando o núcleo de três mulheres: a Irene Ravache [Leonora], a Eva Wilma [Penélope] e a Tônia Carrero [Rebeca], que se encontram num spa e as histórias se entrelaçam. As três acabam querendo o Paulo Autran. Era também uma grande comédia”, revelou o novelista.

Para criar a trama de Aparício com suas três mulheres, o autor se inspirou no filme Como Agarrar um Milionário, de 1953, com Lauren Bacall, Marylin Monroe e Betty Grable, dirigido por Jean Negulesco. A personagem de Eva Wilma, Penélope, era uma homenagem a ela mesma, que viveu uma personagem de mesmo nome no seriado As Confissões de Penélope, de 1969, pela TV Tupi.

Apesar de centrada no personagem de Autran, vários tipos cômicos roubaram a cena em Sassaricando, como Fedora Abdala (Cristina Pereira) e, principalmente, Tancinha (Claudia Raia). A engraçada feirante que falava errado tornou-se a grande atração da trama ao se ver “divididinha” entre Apolo (Alexandre Frota) e Beto (Marcos Frota).

Para dar vida a Tancinha, Claudia Raia fez aula de prosódia. Ela mesma inventava palavras para a personagem, e precisava manter o erro até o fim. Por exemplo, Tancinha dizia “parteleira”, e não “prateleira”, e precisava repetir a palavra com o mesmo erro até o fim da trama. A personagem foi um “divisor de águas” na carreira da atriz, que se tornou, inclusive, grande parceira de Silvio de Abreu em trabalhos seguintes.

O ator Cecil Thiré foi o diretor-geral de Sassaricando. A equipe de diretores contou ainda com Lucas Bueno e Miguel Falabella, em sua única experiência como diretor de novelas. No livro Autores – Histórias da Teledramaturgia, Falabella contou que dirigir Sassaricando foi uma experiência “traumática”.

Não foi uma experiência muito agradável, por isso não repeti. A novela era bárbara, o texto do Silvio, delicioso e ágil. Mas tanto Paulo Autran quanto Tônia Carrero eram pessoas difíceis. E eu estava começando, sem experiência”, revelou. Falabella acabou deixando a trama antes do fim e nunca mais voltou a dirigir novelas.

Sassaricando ganhou uma nova versão em 2016, a novela Haja Coração. Daniel Ortiz escreveu sua comédia romântica inspirada no texto original de Abreu, mas colocou como tema central o triângulo amoroso formado pela feirante Tancinha (Mariana Ximenes), o caminhoneiro Apolo (Malvino Salvador) e o publicitário Beto Velázquez (João Baldasserini).

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio