O Dono do Mundo chegava ao fim há 26 anos

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia 03 de janeiro de 1992, a Globo exibia o último capítulo de O Dono do Mundo. A trama de Gilberto Braga, com direção de Dennis Carvalho, demorou a conquistar o público, mas conseguiu se recuperar ao longo de sua trajetória.

O Dono do Mundo girava em torno de Felipe Barreto (Antonio Fagundes), um cirurgião plástico bastante conceituado, mas tremendamente mau-caráter e arrogante. Ele é casado com Stela (Glória Pires). Quando ele conhece Márcia (Malu Mader), noiva de seu funcionário Walter (Tadeu Aguiar), aposta com o amigo Júlio (Daniel Dantas) que irá tirar a sua virgindade antes do futuro marido. Assim, ele oferece uma lua-de-mel ao casal no Canadá, arma para que Walter tenha que se afastar e seduz Márcia, conseguindo cumprir seu objetivo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A partir daí, a vida de Márcia desmorona: Walter, ao descobrir a traição, comete o suicídio. Márcia, consequentemente, passa a sofrer inúmeras dificuldades, até ser expulsa de casa pela própria família. Começa então a se dedicar somente à vingança contra o médico. Ela é auxiliada pela cafetina de luxo Olga Portela (Fernanda Montenegro), que a ajuda a chegar aos poderosos e consegue colocar Felipe na cadeia. Mas Márcia se vê apaixonada pelo bandido, que ensaia uma redenção ao longo da trama. Pura fachada: no final da história, é revelado que Felipe nunca mudou.

O Dono do Mundo foi uma novela de trajetória conturbada. Inicialmente, o público não embarcou na trama proposta por Gilberto Braga. Em entrevistas, Braga admitiu que errou na concepção original da novela, pois percebeu que o público não condenava a atitude de Felipe Barreto, já que acreditava que ele havia cumprido seu “papel de homem”; e que Márcia foi leviana por haver cedido aos galanteios do vilão. Assim, a mocinha foi rejeitada. Soma-se a isso a concorrência com Carrossel (na verdade, as duas tramas concorriam apenas por alguns minutos) e Rosa Selvagem, sucessos mexicanos da programação do SBT.

Em razão da rejeição à Márcia, O Dono do Mundo passou por algumas reformulações. Segundo o site Teledramaturgia, uma das primeiras alterações inseridas pelo autor para que o público ficasse do lado de Márcia foi a cena em que ela agride Felipe com um bisturi e vai parar na cadeia. É que o charme do Felipe de Antônio Fagundes e a degradação dos princípios morais faziam com que os espectadores não se indignassem com as suas armações, o que comprometia a espinha da trama, a vingança de Márcia. Convidado a colaborar na reformulação da história, Silvio de Abreu deu maior agilidade à ação e promoveu mudanças no perfil de alguns personagens, fazendo com que, aos poucos, a novela recuperasse o público.

O Dono do Mundo marcou a estreia de Paulo Gorgulho e Ângelo Antônio, que vinham da Manchete, e das veteranas atrizes Ana Rosa e Odete Lara. Também foi a novela de estreia de Letícia Sabatella, que vivia a prostituta Taís. Seu romance com Beija-Flor (Ângelo) foi muito querido pelo público e “saltou” para a vida real: Letícia e Ângelo Antônio foram casados por muitos anos. A escritora e roteirista de TV Fernanda Young também atuou em O Dono do Mundo em um pequeno papel, Jurema, empregada da casa de Stela.

O Dono do Mundo tem uma das aberturas mais lembradas pelos noveleiros. A vinheta elaborada por Hans Donner trazia sobreposição de imagens de mulheres sensuais sobre um globo na famosa sequência do filme O Grande Ditador, de Charles Chaplin (1940), em que seu personagem emulava Hitler. No entanto, não foi fácil conseguir os direitos sobre as cenas do clássico de Chaplin, e Hans Donner chegou a gravar uma abertura alternativa, trazendo o modelo Beto Simas repetindo as ações do filme. Mas os direitos foram cedidos, e as imagens originais do filme puderam ser usadas.

Com 197 capítulos, O Dono do Mundo é considerada parte de uma “trilogia” de Gilberto Braga com tramas que discutiam a ética e a moral do brasileiro. Vale Tudo e Pátria Minha são as outras tramas. Foi escrita por Gilberto Braga, Leonor Basséres, Sérgio Marques, Ângela Carneiro e Ricardo Linhares, e teve direção de Dennis Carvalho, Ricardo Waddington, Mauro Mendonça Filho e Ivan Zettel. Foi reapresentada pelo canal Viva em 2014.

Leia também:

Esquenta! estreava há sete anos

Relembre a abertura de O Dono do Mundo:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio