SBT: algumas séries que marcaram a trajetória da emissora

Publicidade

Nesses 37 anos no ar, completados no último domingo, o SBT sempre exibiu sucessos da TV internacional. Séries filmadas e desenhos animados compuseram desde o início a grade do canal. Vamos relembrar algumas das séries, entre engraçadas e sérias, que marcaram o público da emissora.

O Super-Herói Americano

Ralph Hinkley (William Katt) ganhou de presente de extraterrestres um uniforme que lhe confere poderes semelhantes aos do Super-Homem. Claro, guardadas as devidas proporções. Só que Ralph perdeu o manual de instruções do uniforme, e não consegue controlar os poderes que ele confere. Ao voar, geralmente as aterrissagens não dão em boa coisa. Grande sucesso nos anos 1980, seu tema de abertura (“Believe It Or Not”) toca até hoje em algumas FMs.

Continua depois da publicidade

Super-Herói Americano vai ganhar remake com protagonista feminina

Esquadrão Classe A

Desertores da guerra e acusados de um crime que não cometeram. Os quatro personagens principais, liderados pelo veterano Hannibal (George Peppard), eram obrigados a viver clandestinamente e trabalhar como mercenários, soldados da fortuna (título em Portugal) em busca de pagamento por seus serviços. Os outros integrantes do Esquadrão eram o truculento B. A. Baracus (Mr. T), o atrapalhado Murdoch (Dwight Schultz) e o galã do grupo, Cara-de-pau (Dirk Benedict). No começo dos anos 1990 também foi exibida pela Globo.

O Homem que Veio do Céu

Essa série de grande sucesso nos anos 1980 foi estrelada por Michael Landon, àquela altura já conhecido do público em virtude de sua atuação nas séries Bonanza e Os Pioneiros. Seu personagem era Jonathan Smith, um homem transformado por Deus num anjo. Assim, ele voltava à Terra para ajudar as pessoas com seus problemas. Nos episódios do drama espiritual Landon tinha a companhia de Mark (Victor French), um ex-policial.

Miami Vice

Em Miami, os policiais Sonny (Don Johnson) e Rico (Phillip Michael Thomas) combatiam o tráfico de drogas e as muitas ramificações da corrupção. Símbolo pop da década, e com diversas participações especiais, inclusive de ídolos da música como Frank Zappa, Miles David e Phil Collins. Após o grande sucesso no SBT, a série foi adquirida pela Globo, analogamente ao ocorrido com Esquadrão Classe A. Anteriormente, a série fora disputada pelas duas emissoras, e Silvio Santos venceu.

Punky, a Levada da Breca

Quando inédita, a série era exibida no início da noite, e em suas reprises consagrou-se na faixa do almoço. Punky (Soleil Moonfrye) havia sido abandonada pela mãe num supermercado, e acabou indo morar com o rabugento e solitário Arthur Bicudo (George Gaynes). A doçura da menina preenche o vazio afetivo da vida de Arthur. O nome original da série é o da personagem, Punky Brewster, adaptado para Baker na dublagem, bem como os nomes ou sobrenomes de outros personagens.

Relembre as canções de séries americanas do SBT que marcaram a sua vida

Dra. Quinn – A Mulher que Cura

Protagonizada por Jane Seymour, a série se passava no século 19, em pleno Velho Oeste. Egressa de Boston, a Dra. Michaela Quinn despertava a desconfiança e enfrentava as manifestações de preconceito destinadas a mulheres solteiras, como ela. Após boa audiência em exibições semanais, chegou a ir ao ar diariamente, como uma novela, no horário nobre.

Oz’ – A Vida É Uma Prisão

Em 2000, esta densa e ousada série produzida pela HBO estreou nas noites do SBT. Os episódios narravam o cotidiano dos internos da penitenciária Oswald, apelidada de Oz’. As disputas de facções, os abusos sexuais e as grandes modificações operadas na vida dos presos, especialmente em relação a seus entes queridos que estavam do lado de fora, rendiam bons conflitos. Embora o tom fosse pesado, as tramas convidavam o espectador a uma reflexão acerca do que podemos tomar por humanidade e justiça.

Um Maluco no Pedaço

Um Maluco no Pedaço agora é exibido no Comedy Central (Divulgação)

Will (Will Smith) deixa a Filadélfia, onde vive com a mãe, e vai morar com os tios ricos em Bel-Air, região rica de Los Angeles. Lá, os conflitos naturais da condição de milionários de seus parentes e a dele, pobre e descompromissado, originam situações dramáticas e cômicas. A estreia no SBT ocorreu em 2000, e a série já era sucesso na TV paga, exibida pela Warner. Ainda, vale lembrar que Um Maluco no Pedaço contribuiu para mostrar uma família negra e muito rica como algo normal, aceitável e sem que essa riqueza fosse fruto de qualquer atividade ilegal ou negativa. O tio de Will, Philip (James Avery), era um respeitado jurista, enquanto a tia Vivian (Janet Hubert-Whitten nas duas primeiras temporadas e Daphne Maxwell-Reid nas outras três) era professora.

Eu, a Patroa e as Crianças

Os episódios dessa comédia giram em torno das confusões da família Kyle. Michael (Damon Wayans) é casado com Jay (Tisha Campbell). Eles têm três filhos: Júnior (George O. Gore II), cuja cabeça origina bullying da parte do próprio pai; Claire (Jennifer Nicole Freeman; na primeira temporada, Jazz Raycole), típica adolescente, bonita e preocupada com o que pensam dela; e Kady (Parker McKenna Posey), a caçula muito inteligente. Quer no horário do almoço, quer no começo da noite, a série tinha público fiel.

Smallville – As Aventuras do Superboy

A série conta a juventude de Clark Kent (Tom Welling), em Smallville (ou Pequenópolis, na tradução), antes da fase que os filmes retratam bem – com ele em Metrópolis, trabalhando como repórter do Planeta Diário. Foi exibida tanto semanal quanto diariamente, mas o auge de seu sucesso foi aos domingos, concorrendo com o Esporte Espetacular da Globo. O SBT exibiu a série toda (10 temporadas). No entanto, nos últimos tempos seu horário já era na faixa Tele Seriados, de madrugada.

Sobrenatural

Exibida desde 2006 pelo SBT, Sobrenatural tem como protagonistas os irmãos Winchester. Dean (Jensen Ackles) e Sam (Jared Padalecki) ficaram órfãos de mãe em virtude de ataques de forças malignas. O pai jamais deixou de procurá-la, mas quando ele desaparece Dean e Sam se reaproximam e devem lidar com suas diferenças e mágoas para desvendarem o mistério.

Dois Homens e Meio

Jon Cryer e Charlie Sheen em Dois Homens e Meio (Divulgação/SBT)

Charlie Harper (Charlie Sheen) é um compositor de jingles solteirão, que vive dos direitos autorais de suas criações e sempre está acompanhado de belas mulheres. Mas sua vida começa a ter modificações quando o irmão Alan (Jon Cryer) e o sobrinho Jake (Angus T. Jones) vão morar com ele. Ademais, a figura da mãe Evelyn (Holland Taylor) desperta pavor e ressentimento nos dois. Exibida no começo das madrugadas, até mesmo devido à sua temática adulta, ainda assim a comédia fez sucesso.

Bônus: Pássaros Feridos

Com efeito, não foi uma série, mas sim uma minissérie exibida em cinco capítulos de duas horas pela emissora pela primeira vez em 1985. Produzida pela Warner, anteriormente fora oferecida à Globo, que não se interessou. A história cobre quatro décadas da vida de Maggie Cleary (Rachel Ward) e narra sua infelicidade em virtude de não poder viver plenamente seu grande amor. O homem que faz seu coração bater mais forte é Ralph de Bricassart (Richard Chamberlain), padre cujo maior objetivo é tornar-se Papa. Ele também a ama, contudo, a Igreja e o poder falam mais alto.

O SBT só iniciava Pássaros Feridos quando a Globo tirava do ar os capítulos de Roque Santeiro, e preenchia a grade com desenhos da Pantera Cor-de-rosa. A estratégia deu certo e rendeu à emissora índices históricos que passaram dos 40 pontos. Posteriormente a minissérie voltou ao ar em algumas ocasiões, sempre com público cativo. Ainda, em 2000 a emissora exibiu uma sequência da história, Pássaros Feridos – Os Anos Ausentes, logo após uma das reprises da original. Cobrindo o período de tempo “pulado” pela narrativa da minissérie clássica, mantinha Chamberlain no papel do padre.

Publicidade
© 2020 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade